i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Além das eleições e 5G

Embate entre EUA e China será duradouro e exige atenção do Brasil, diz ex-secretário de ComEx

  • 27/10/2020 13:55
Welber Barral, estrategista do Banco Ourinvest e ex-secretário de Comércio Exterior, avalia relações entre China e EUA e postura do Brasil
Welber Barral, estrategista do Banco Ourinvest e ex-secretário de Comércio Exterior, avalia relações entre China e EUA e postura do Brasil| Foto: Divulgação

A competição entre Estados Unidos e China tende a ser o grande embate do século 21, permeando a relação comercial e a tecnologia. Essa disputa vai além da atual incerteza sobre a eleição americana e os rumos do 5G, e questões cruciais para os dois países afetarão a relação comercial com os demais, como o Brasil. A avaliação é de Welber Barral, estrategista de Comércio Exterior do Banco Ourinvest e ex-secretário de Comércio Exterior do Brasil.

“A competição entre China e Estados Unidos vai ser o grande embate do século 21 e vai envolver inclusive a questão da tecnologia, onde o 5G é uma questão central”, diz. Barral comentou as projeções para cenário internacional após pandemia e o lugar do Brasil nesse contexto durante coletiva de imprensa do banco Ourinvest na manhã desta terça-feira (27).

As projeções para a balança comercial estão fortemente atreladas ao surgimento de uma vacina contra a Covid-19 viável ainda no primeiro trimestre de 2021 e ao encaminhamento de soluções para o problema fiscal brasileiro no próximo ano. A combinação dos dois fatores pode implicar em maior diversificação de exportações (além de commodities, avanço para os manufaturados) e até mesmo crescimento de importações como reflexo da retomada da economia.

Tudo isso implicaria em mais diversificação do fluxo comercial, o que seria importante para o Brasil, atualmente muito dependente da China para as exportações e com poucos avanços para novos acordos bilaterais com os Estados Unidos. Para Barral, a postura que o Brasil adotar agora impactará as futuras relações, dado a incerteza do cenário eleitoral americano e a disputa entre China e EUA ganhando cada vez mais força, o que também é impulsionado pelo avanço do 5G pelo mundo.

A influência das eleições americanas

A avaliação de Barral é que uma eventual eleição do democrata Joe Biden trará um pouco mais de previsibilidade para as ações americanas. “Ele é um político mais ortodoxo nesse sentido, embora deva continuar uma disputa com a China, em termos comerciais, medidas de defesa comercial, antidumping, contra subsídios que aumentaram muito nos Estados Unidos. Mas, ao mesmo tempo, [deve haver] uma aproximação maior dos Estados Unidos com a Europa e uma maior ponderação com em temas internacionais, inclusive em temas ambientais”, diz.

No que diz respeito ao Brasil, Barral lembra que Biden pouco mencionou o país durante a campanha e, quando o fez, foi em relação a temas ambientais. A tendência é de um aumento de pressão sobre o Brasil, principalmente em relação a meio ambiente e desmatamento, seguindo a tendência europeia.

Já uma reeleição de Donald Trump manteria esse bom nível de relacionamento que existe atualmente e levou até a recente assinatura de um acordo de facilitação de comércio entre os dois países. “Não é um acordo crucial no sentido de livre comércio, mas é um acordo que facilita a ação de empresas e investimentos recíproca entre os dois países”, afirma.

No entanto, ele avalia que a América Latina e o Brasil não são prioridades nem para Trump, nem para Biden. “Há questões específicas dos Estados Unidos em relação à China em primeiro lugar, Europa, Rússia, países do leste asiático que têm mais relevância na agenda da política e econômica externa americana do que a América Latina”, diz.

Relação bilateral com americanos

Uma meta do governo de Jair Bolsonaro é a de estreitar os laços com os americanos. Apesar de o Brasil fazer algumas concessões almejando trocas ou indicações, como é o caso do ingresso na OCDE, os EUA recentemente sobretaxaram produtos brasileiros como o aço e o alumínio.

Barral avalia que esses casos não foram direcionados diretamente ao Brasil, mas sim fruto de medidas adotadas contra a China ou genericamente ou ainda resultado de defesa comercial. “Não quero minimizar a medida, mas são naturais do comércio internacional. Isso afeta uma parcela muito pequena do comércio entre Brasil e Estados Unidos. E claro que a negociação é permanente”, diz.

Analisando o histórico da relação entre os dois países, Barral pondera que o volume de contenciosos hoje é pequeno em comparação ao que já ocorreu. Ele cita como principais casos a disputa sobre o algodão e os embates da década de 1990 envolvendo aço e suco de laranja. “É interessante que a própria queda do comércio bilateral acabou diminuindo o número de contenciosos entre os dois países”, afirma.

Para ele, o Brasil fez várias concessões visando benefícios futuros, como posição na Otan e alinhamento em organizações internacionais, que podem não ser as melhores soluções para o país, mas fazem parte de negociações gerais.

“Os próximos passos seriam abrir mercado nos Estados Unidos para produtos brasileiros. E aí esse é um processo longo, que dependeria não só de ações pontuais para produtos como carnes, mas eventualmente a discussão de um acordo de comércio, que foi mencionado pelo governo Trump e nunca se efetivou durante esse governo, e nós sabemos que terá muita dificuldade para se efetivar principalmente em um congresso dominado por democratas”, pondera.

O peso da China

As relações entre Brasil e China são afetadas diretamente por uma relevante questão estrutural – a disputa entre os chineses e os EUA–, a força da Ásia como polo dinâmico do comércio exterior e a atual conjuntura do governo Bolsonaro, que é de um certo preconceito para com a China.

Atualmente, a China é o destino de mais de 30% as exportações brasileiras. “É um nível alto de vinculação a um país, de um lado, mas, ao mesmo tempo, acabou ajudando muito a balança comercial brasileira em 2020, inclusive pelo alto preço de commodities ao longo desse ano”, diz. Para ele, o país não pode esquecer de outros grandes mercados vindos da Ásia, como a Tailândia, a Indonésia, o Paquistão e a Índia.

Sobre a relação entre Brasil e China, Barral pondera o certo preconceito do governo com o país, mas lembra que os chineses precisam das importações brasileiras, sobretudo soja e minério de ferro, e continuarão precisando. “Agora, quais poderão ser os impactos para o investimento chinês no Brasil? E o Brasil precisa também desses investimentos, sobretudo na área de infraestrutura”, avalia. Para ele, essa pergunta está em aberto, e condicionada a posição que o país adotará em relação à China.

Um exemplo é a questão do 5G. A disputa tecnológica está dividindo o globo entre os países que aceitarão a entrada da Huaweii e os que vetarão. “A reação do governo brasileiro foi não decidir, esperar passar para o ano que vem e ver qual será a nova postura do governo americano que talvez seja menos belicosa se o Biden ganhar”, diz. Para ele, nessa situação, o melhor que o Brasil tem a fazer é adotar uma postura de neutralidade. “Não sabemos se o Brasil vai conseguir isso, principalmente em temas como esses que terão relevância para os dois lados”, afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.