i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Além do mercado financeiro

Como o coronavírus afeta a economia global e brasileira

  • Brasília e Curitiba
  • 28/01/2020 21:06
  • Atualizado em 17/03/2020 às 14:33
Coronavírus china mercado
Coronavírus obrigou chineses a usarem máscaras para impedir a propagação do vírus até para fazerem compras em Pequim| Foto: NICOLAS ASFOURI / AFP

Além das vítimas fatais, a rápida disseminação do coronavírus tem deixado suas marcas na economia global e brasileira. Origem do surto, a China tem o segundo maior PIB do planeta, e uma desaceleração em sua economia acaba afetando o mundo inteiro – com efeitos, por exemplo, sobre os países que dependem muito das exportações para o país asiático, como o Brasil.

Se por um lado afeta o ganho das empresas e a atividade econômica, por outro a queda dos preços de commodities pode baratear alguns produtos. Um exemplo: se o recuo das cotações do petróleo persistir, combustíveis podem ficar mais baratos no Brasil. Para isso, no entanto, a queda do real em relação ao dólar não pode ser tão forte, pois a alta da moeda norte-americana atua na outra direção, inflando o preço de bens negociados no mercado internacional.

Primeira reação ao coronavírus foi no mercado financeiro

Na tentativa de conter o alastramento do vírus, a China adotou medidas drásticas para diminuir o fluxo de pessoas nas ruas e deslocamentos pelo continente asiático. As bolsas de valores globais começaram a semana em queda. O preço do barril de petróleo caiu abaixo de US$ 60 pela primeira vez em quase três meses. O dólar se valorizou em relação ao real. E até as projeções para a Selic – a taxa básica de juros da economia brasileira – foram revistas.

Na segunda-feira (27), a Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu que errou na sua avaliação inicial sobre os efeitos do coronavírus. A organização passou a classificar o risco do novo vírus como “elevado”, e não mais “moderado”. A OMS disse também que a doença ainda não se trata de uma emergência de saúde global, mas que “pode vir a ser”. As últimas foram a gripe suína (H1N1), o vírus zika e o ebola.

A reclassificação do coronavíus e também o aumento do número de mortos e infectados dispararam o alarme da volatilidade global e aversão ao risco. O primeiro reflexo foi no mercado financeiro, e as bolsas mundo afora começar a semana em queda. Um movimento que, grosso modo, refletiu o temor de que a atividade econômica na China e no mundo todo se desacelere ainda mais que o esperado.

No Brasil, o Ibovespa fechou a segunda-feira (27) com queda de 3,29%, a maior baixa em um dia desde março de 2019. Entre as principais empresas listadas afetadas pela queda estão as siderúrgicas Gerdau e CSN, que exportam para a China, e a Petrobras, que depende do preço do barril de petróleo. A Vale também viu seu valor de mercado encolher na segunda, o pico do estresse até o momento.

O coronavírus afetou o dólar e as projeções para a taxa básica de juros (Selic), e ainda pode pressionar a inflação. A moeda americana chegou a R$ 4,20 no início da semana, maior patamar desde 2 de dezembro. E se antes o mercado se concentrava na aposta de que a Selic se manteria em 4,5%, já há quem preveja um corte de 0,25 ponto porcentual em breve.

“Os efeitos não se limitam às bolsas e às commodities, como também afetando as projeções para a nossa Selic – haja vista que ontem o mercado elevou para mais de 80% a chance de corte de 25 pontos-base no próximo Copom”, disse Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos, em relatório. O Banco Central decidirá na próxima quarta (5/2) se mantém ou muda a Selic.

Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo, pontua a aversão ao risco no mercado acaba gerando inflação no ativo livre de risco – títulos do tesouro americano e, consequentemente, o dólar. “Com o dólar muito alto, você acaba ‘importando’ inflação. Muitos produtos que consumimos são negociados em dólar, o que acaba encarecendo o produto final e vai impactar a inflação no curto prazo”, analisa.

Depois do estresse, um dia mais calmo

Nesta terça (28), os mercados ficaram um pouco mais “calmos”, diante das medidas tomadas pelo mundo, em especial a China, para conter a disseminação do vírus. As bolsas no Brasil, Estados Unidos e Europa se recuperaram e a maior parte fechou com tímidas altas. Na Ásia, por outro lado, as baixas persistem.

Entre as ações para reduzir os efeitos na economia, a China prolongou o feriado de seu Ano Novo, que inicialmente terminaria na quinta (31), mas agora vai até 3 de fevereiro. Com isso, as Bolsas de Xangai e Shenzen só voltam a funcionar na terça (4/2).

