i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Made in Brazil

Indústria perde intensidade tecnológica

Ranking mostra que economia ficou menos complexa e tem pequena inserção em cadeias sofisticadas

  • PorGuido Orgis
  • 22/08/2015 16:00
BMR absorveu tecnologia e agora já investe em inovações para a área de saúde | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
BMR absorveu tecnologia e agora já investe em inovações para a área de saúde| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

A indústria brasileira fez um milagre no pós-guerra. Em três décadas, ergueu setores pesados, como siderurgia, papel e cimento, incorporou novos segmentos, como o automotivo, e plantou a semente do ambiente onde surgiu a Embraer. Isso agora é história. Há mais de uma década a indústria perde espaço em uma competição global na qual vence quem incorpora mais tecnologia a seus produtos.

INFOGRÁFICO: confira o ranking de complexidade econômica e a evolução do Brasil

Desde o fim dos anos 90 até o início da atual recessão, as deficiências produtivas do Brasil foram amenizadas pelo boom das commodities e pela expansão do consumo interno. Esses fatores ajudaram o setor industrial a crescer, mas desde a crise internacional de 2008 o fôlego acabou. Nem mesmo pacotes para o setor automotivo e linhas de crédito subsidiadas resolveram.

No mesmo período, a economia brasileira perdeu contato com as nações que estão na ponta do desenvolvimento industrial. Sua participação no comércio global se concentrou em produtos de baixo valor tecnológico – o país entra nas cadeias globais de produção como um fornecedor de matérias-primas. Perdemos complexidade e capacidade de crescer no longo prazo.

LEIA MAIS: empresa de Campina Grande do Sul traz nova tecnologia e parte para a inovação

O termo “complexidade” se refere a uma teoria recente sobre desenvolvimento econômico. Formulada pelo pesquisador César Hidalgo, diretor do setor de Macroconexões do MIT, em parceria com Ricardo Hausmann, diretor da Kennedy School of Government de Harvard, a tese da complexidade parte do princípio de que crescem mais as nações que incorporam mais conhecimento em sua produção, característica medida pela sofisticação dos produtos que comercializam.

O Brasil vinha bem até o fim dos anos 90. A industrialização promovida dos anos 50 até os anos 70 colocou o país entre os 30 mais complexos do mundo. Em 1995, a economia brasileira estava na 29ª colocação do ranking de complexidade. Em menos de duas décadas, até 2013, o Brasil caiu 22 posições. Está atrás de emergentes como Turquia, Rússia e Índia. E a uma distância enorme dos líderes Japão, Suíça e Alemanha.

Venda de ativos gera renda extra e novos negócios

Empresa de Campo Largo faz a ponte entre vendedores e compradores de artigos de segunda mão

Leia a matéria completa

Estrutura

A baixa complexidade da economia brasileira é detectada a partir de sua participação no comércio internacional. O índice usa esses dados como um sinal das áreas nas quais o país é mais competitivo e onde tem as suas aglomerações produtivas – setores da economia que demandam capacidades e conhecimentos parecidos. No caso do Brasil, mais da metade de sua presença no mercado internacional ocorre em produtos básicos, como minério de ferro, soja, açúcar e carnes. A indústria de alta tecnologia tem participação marginal.

“As economias mais sofisticadas têm redes produtivas mais complexas”, diz o economista Paulo Gala, estrategista e diretor do Fator Administração de Recursos e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV). “O ranking mostra que países com concentração produtiva em commodities têm mais dificuldade em construir essas redes.” Isso ocorre porque o desenvolvimento econômico acontece com o encontro de “peças” de conhecimento que se encaixam ao longo do tempo para formarem produtos mais complexos. São necessárias mais peças para construir um satélite do que para produzir café, por exemplo. Indústrias de ponta, como eletrônica, farmacêutica, médica e química tendem a ser mais complexas do que atividades agrícolas e mineração.

A abordagem da complexidade é reforçada por pesquisas sobre a estrutura produtiva do Brasil. Em um estudo recente, o pesquisador Marcelo Arend, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), demonstrou que o peso da indústria intensiva em tecnologia (que ele define como o paradigma microeletrônico) no total da produção industrial caiu de cerca de 5% em 1996 para 2,4% em 2010. No mesmo período, o peso do setor básico passou de pouco mais de 20% para 33% do valor adicionado pelo setor industrial.

Essa evolução influenciou a balança comercial. Em 2000, o país chegou a ter 59% da pauta exportadora formada por manufaturas – no Paraná, o número chegou a 49% no mesmo ano. Em 2014, a participação havia caído para 35,6%, tanto no Brasil quanto no Paraná.

“A capacidade da indústria de agregar valor caiu ao longo do tempo em relação a outros emergentes”, resume o economista Jorge Arbache, da Universidade de Brasília (UnB). “Os países que conseguiram elevar a competitividade fizeram política de inovar para vender para fora. Nós protegemos o mercado sem ganhar em tecnologia.”

