Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Jaime Lerner participou do projeto de reurbanização de União da Vitória, a convite do então prefeito Santin Roveda.
Jaime Lerner participou do projeto de reurbanização de União da Vitória, a convite do então prefeito Santin Roveda.| Foto: Divulgação
  • Por Santin Roveda
  • 06/07/2021 18:42

A admiração do ex-prefeito de União da Vitória Santin Roveda pelo arquiteto Jaime Lerner vem de tempos. Desde garoto quando visitava Curitiba e se deparava com as transformações e as marcas de Lerner na capital paranaense. Não se tratava apenas das intervenções urbanas, mas do sentimento de pertencimento dos curitibanos com a cidade. Isso impressionou muito o jovem. A admiração se converteu em amizade e se fortaleceu quando Airton Roveda, pai de Santin, assumiu a prefeitura de União da Vitória e, mais tarde, passou por três mandatos na Câmara dos Deputados.

Lerner, pela ligação histórica com União da Vitória, tornou-se um consultor informal da família Roveda. Santin, ainda jovem, disse a Lerner: "ainda vamos trabalhar juntos". Ao que Lerner assentiu com a cabeça, ao seu modo, com um sorriso no rosto. O sorriso se repetiu em 2017 quando Santin, no comando da prefeitura, ligou para Jaime Lerner e disse: "Vamos trabalhar por União da Vitória?". É claro que Lerner topou.

O conceito do ex-prefeito e do urbanista era simples e peculiar:  transformar o União da Vitória em uma referência em urbanização e transporte público e solucionar os principais desafios de expansão da cidade. A parceria dos dois foi um sucesso. O próprio Jaime Lerner, que já conhecia União da Vitória, propôs alterações no traçado urbano e, com os arquitetos Fernando Canalli e Gianna Rossanna De Rossi, projetou uma série de intervenções, das menores às mais complexas.

Plano diretor

Essa proposta gerou impactos que já são sentidos pela população local e forneceu as bases para o atual plano diretor da cidade, que está em fase final de desenvolvimento. “Uma das coisas que Lerner sempre pontuava é não trabalhar só na arquitetura e urbanismo, mas melhorar a vida das pessoas, porque não adianta nada fazer qualquer tipo de intervenção que não modifique para melhor a vida das pessoas”, explica Santin Roveda.

| Divulgação

Em União da Vitória, essa melhoria que impacta a vida dos moradores começa por ressignificar o Rio Iguaçu. “O traçado urbano da cidade não valoriza este rio, que é tão importante para o Paraná. A cidade não pode dar as costas ao Iguaçu, o que precisamos fazer é nos voltar a ele, fazer as pazes com o Iguaçu”, comentou.

Assim, o planejamento começou pelas águas, solucionando um pedido antigo dos moradores: a construção da ponte José Richa, que liga o centro até o distrito de São Cristóvão, e a revitalização total do novo binário no distrito de São Cristóvão. Com 500 metros de extensão e 130 metros de largura, a ponte já facilita a circulação de pelo menos 25 mil moradores da região. "A ponte é uma concretização de mobilidade inovadora que criou harmonia entre veículos, pedestres e ciclistas. E além disso é um grande exemplo de transferência de renda, Jaime um dia me disse que conseguimos com essa ponte criar dinheiro para as pessoas, pois todos os imóveis dobraram de valor na região", complementa Roveda.

Somada a obras complementares como as vias de acesso, a rotatória e a ciclovia, por exemplo, a obra custou R$ 30 milhões e foi uma parceria da prefeitura com o Estado. “Com essa ponte, criamos um eixo de desenvolvimento para saber para onde a cidade vai crescer, dialogando com todo o Vale do Iguaçu. Temos uma planície gigantesca com diversas oportunidades, que poderá ser longamente explorada”.

Acupuntura urbana

O projeto da ponte foi um dos incorporou sugestões e insights trazidas pela equipe de Lerner, presentes principalmente no formato da ciclovia. “Essa ponte era um pedido de três décadas, um sonho inviável, uma lenda, uma utopia. Quando a gente anunciou, as pessoas até desconfiavam, mas, eu estava trabalhando em mais do que uma ponte que liga o centro ao distrito. Eu estava trabalhando com a meta de concretizar um projeto que foi sonhado em muito tempo e que eu comecei do zero”, recorda.

| Divulgação

Santin Roveda também entregou 50 quilômetros de ruas e avenidas asfaltadas, todos os pontos de ônibus novos, arenas esportivas, academias ao ar livre, playgrounds nas praças e revitalização como a da centenária Praça Coronel Amazonas, do estádio Antochio Pereira, do ginásio Isael Pastuch e da Praça do Expedicionário.

Apesar da magnitude de realizar obras há muito esperadas pela cidade, a principal transformação esperada pelo ex-prefeito a partir deste plano de reurbanização é uma mudança na cultura de cuidado e de atenção dos moradores com a cidade. “Um prefeito não muda uma cidade, quem muda são as pessoas”, defende o ex-prefeito.

Segundo Roveda, se a administração pública responde aos pedidos dos moradores e demonstra interesse em manter a cidade bem atendida, os cidadãos também se dedicam à manutenção do que foi feito. “Quando assumi a prefeitura, era muito claro o pessimismo e a desmotivação que se tinha. A autoestima dos moradores foi abalada por questões como as enchentes, com as quais União da Vitória sofreu muito. Você só consegue mudar essa cultura quando investe em melhorias, resolvendo problemas que fragilizam a população, fazendo uma cidade mais iluminada, com mais entretenimento, com gastronomia diversificada, com valorização do que é nosso”, completa.

| Divulgação

Em referência ao que Lerner chama de “acupuntura urbana”, Roveda defende que certas obras funcionam como maneiras de “curar uma dor” da cidade, nesse sentido. “São intervenções, pequenas, médias, grandes ou gigantescas, que fazem com que esse organismo melhore e se desenvolva cada vez mais.

Projeto de cidade

O projeto de contenção de enchentes, no qual a equipe de Lerner também se envolveu, é uma dessas intervenções. No prefácio que escreveu para o livro O Compromisso de Inovar, de autoria de Santin Roveda, o arquiteto e urbanista escreveu: “O projeto de revitalização urbana de União da Vitória é um dos mais gratificantes que tive a oportunidade de assinar. Desde o primeiro momento, Santin Roveda abraçou com entusiasmo a ideia de uma expansão urbana equilibrada e em harmonia com o Rio Iguaçu, que corta a cidade e que, com parques e lagos de contenção, trará lazer e integração em vez das enchentes periódicas”.

| Divulgação

Neste sentido, a mudança de chave no imaginário da população dialoga com o planejamento prático e com a implementação dos projetos na gestão da cidade. “Foi feito um estudo técnico detalhado, para que pudéssemos intervir na questão das enchentes e passar a ver União da Vitória como a cidade das oportunidades. Essa mudança passa muita confiança aos moradores e gera transformações reais na cidade”, conclui Roveda.