Além de prolongar o feriado, Hong Kong, cidade autônoma localizada no sudeste da China, fechou ferrovias e balsas e suspendeu ônibus de turismo entre a cidade e o continente chinês. Os voos para a China continental também foram reduzidos pela metade. A cidade também não está mais emitindo vistos individuais.

Segundo o Centro de Controle de Doenças da China, é preciso encontrar um equilíbrio entre controlar a propagação da doença e limitar os impactos econômicos do surto do vírus.

"As medidas na China são para evitar que o processo de contaminação se alastre. A consequência, ao limitar fluxo de pessoas, estender o feriado, acaba tendo um impacto econômico imediato por lá. Mas isso é para evitar um dano muito maior lá na frente, que ocorreria ao deixar as pessoas circularem livremente, e o vírus se propagar", diz o economista Juan Jensen, sócio da 4E Consultoria e professor do Insper.

Coronavírus: o que esperar daqui para frente

Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos, diz que é difícil projetar como o surto pode afetar a economia daqui para frente, em especial no longo prazo. “Não existe uma 'regra' para como o mercado reagirá às epidemias e o motivo é simples: existem outras diversas variáveis que afetarão”, escreveu em relatório. Mas completou dizendo que elas “certamente afetarão o mercado no curto prazo”.

Economista da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira afirma que, caso o surto se espalhe ainda mais, a economia chinesa deve ter uma desaceleração, afetando a economia global e as exportações brasileiras. A China é o principal destino das exportações brasileiras.

"Supondo que aumente a amplitude da contaminação, levando à redução dos fluxos de pessoas e mercadorias da China com o resto do mundo, a economia chinesa teria uma desaceleração em sua taxa de crescimento. Se ocorrer, isso impactaria fortemente as exportações do Brasil, naquilo que o país tem de mais dinâmico hoje, que são as commodities”, afirmou em entrevista à Gazeta do Povo.

Qualquer coisa que o Brasil já vende ou possa vir a vender – de commodities, passando por tecnologia e até mesmo o petróleo – pode ser impactada, diz Rodrigo Franchini, da Monte Bravo.

“As empresas daqui que exportam para a China terão um mercado menor para exportar, e essas empresas tendem a não crescer. Se as empresas não crescem, o Brasil não cresce, não gera renda, emprego”, avalia.

Além das empresas ligadas ao setor de commodities, empresas de aviação, serviços de viagens e itens de luxo estão entre os setores que podem ser impactados negativamente, caso o surto se prolongue, afirma o analista Thiago Salomão.

Em relatório enviado na manhã desta quarta (29), a equipe econômica do Bradesco afirma que "a paralisação de grande parte das atividades na China (e em algumas regiões na Ásia) posterga ou suaviza a recuperação esperada para este início de ano" na economia brasileira. "Em outros episódios de epidemias, o impacto tende a ser pontual e depois a economia acaba retomando nos trimestres à frente", aponta o banco.

Combustível pode ficar mais barato no Brasil

Por outro lado, a queda das cotações do petróleo pode se refletir em combustível mais barato para o consumidor brasileiro, diz Juan Jensen, da 4E Consultoria.

"A tendência é de que os combustíveis fiquem mais baratos, desde que a desvalorização do real – também consequência da epidemia – não seja mais forte que a desvalorização da cotação do petróleo", explica. "Até agora, o petróleo está caindo mais que o real, o que em tese permite combustíveis mais baratos aqui."

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    RPM

    ± 0 minutos

    O petróleo está caindo em termos de valores, mas nas bombas continua o mesmo valor. O por que disso? quando tem aumento do combustível na Petrobras, no dia seguinte os valores nas bombas estão aumentados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • V

      Vinicius Lisboa

      ± 37 dias

      Wuhan é uma cidade, Hebei é província, corrijam este texto por favor.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Jim Kirk

        ± 37 dias

        Então, vai baixar a gasolina?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          Jim Kirk

          ± 37 dias

          Aconteça o que acontecer, baixa até o petróleo, mas o dólar segue atropelando o Real em qualquer tipos de crise.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • A

            Alexandre Leturiondo Ercolani

            ± 37 dias

            Alô redação!! Faz mais de uma semana que o tema é pauta fundamental na imprensa internacional. Acordaram?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • D

              Dark Knight

              ± 37 dias

              Este jornal só fala do bozo, infelizmente.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • T

            tamotsu kashino

            ± 37 dias

            Porque as imprensas brasileiras estão restringindo noticias sobre cornavirus, hoje no mundo inteiro só falam de coronavirus, que já estão afetando naõ somente na saude, mas pricipalmente nos mercados financeiros, será que está havendo alguma censula no Brasil, unica noticia estamos vendo aqui no GP, nos outros como Estadão nada porque será???

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • F

              Freitas

              ± 37 dias

              kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Estou cansado de ver notícias sobre o vírus e o impacto na economia mundial....

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.