País precisa atrair investimentos

A baixa complexidade da economia brasileira revela que a estrutura produtiva não conseguiu se sofisticar no ritmo de outros países. E não é culpa do sucesso na produção de commodities agrícolas e minerais, que pode ser um ponto de partida para o desenvolvimento industrial.

Um país tem dois caminhos para o desenvolvimento. Um pode ser descrito como “orgânico”, em que setores produtivos crescem porque se complementam e geram um valor crescente de produção. Nações de alta complexidade têm mais facilidade para seguir esse rumo, já que têm mais áreas que se complementam.

O sucesso de países como Coreia e China nas últimas décadas mostra que é preciso também importar tecnologias e, em grande medida, criar do zero setores inteiros. É o caso da indústria aeronáutica brasileira, resultado de investimentos públicos e privados que permitiram a absorção de conhecimento em um “ecossistema” que se tornou o mais avançado do país.

Na primeira linha de desenvolvimento, aproveitar o potencial da agricultura e da produção petrolífera é o caminho lógico. “Não precisamos ignorar as vantagens que o Brasil tem nessas áreas”, afirma o economista Luciano Nakabashi, professor da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto. “Mas é fundamental que haja articulação com o desenvolvimento de uma indústria mais sofisticada, que forneça para esses setores.”

A limitação para a articulação entre setores é o conhecimento que já “circula” no país. É mais fácil o Brasil desenvolver uma indústria de silos do que um parque farmacêutico de ponta, por exemplo. Entrar em áreas novas, distantes do que já é produzido em um lugar, exige uma combinação de bom ambiente de negócios, que atraia investimentos, mão de obra capacitada e apoio para empreendedores que correm o risco de inovar. Em todas as áreas o Brasil deixa a desejar.

“Erramos muito do ponto de vista macro. O câmbio prejudicou muito a indústria e várias políticas de estímulo não deram certo”, diz Paulo Gala, economista do Fator Administração de Recursos. A proteção de mercado, crédito subsidiado e leis de conteúdo nacional compensaram para alguns setores as deficiências competitivas do país, mas o saldo foi negativo. Além de produzir hoje o mesmo que em 2008, o setor encontra os mesmos obstáculos que há anos deixam o Brasil na segunda divisão do Ranking Global de Competitividade, do Banco Mundial. O país está na posição 57, entre 144 nações, com baixos índices para suas instituições (posição 94), eficiência de mercados (posição 123) e eficiência do mercado de trabalho (109). Onde vamos bem? No tamanho do mercado, o nono maior do mundo.

BMR traz nova tecnologia e parte para a inovação

A resposta para a indústria recuperar a complexidade perdida está em iniciativas como a da BMR Medical, uma empresa com sede em Campina Grande do Sul que insistiu em trazer para o Paraná uma fábrica de produtos para a área médica, uma das que mais carregam tecnologia no mundo.

A BMR começou a operar em 2005 importando materiais usados em hospitais e clínicas. Essa situação incomodava os sócios, que não queriam ser apenas representantes de marcas estrangeiras. Eles compraram um terreno em 2008 com a ideia de erguer uma fábrica. Em 2011, adquiriram a tecnologia de um produto chamado Paragon, um infusor usado em quimioterapias. Foi um atalho para que a companhia passasse de intermediária a produtora.

A fabricação foi mantida nos Estados Unidos até que a unidade paranaense estivesse pronta, no início deste ano, para receber a linha de produção – uma estrutura que exige filtros de ar gigantescos e um rígido controle sanitário. Agora, a BMR está agregando novos produtos à sua linha, como kits para procedimentos oncológicos, agulhas para biópsia e um modelo de cateter implantável.

O próximo passo será inovar. A companhia tem dois projetos, um deles com subvenção aprovada pela Finep – um grampeador para tratar hérnias, segmento com apenas três fabricantes no mundo. “Estamos desenvolvendo uma nova geração de infusores com uma tecnologia disruptiva”, conta Rafael Martinelli de Oliveira, diretor presidente da BMR. “Para o desenvolvimento dos produtos, temos uma equipe de P&D própria e até estamos tentando repatriar pesquisadores brasileiros que estão nos Estados Unidos.” O primeiro chega nesta semana.

Um projeto como o da BMR mostra os obstáculos para o Brasil entrar em novas áreas de produção. O sistema tributário, segundo Oliveira, tira competitividade. O investimento de R$ 50 milhões só foi possível porque a empresa se enquadrou no programa estadual que reduz o ICMS de novos investimentos. O negócio fica bastante exposto à variação cambial porque importa matéria-prima. Também foi preciso investir em educação para as inovações chegarem até os usuários – a BMR é parceira em um curso de pós-graduação e pensa em investir em educação a distância. Mas o desafio compensa: os planos de expansão da fábrica paranaense estão avançados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.