Blog Notícias sobre Empresas e Negócios | Paraná S/A
0

Volks e Aliança oferecem capacitação e R$ 51 mil em barras de ouro para boas ideias empreendedoras

Na foto, Taísa e Bruno da Annora Alimentos. A empresa de bebidas veganas deu um salto de desenvolvimento após a participação no Desafio de 2017. (Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo)
Na foto, Taísa e Bruno da Annora Alimentos. A empresa de bebidas veganas deu um salto de desenvolvimento após a participação no Desafio de 2017. (Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo)

Carol Nery, especial para a Gazeta do Povo

O concurso cultural Geração Empreendedora – Desafio Paraná, iniciativa desenvolvida pela Volkswagen e pela organização social Aliança Empreendedora, com apoio do governo do Paraná, está em sua terceira edição. Com objetivo de proporcionar conhecimento e mentoria para jovens empreendedores de 18 a 35 anos, as inscrições podem ser feitas até o dia 4 de novembro.

Além de capacitação e feedback presenciais, os participantes concorrem a dez vagas por categoria para receberem mentoria e participarem da grande final, que acontecerá em dezembro, em Curitiba. Os destaques serão premiados com investimento em certificados de barras de ouro, em um total de R$ 51 mil. A premiação para o primeiro colocado do curso online em cada categoria será de R$ 7 mil e para o segundo, de R$ 3,5 mil. Os finalistas dos cursos presenciais receberão R$ 3 mil (primeiro lugar da categoria iniciante e atuante) e R$ 1,5 mil (segundo lugar em cada uma das duas categorias).

Edições anteriores ajudaram empresas e negócios sociais a decolar

O empreendedor Adriano Stella, de 33 anos, jardineiro há mais de 15, ampliou sua floricultura na capital paranaense com o prêmio de R$ 7 mil que recebeu no 1.º Desafio Paraná, em 2016. Ele inscreveu o projeto da empresa White Brush, de limpeza geral, na categoria de negócio com impacto social. Na época, ela funcionava havia dois anos, fazendo um trabalho de capacitação com mulheres presas em regime semiaberto.

LEIA TAMBÉM: Ex-reitor da UFPR lança empresa que se propõe a fazer o “match” entre indústrias e universidades do Paraná

Com a nova estrutura da floricultura, Stella decidiu aproveitar o espaço criado de estufa para a instalação da Associação Casa MEI e adaptou o projeto. Passou a atender a comunidade em geral e em variados segmentos. Ele tornou-se um facilitador da Aliança Empreendedora e pratica a mesma metodologia com seus alunos. O empreendedor mantém o espaço destinando de 30% a 40% do salário de jardineiro, que varia de RS 5 mil a R$ 7 mil por mês.

A associação tem voluntários fixos, como uma psicóloga e uma assistente social, além de voluntários que ministram cursos na área de gastronomia, como panificação, e beleza, ao capacitar profissionais como cabeleireiros e manicures. Nos últimos dois anos, o projeto formou cerca de 200 jovens com idades entre 18 e 35 anos. “Conquistamos importantes parcerias, como foi feito indiretamente com a Faculdade Opet, que fornece o espaço para nosso voluntário dar o curso de culinária. O mesmo fizemos com um salão de beleza da região Norte de Curitiba”, conta o empreendedor.

A Casa MEI estuda um trabalho específico de ressocialização de mulheres que usam tornozeleiras eletrônicas com órgãos públicos e indústrias. “Às vezes as empresas contratam firmas especializadas na área de limpeza e pagam muito mais. Temos as pessoas, a capacidade e parceiros, falta chegar às empresas. É um desafio para que vençam o preconceito.”

A empresa de bebidas veganas à base de coco Annora Alimentos, do casal de engenheiros químicos Taísa Montibeller Caraça, 25, e Bruno Rocha, 28, deu um salto na produção e nas vendas com a ajuda do prêmio de R$ 7 mil que recebeu no Desafio Paraná 2017, na categoria Negócio. Após oito meses de abertura da fábrica, localizada em Pinhais, na região metropolitana, eles puderam adquirir uma câmara fria, para armazenagem das garrafas pet e deixar de entregar o produto em caixas de isopor, substituindo-as pelas de papelão.

