Blog Flavio Gordon

Sobre a descentralização de investimentos em Filosofia e Ciências Sociais

Estudantes e servidores da UnB protestam por mais recursos para a universidade, em 2018. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Estudantes e servidores da UnB protestam por mais recursos para a universidade, em 2018. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Sua Leitura 0
Esta matéria: +0

“As ciências totalmente ‘inúteis’, a história, a filosofia, os estudos literários, são justamente as favoritas dos regimes totalitários, que as abraçam até sufocá-las” (Otto Maria Carpeaux, A Ideia de Universidade e as ideias das classes médias)

O anunciado projeto do governo de descentralizar (ou, em outras palavras, reduzir) os recursos destinados a faculdades de filosofia e ciências sociais parece-me ser uma daquelas medidas que, provavelmente concebidas pelos motivos errados, podem acabar gerando bons frutos. Levada adiante, com ela o presidente Jair Bolsonaro terá, talvez, mirado no que viu e acertado no que não viu. Na mosca!

Se a minha suposição é correta, os motivos errados provêm daquele fundo de imaginação positivista que, presente até hoje no meio militar brasileiro, decerto inspirou a decisão do ex-capitão do Exército. A característica central do positivismo, essa cultura intelectual de massa surgida em meados do século 19, consiste na ideia de que as ciências naturais (ou seja, aquelas capazes de matematizar a realidade) possuem virtudes superiores e inerentes, razão pela qual todas as demais ciências, notadamente as humanas, deveriam imitar-lhes a metodologia. Em vez de discernir o método adequado para a compreensão dos objetos específicos com os quais lidam as ciências humanas – e cuja natureza é bem diversa da dos objetos estudados pelas ciências naturais (como há muito demonstraram Wilhelm Dilthey e outros expoentes da escola sociológica germânica) –, o positivista fará justamente o contrário, afivelando o objeto à cama metodológica de Procusto, e terminando assim por descaracterizá-lo.

Como se sabe, aquela tradição intelectual moldou a visão de mundo dos militares brasileiros, daí a sua má tendência a tomar como critérios exclusivos para a aferição de mérito científico a eficiência técnica (domínio sobre a natureza) e a utilidade imediata (efeitos de curto prazo), com a consequente valorização de disciplinas tais como engenharia, química e física em detrimento da sociologia, da antropologia e da filosofia, cujos efeitos são (para o bem ou pra o mal) de muito mais longo prazo, gerando mudanças de ordem antes subjetiva que objetiva. Foi essa tendência, aliás, uma das razões para a derrota cultural que, entre os anos 1960 e 1980, a esquerda brasileira (hegemônica justo naquelas áreas acadêmicas) impôs às nossas forças armadas.

Foi por intuírem esse vício ideológico positivista de origem que muitas pessoas (e aqui me refiro apenas a gente honesta, legitimamente preocupada com o rumo da educação no país, e não aos sabotadores profissionais) criticaram o anúncio da medida. Com certa razão, portanto. O problema, decorrente daquela intuição, foi terem reagido com uma argumentação puramente abstrata – e, por vezes, um tanto quanto sentimentalista – sobre a importância da filosofia e da sociologia enquanto campos do saber, argumentação em que não faltaram lugares-comuns do tipo “um país sem filosofia é um país sem cultura” ou “filosofia e sociologia ensinam a pensar criticamente”.

Ora, um debate teórico sobre o valor absoluto da filosofia e da sociologia, conquanto legítimo em si mesmo, soa alienado e até cômico quando confrontado com a situação concreta do ensino acadêmico dessas disciplinas no país. Porque, antes de defender uma filosofia e uma sociologia idealizadas contra uma medida que ameaça reduzir os investimentos no seu ensino, é preciso conhecer as condições práticas em que se dá esse ensino, e se essas condições são, elas sim, defensáveis. E para quem, como eu, conhece de perto o estado presente das faculdades de Ciências Sociais e Filosofia no Brasil, a resposta só pode ser uma: não, elas não merecem defesa, porque não formam cientistas sociais e filósofos minimamente capacitados, e, bem ao contrário, no geral se apresentam como ambientes extremamente hostis à vida intelectual autêntica. Como digo sempre, há sim (poucos) excelentes intelectuais acadêmicos no Brasil, mas a sua excelência costuma se manifestar apesar, e não por causa, da universidade.

Para avaliar o eventual impacto de uma redução de investimento público nas humanidades, deve-se ter em mente que a Filosofia e a Sociologia são, hoje, áreas acadêmicas inchadas. Nelas, ingressam anualmente uma quantidade desproporcional de estudantes, os quais, na maior parte dos casos, não terão condições de seguir uma carreira acadêmica bem-sucedida (grande parte sequer concluirá o curso) ou de serem absorvidos pelo mercado de trabalho. Com elas, gasta-se uma quantidade insustentável de recursos, em larga medida destinados a pesquisas de péssima qualidade, que resultarão em dissertações e teses redigidas em mau português, muitas delas versando sobre temas esdrúxulos – não raro, um mero pretexto para satisfazer, às custas de dinheiro público, as idiossincrasias pessoais de seus autores.

Ademais, o ambiente politicamente contaminado dessas faculdades (para não falar da transigência com o tráfico de drogas e outras práticas delituosas dentro dos campi) faz com que muitos jovens estudantes, e em especial os de baixa renda, tenham as suas inteligências, aptidões e personalidades totalmente devastadas, saindo dali, além de social e familiarmente desenraizados por uma cultura niilista de “desconstrução”, sem maiores perspectivas que as do desemprego ou ingresso num partido político de extrema-esquerda, cujos recrutadores profissionais estarão a postos para assediá-los desde o primeiro dia de aula. Nada disso me foi contado. Vi acontecer com os meus próprios olhos.

