Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Política Cultural

Estado lança primeiro edital do Profice

Valor disponível no Programa Estadual de Fomento será de R$ 30 milhões, a ser captado via renúncia fiscal; inscrições abrem no dia 15 de dezembro

  • Isadora Rupp
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Muito esperada pelos artistas e produtores culturais do estado, a Lei Estadual de Incentivo à Cultura se concretizará neste mês: amanhã, o governador Beto Richa lança o Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura, o Profice, que promoverá a aplicação de recursos financeiros via Fundo Estadual da Cultura e Incentivo Fiscal.

A formulação do Profice passou por uma série de fases: desde o lançamento da lei (17.043), em dezembro de 2011, passando pela discussão e implementação do Conselho Estadual da Cultura (Consec), em 2012, e o CProfice (comissão do programa, com membros da comunidade artístico-cultural do Paraná, indicados pelas entidades representativas, que elaborou o edital e aprova as câmaras técnicas de julgamento), até os últimos ajustes neste ano (leia mais nesta página). O Paraná era um dos poucos estados do país que não possuíam lei própria de fomento.

O valor disponível neste primeiro edital será de R$ 30 milhões, a ser captado no mercado juntos aos contribuintes que recolhem ICMS ao estado (o esquema é o mesmo da Lei Rouanet). Serão atendidas dez áreas culturais: artes visuais; audiovisual; circo; dança; literatura, livro e leitura; música; ópera; patrimônio cultural material e imaterial; povos, comunidades tradicionais e culturas populares e teatro. Só podem se inscrever proponentes que residam no Paraná, e tenham pelo menos dois anos de atividade artística comprovada.

O edital abre para inscrição no dia 15 de dezembro, e segue até 13 de fevereiro de 2015 – a verba contempla 8 macrorregiões e será repartida em 10% do valor para cada área, divisão definida pelo Consec. “A proposta do Consec e do CProfice foi de fazer um edital simples e equilibrado, por isso a divisão”, explica o secretário de estado da Cultura, Paulino Viapiana.

A inscrição dos projetos (a faixa de valor vai de R$ 25 mil a R$ 750 mil) será por um sistema específico, desenvolvido pela Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), via internet – a ferramenta é semelhante a utilizada para declaração do Imposto de Renda.

Para facilitar a captação dos produtores culturais, a Secretaria de Estado da Cultura (Seec), reuniu empresas que pagam ICMS ao estado (estatais e telefônicas) para que elas destinem o imposto aos projetos. “Isso vai evitar que os produtores tenham que ficar mendigando ou circulando em muitas empresas em busca de um patrocínio, e vai facilitar muito para os produtores, que, às vezes, ficam anos em busca de um patrocinador e não conseguem”, salienta Viapiana.

O programa não proíbe outras fontes de financiamento. “Nós achamos que o modelo mais adequado é permitir que os projetos tenham um pedaço de Lei Rouanet, outro de Lei Estadual e, eventualmente, municipal. Isso forma um todo, que viabiliza determinados projetos”, diz o secretário. Ele cita o exemplo da área de cinema: “Um filme de 35 mm em película custa cerca de R$ 5 milhões, e isso consumiria muito da verba que a gente dispõe. Neste modelo, conseguimos pulverizar melhor, atender a uma centena de projetos”.

Além disso, caso sobre dinheiro em uma das áreas contempladas pelo edital, ele pode ser transferido para outra que tenha mais procura. “Por ser o primeiro edital, não sabemos a demanda exata do mercado, se alguma área terá mais concorrência e outras, menos. Temos certeza que surgirão questionamentos, mas o objetivo é começar e aperfeiçoar”, diz Viapiana.

De acordo com o secretário, o Profice é independente do Prêmio Estadual de Cinema e Vídeo (Lei 14.279, de 2004) – nos últimos quatro anos, somente um foi lançado. “Temos o compromisso de, em 2015, lançar o edital. Embora a lei diga que tem que ser anual, realmente não conseguimos fazer, por questões orçamentárias e da crise financeira. Mas é compromisso manter.” Viapiana ressalta, ainda, que o valor (de R$ 1 milhão para a produção de um longa-metragem e R$ 540 mil para um telefilme), cuja lei não prevê correção, pode ser debatido. “Havendo possibilidades orçamentárias e perspectivas futuras, a gente pode mudar isso, de comum acordo com a classe produtora e com a área de planejamento e finanças do governo.”

O edital completo estará disponível no site da Seec (www.cultura.pr.gov.br) para consulta a partir desta segunda-feira à tarde.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Caderno G

PUBLICIDADE