Antes do concurso a Annora Alimentos produzia 1,5 mil garrafas do produto por mês e tinha capacidade para atender a 35 pontos de vendas de Curitiba. Taísa conta que hoje comercializa uma média de 3 mil unidades ao mês e está em 70 pontos de vendas, não somente na capital paranaense, mas no litoral de Santa Catarina. “O processo inicial foi muito importante para organizar as informações e perceber lacunas. Na fase de mentoria, tivemos uma visão em 360 graus do negócio e o que estava faltando nas áreas de marketing, comercial e financeira, além de ter dicas sobre o próprio negócio”, relata Taísa.

LEIA TAMBÉM: Paraná ganha primeiro centro de tecnologia com foco em veículos híbridos e elétricos

O empreendimento continua a crescer. O casal revela que acaba de receber seu primeiro investimento, no valor de R$ 100 mil, como uma espécie de empréstimo. Do montante, R$ 60 mil serão destinados a maquinário de produção e o restante para fundo de marketing e capital de giro. “Nosso objetivo é converter a empresa para projetos sociais. As pessoas que estão investindo estão confiando nisso”, conta a empresária. Na prática, explica Taísa, a ideia é reservar pelo menos 3% do faturamento da Annora Alimentos para fins sociais. “Devemos iniciar na metade do ano que vem, assim que a empresa conseguir se sustentar.”

A Annora Alimentos oferece três tipos de bebidas à base de coco, 100% naturais, nos sabores coco original, não adoçado e chocolate. As garrafas têm preço sugerido de R$ 6,90 (300 ml) e R$ 19,90 (1l), encontradas em lojas de produtos naturais. Até o final do ano, será lançada a bebida à base de amêndoas. Para o ano que vem, a empresa irá explorar receitas com castanhas.

Como funciona o Desafio Paraná

Os projetos podem ser inscritos gratuitamente pelo site do Desafio Paraná (www.desafioparana.com.br) em quatro categorias: desde uma ideia até negócios com pelo menos seis meses de atuação. As candidaturas serão avaliadas pelo comitê organizador e os selecionados realizam o treinamento online gratuito por meio de webséries.

O concurso oferece também versões com treinamentos totalmente presenciais e diferentes opções de carga horária, como o curso Jornada Empreendedora, para negócios iniciantes e atuantes, e Caravana, para negócios com mais de seis meses de atuação. Os concorrentes que completarem a capacitação concorrem a vagas para a próxima fase, que conta com encontros presenciais regionais com treinamentos realizados pela equipe da Aliança Empreendedora e rodada de pitchs (apresentações curtas e diretas dos negócios).

LEIA TAMBÉM: Homem, jovem e curitibano. Estudo traça perfil das startups do Paraná

A versão presencial será disponibilizada nas cidades de Antonina, Guaraqueçaba, União da Vitória, Maringá, Piên, Campo Mourão, Guarapuava, Curitiba e região metropolitana (Piraquara, São José dos Pinhais, Quatro Barras e Araucária). A estimativa para o 3º Desafio Paraná é receber cerca de mil inscrições. “Nós acreditamos que qualquer pessoa tem capacidade para empreender e, por isso, o conteúdo dos cursos visa desenvolver as habilidades, experiências e rede de relacionamento do empreendedor, além de oferecer ferramentas de gestão e análise do negócio”, revela Barbara.

A cerimônia para todos os finalistas será no início de dezembro, em Curitiba. Informações e dúvidas pelo e-mail desafioparana@aliancaempreendedora.org.br ou pelo telefone (41) 3013-2409.

Veja o critério de cada categoria:

Ideia de negócio: com menos de seis meses de existência.

Negócio: com mais de seis meses de existência.

Negócio com tecnologia: com mais de seis meses de existência e que envolva tecnologia em alguma de suas atividades.

Negócio com impacto social: com mais de seis meses de existência e cujo serviço ou produto impacte positivamente a comunidade.

8 recomendacões para você