Não se pode esquecer, sobretudo, que o inchaço desse setor acadêmico não foi um processo natural, oriundo de uma demanda espontânea da sociedade ou do mercado. Tratou-se, ao contrário, do resultado de um cálculo político do lulopetismo, que enxergou aí um ambiente propício para a construção de um amplo curral de militantes partidários. Em 2007, primeiro ano de seu segundo mandato, o então presidente (hoje presidiário) Lula criou o Reuni, o projeto de expansão das universidades federais que, sob o pretexto de “democratizar” o acesso ao ensino superior, o que fez foi degradá-lo brutalmente, gerando uma massa do que Otto Maria Carpeaux chamava de “proletários intelectuais”, num processo caracterizado pela regressão daquela que deveria ser uma elite intelectual e científica à condição de “massa ornada de títulos acadêmicos”. Títulos em larga medida inúteis, pouco mais que ingressos Vips para o baile do desemprego.

Em 2008, como parte desse mesmo processo academicamente inflacionário, e por intensa pressão corporativa de representantes do setor, o governo petista sancionou a Lei 11.684, que, depois de 40 anos, voltava a tornar obrigatórias as aulas de filosofia e sociologia no ensino médio. Parte considerável da expansão universitária no âmbito do Reuni envolveu a criação de cursos de licenciatura para essas disciplinas, a fim de atender a demanda (artificialmente criada, repito) por professores para o ensino médio. Junto a isso, o número de programas de pós-graduação em filosofia e ciências sociais também cresceu acima do razoável, resultando num alto e custoso contingente de recursos humanos, a maior parte dos quais, como já dissemos, incapaz de seguir a carreira docente ou ser absorvido pelo mercado de trabalho. A produção acadêmica nas referidas áreas aumentou brutalmente em quantidade, mas a qualidade continua decaindo.

Essa não é uma opinião pessoal minha, mas um dado mensurável da realidade. Como tem mostrado numa série de artigos para esta Gazeta do Povo o bioquímico Marcelo Hermes Lima, professor da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em cientometria, houve, no Brasil dos últimos anos, um aumento considerável na quantidade de artigos científicos publicados, resultado evidente da expansão descontrolada dos programas de pós-graduação. Todavia, esse crescimento quantitativo não se fez acompanhar de uma melhora na qualidade da nossa produção acadêmica, que continua tendo baixíssimo impacto global.

Por exemplo, segundo o SCImago Journal Rank, portal que avalia a influência de publicações científicas de todo o mundo, em 2017 o Brasil produziu 5.192 artigos acadêmicos na área de ciências sociais, um número relativamente alto (a Rússia, por exemplo, publicou 5.890; a China, 13.247; e os EUA, 64.541). Em termos quantitativos, o país ocupa uma razoável 13.ª posição num ranking de 44 países com mais de mil publicações. Nada mal, né? O problema começa quando nos voltamos para a qualidade e a relevância dessa produção, que pode ser auferida pelo número de vezes em que os nossos trabalhos são citados pela comunidade científica internacional. Sob esse critério, o Brasil passa a ocupar nada menos que a última posição naquele mesmo ranking de 44 países. E a coisa não varia muito para os anos anteriores (35.ª posição de 43 em 2016; 39.ª de 40 em 2015; 38.ª de 40 em 2014 etc.). Nada bem, né? Em Ciências Sociais (e o quadro é o mesmo para Filosofia, Antropologia, História, Linguística e Educação), produzimos muito – e a um custo elevado –, mas produzimos mal. Como queríamos demonstrar.

Diante desse quadro desolador, a proposta de uma gestão mais racional dos recursos destinados às universidades federais afigura-se não apenas como justa, mas também necessária. Trata-se de uma questão de probidade administrativa. Dinheiro público não dá em árvore, afinal de contas (só para se ter uma ideia, hoje o custo médio de manutenção de um aluno de universidade federal é de quase R$ 40 mil reais por ano). Justamente por serem importantes em si mesmas, disciplinas como Filosofia, Sociologia e Antropologia precisam ser resgatadas de um sistema falido que as corrompe. Somos um país que luta para se livrar da herança maldita (econômica, social, cultural e moral) do lulopetismo, e que, portanto, já não pode se dar ao luxo de bancar anos de uma pesquisa sobre orgias gays na cidade do Rio de Janeiro, cuja metodologia, por assim dizer, consistiu na observação (muito) participante do pesquisador; ou sobre a “erótica dos signos no aplicativos de pegação”, cujo autor, em vez de conseguir um emprego, preferiu se dedicar à tarefa mais modesta de “romper a divisão cartesiana entre mente e corpo”; ou ainda sobre “os discursos de gênero e sexualidade no Big Brother Brasil 10”, que dispensa maiores comentários…

Não podemos, sobretudo, permitir que o dinheiro dos nossos impostos seja torrado na manutenção de um outro tipo de orgia, os verdadeiros bacanais político-ideológicos que partidos como PT, PSol e PCdoB promovem habitualmente em nossos campi, com a cumplicidade de parte da comunidade acadêmica, que se vale para isso de uma noção distorcida de “autonomia universitária”. É hora de dar um basta na farra do aparelhamento acadêmico, e de reduzir a dimensões adequadas aquilo que, por razões políticas, foi artificialmente inchado. O Brasil cansou, enfim, de segurar vela para os Românticos de Cuba.

8 recomendacões para você

 
 
Ícone fechar stats points i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora +0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
576 total de pontos
Ícone total de pontos Muito Bem! Você conhece muito sobre o Governo.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
asd