Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Bolsa vive dia de cautela com ressaca de pesquisas e perspectiva de alta de juros nos EUA

leve queda

Bolsa vive dia de cautela com ressaca de pesquisas e perspectiva de alta de juros nos EUA

No cenário externo, a pressão veio da divulgação de dados da economia dos EUA que mostram que o país cresce a todo o vapor, o que deve gerar novas altas de juros no país

  • Redação com Folhapress
Operadores preocupados na Bolsa de Nova York.Índice Dow Jones caiu com  alta dos juros dos títulos da dívida americana e a liquidação desses papeis. | SPENCER PLATT/AFP
Operadores preocupados na Bolsa de Nova York.Índice Dow Jones caiu com alta dos juros dos títulos da dívida americana e a liquidação desses papeis. SPENCER PLATT/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Após dois dias de altas significativas, o Ibovespa caiu 0,38%, a 82.952 pontos. Segundo os analistas, isso aconteceu porque os investidores resolveram adotar uma posição de mais cautela frente à maior probabilidade de alta de juros nos Estados Unidos, devido aos sinais de que a economia do país anda a todo o vapor, e também diante de uma relativa calmaria no cenário interno, com a pesquisa Ibope de quarta (3)* reforçando as tendências do Datafolha de terça (2)**, e Jair Bolsonaro (PSL) à frente dos demais candidatos.

Novos dados mostrando que a economia americana está ainda mais aquecida do que se imaginava puxaram para cima juros de títulos da dívida americana e arrastaram consigo taxas de outros países nesta quinta (4). As treasuries (títulos de dívida americana) com vencimento em dez anos, usadas como referência pelo mercado, chegaram a ultrapassar 3,2%, no nível mais alto desde 2011. É o mercado fazendo o que costuma fazer, antecipando o cenário futuro nessas negociações. As bolsas americanas e também europeias operam em queda em razão disso.O índice Dow Jones, em Nova York, cai a 0,75%, com - 200 pontos, já perto do fechamento.

O dólar comercial, por sua vez, após três dias de queda, fechou em leve alta de 0,22%, a R$ 3,896, também em razão dos bons resultados econômicos dos EUA que impulsionaram a valorização da moeda norte-americana frente à maioria das divisas. Ainda nesta sessão, o Banco Central colaborou para que a alta da moeda em relação ao real não fosse expressiva, vendendo 7,7 mil swaps cambiais (contratos futuros de dólar), num total de US$ 1,5 bilhão.

LEIA TAMBÉM: Setor de tecnologia deve concentrar empresas brasileiras em bolsas dos EUA

A escalada dos treasuries começou na quarta-feira (3), quando relatório mostrou que a criação de vagas no setor privado americano atingiu em setembro o maior nível em sete meses. No mês, a folha de pagamento aumentou em 230 mil vagas, contra 168 mil em agosto.

Pesaram também para os rendimentos mais altos os comentários do presidente do Federal Reserve (o banco central americano), Jerome Powell, na véspera. Powell disse que a expansão econômica dos EUA poderia continuar por um bom tempo e que o Fed poderia elevar as taxas de juros acima do nível estimado como neutro enquanto esse avanço fosse notadamente positivo, numa sugestão aos mercados de que mais aumentos estariam no horizonte da autoridade monetária.

“Se nós virmos as coisas ficando mais e mais fortes, com a inflação subindo, então poderíamos nos mover mais rapidamente. Se virmos a economia enfraquecendo, ou a inflação caindo, nós podemos mexer um pouco mais devagar [nos juros]”, afirmou Powell. “Assim, elevou-se a percepção de que o Federal Reserve poderia elevar os juros mais rapidamente do que o mercado espera”, escreveu a corretora Rico em relatório.

Nesta quinta (4), mais dados positivos reforçaram esse comentário: os pedidos semanais de auxílio-desemprego caíram 8.000, para 207 mil, na última semana de setembro, perto da mínima em 49 anos. O mercado de trabalho americano vive um momento próximo ao pleno emprego, o que acende o alerta para pressões inflacionárias.

LEIA TAMBÉM: Não espera o caos no mercado financeiro após as eleições

A última elevação na taxa americana ocorreu na última quarta-feira (26), colocando os juros na faixa entre 2% e 2,25% ao ano. As projeções gerais para os movimentos dos juros continuaram, porém, inalteradas em relação à reunião do Fed em junho. 

A expectativa é de que haja mais um aumento neste ano, em dezembro, três em 2019 e um em 2020, o que levaria os juros a 3,4%.

“O mercado olhou para aquilo e duvidou um pouco. Depois vêm esses dados ultrapositivos, apontando para uma economia consistentemente aquecida, e o mercado pensa: ‘Essa alta vai ter que ser maior do que o Fed está falando’. Isso reflete no rendimento das treasuries, porque os investidores apostam que os juros vão subir mais e começam a demandar rendimento maior também”, explica Victor Candido, economista da Guide.

Também nesse dia de cautela, parte dos investidores que apostaram em papeis de estatais, como Petrobras e Eletrobras, que valorizaram recentemente, aproveitou para vender esses papeis e realizar lucro.

*Pesquisa realizada pelo Ibope nos dias 1.º e 2 de outubro com 3.010 entrevistados (Brasil). Contratada por: REDE GLOBO E O ESTADO DE S.PAULO . Registro no TSE: BR-08245/2018. Margem de erro: 2 pontos percentuais. Confiança: 95%. *Não sabe / Não respondeu.

**Pesquisa realizada pelo Datafolha em 2/out com 3.240 entrevistados (Brasil). Contratada por: EMPRESA FOLHA DA MANHA . Registro no TSE: BR-03147/2018. Margem de erro: 2 pontos percentuais. Confiança: 95%. *Não sabe / Não respondeu.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE