Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Em um parto humanizado, a mãe e o bebê decidem o fluxo do nascimento e o tempo deles é respeitado.
Em um parto humanizado, a mãe e o bebê decidem o fluxo do nascimento e o tempo deles é respeitado.| Foto: Divulgação
  • Por Dra Midiã Vergara Bandeira CRM 28792-PR | RQE 19354
  • 24/11/2021 12:04

Toda gestante em algum momento imagina como será a hora exata em que verá o rostinho do seu filho pela primeira vez. Afinal, são noves meses gerando uma vida em seu ventre e estabelecendo com ela a maior de todas as conexões.

Apesar das grandes expectativas que são criadas, não dá para saber com precisão qual enredo conduzirá este encontro, mas é possível ter uma certeza: é uma das experiências mais importantes da vida de uma mulher e mesmo sem saber como tudo acontecerá deve ser conduzida de forma acolhedora.

Existem diversas abordagens e práticas dentro da medicina quando o assunto é nascimento. Seja na escolha da via de parto, acompanhamento pré-natal e possíveis intervenções, acreditamos que esta mulher precisa sentir-se segura, confortável e confiante para viver essa experiência tão intensa.

O que é um parto humanizado?

Parto humanizado não diz respeito a um tipo de parto ou uma forma de nascer, tampouco é sobre parir em casa ou no hospital, na banheira ou fora dela. Falar de humanização em um parto é reconhecer o valor e a individualidade das principais pessoas envolvidas nesse processo: a mãe e o bebê.

Na obstetrícia, a perspectiva humanizada de um nascimento diz respeito a um conjunto de ações, valores e técnicas capazes de tornar os serviços e processos mais acolhedores e humanos. De forma geral, o parto humanizado é baseado em três principais fundamentos: (1) Medicina baseada em evidências científicas; (1) Protagonismo da gestante e do bebê e (3) Equipe multidisciplinar.

Diferente do que muitas pessoas acreditam, o parto humanizado não tem um manual de regras e condutas, pois o objetivo daquele momento é respeitar a vontade e a história de cada mulher, de acordo com suas necessidades.

Especialmente na hora do parto, este posicionamento humanizado de toda equipe envolvida pode promover uma experiência mais acolhedora e não traumática para a mãe e seu filho. Olha-se para esse momento de forma única e especial, desfocando a atenção da equipe médica e focando em quem realmente importa.

Tudo começa com a informação

O primeiro passo para o parto humanizado é a informação. A gestante tem o direito de saber o que está acontecendo com seu corpo em todas as etapas do processo.

Os profissionais que irão acompanhá-la têm suas responsabilidades a fim de garantir a segurança no processo, mas para que ea mulher possa realmente se sentir tranquila em cada etapa, é fundamental que ela esteja à par de todas as decisões e se prepare, nas consultas de pré-natal a respeito do que pode acontecer na hora do parto, alinhada com a sua equipe.

É importante que seja praticada uma medicina baseada nas evidências, com decisões tomadas a partir de comprovações científicas, a fim de oferecer mais saúde e bem-estar para os envolvidos

Mãe e filho protagonistas

O nascimento pode acontecer através de um parto vaginal ou uma cesárea e a via que acontecerá é de escolha da gestante, mas para que ela possa tomar uma decisão consciente é importante que ela conheça todos os riscos e benefícios de cada uma dessas vias.

Independente da via, o principal objetivo da assistência humanizada é oferecer o cuidado integral à gestante e seu bebê e, assim, proporcionar uma experiência mais acolhedora, adaptada àquilo que os deixam mais confortáveis, seguros e confiantes sem abrir mão da segurança através do olhar técnico de cada membro da equipe que acompanhará esse momento.

Plano de parto: a lista de desejos da mulher

Uma maneira de sinalizar a equipe assistente os desejos para o momento do nascimento é através da elaboração do plano de parto. Esse documento irá trazer itens de caráter técnico como como uso ou não de analgesia, necessidade e formas de indução de parto, acompanhante do parto. Além disso, o plano também pode conter as preferências como: playlist de músicas para o nascimento, coisas à sua disposição para consumir, como suco, água de coco, iogurte, frutas, entre outras e desejos especiais para esse momento.

Durante esse processo também é importante conversar sobre os caminhos mais difíceis que podem se desenhar, quando o parto não sai como idealizado. E, como base nisso, traçar quais são os desejos, quais intervenções ela aceita, como ela gostaria que a equipe procedesse em cada situação.

Humanização em uma equipe multidisciplinar

O grande momento de parir envolve diferentes profissionais, que podem assegurar a saúde da mãe e do bebê. Afinal, cada membro desta equipe tem um conhecimento próprio capaz de resolver diferentes situações, durante o pré-natal e no parto.

Em um parto humanizado, quem decide quais recursos serão utilizados para alívio da dor é a própria gestante. O escopo do plano de parto é sempre alinhado com o perfil e Poder ter dança, música, exercícios de respiração, massagem ou simplesmente nada.

Apesar das grandes expectativas que são criadas, é válido ressaltar que no momento do parto as intervenções médicas só acontecem quando existe a necessidade. É a mãe e o bebê quem decidem o fluxo do nascimento e o tempo deles é respeitado.

De modo geral, uma equipe multidisciplinar para o pré-natal e parto inclui as seguintes especialidades: obstetra, pediatra, enfermeira obstetra, doula, fisioterapeuta e anestesista.

Todos esses membros precisam estar em sintonia com a perspectiva humanizada do parto para uma experiência mais autêntica, saudável e segura para gestante e criança.⠀

Dra. Midiã Vergara Bandeira - Ginecologia | Obstetrícia - CRM 28972-PR | RQE 19354
Dra. Midiã Vergara Bandeira - Ginecologia | Obstetrícia - CRM 28972-PR | RQE 19354| Divulgação

Dra. Midiã Vergara Bandeira - Ginecologia | Obstetrícia
Instagram: @midibandeira_obstetra
CRM 28972-PR | RQE 19354
(41) 99921-0058
(41) 3049-7676 Rua Bruno Filgueira, 369 - 12º andar, Batel