i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crescimento lento

Fórum econômico de Davos termina com otimismo morno sobre economia

  • PorEstadão Conteúdo
  • 25/01/2020 09:37
O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin
O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, em participação no Fórum Econômico Mundial de 2020.| Foto: Fabrice Coffrini/AFP

Com um toque de moderado otimismo sobre a economia global, o Fórum Econômico Mundial encerrou nesta sexta-feira sua reunião anual em Davos.

Com a trégua na guerra comercial entre Estados Unidos e China, diminui o risco de mais um ano de perdas no comércio internacional. O Brexit, divórcio entre Reino Unido e União Europeia, deve ser mais tranquilo do que se temia até há pouco tempo. Na Europa, a produção industrial parece ter batido no fundo do poço e dá sinais de reação. O crescimento alemão continua firme e o susto do ano passado, quando houve uma perda de ritmo, parece assunto encerrado. A economia americana permanece em expansão. A atividade se intensifica em economias emergentes e em desenvolvimento. Mas a inflação continua muito baixa na Europa e no Japão e, além disso, ainda há o risco de problemas financeiros num mundo de juros muito baixos e até negativos.

Esse quadro geral foi desenhado na última sessão do fórum por cinco das mais importantes autoridades financeiras do mundo: o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin; a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde; a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva; o presidente do Banco Central do Japão, Haruhiko Kuroda; e o ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz.

Questão ambiental opôs secretário norte-americano e presidente do BCE

Os problemas ambientais, assunto de maior destaque no programa do fórum neste ano, foram introduzidos no fim do painel. O tema foi proposto pelo apresentador da sessão, uma figura também destacada no mundo das finanças. O economista chinês Zhu Min ocupou, entre outros postos importantes, a vice-diretoria-geral do FMI e atualmente preside, em seu país, o Instituto Nacional de Pesquisas Financeiras.

Os convidados cumpriram o roteiro. De forma previsível, o secretário americano declarou-se preocupado, tanto quanto o presidente Donald Trump, com questões como a qualidade do ar, mas sempre negando o aquecimento global e a chamada emergência ambiental. Lagarde, mais uma vez, mostrou levar a sério a crise ambiental e mencionou o esforço dos economistas para integrar esse tema na análise econômica. Das três motivações em geral exploradas no marketing, observou, só uma, o sexo, é desvinculada do problema ambiental. O medo tem ligações evidentes e manifesta-se, por exemplo, quando se trata da extinção da biodiversidade. A terceira, a ambição (ou ganância), tem efeitos destruidores e envolve participantes como os formuladores de política econômica, o setor financeiro e as empresas.

Mnuchin falou das dificuldades de precificar as questões ambientais e da necessidade de pensar nas áreas mais pobres, onde milhões de pessoas nem sequer têm acesso à eletricidade. Quando a discussão pareceu esquentar, Zhu Min interferiu como pacificador entre sua ex-chefe no FMI e o secretário americano.

O ministro Olaf Scholz mostrou otimismo quanto ao crescimento alemão e mencionou a decisão de seu governo de facilitar a imigração de trabalhadores qualificados para reforçar uma oferta considerada insuficiente. Kuroda, do Banco Central do Japão, disse esperar a continuidade do crescimento econômico de 1,5%, mantido há alguns anos e, com em outros painéis, mencionou a inflação japonesa ainda abaixo da meta de 2% ao ano.

De modo geral, o painel confirmou o cenário apresentado no começo da semana. A economia está melhor, mas o crescimento global permanece lento, devendo passar de 2,9% no ano passado para 3,3% neste ano e 3,4% no próximo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.