Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Carreira

Sair com o colega de trabalho? Facebook diz que convite só pode ser feito uma vez

Novas regras da empresa de tecnologia parecem ter sido inspiradas pelo movimento #MeToo contra o assédio sexual nos Estados Unidos

  • Redação com Infomoney
 | LOIC VENANCE/AFP
LOIC VENANCE/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Como forma de tentar evitar assédio sexual no ambiente de trabalho, o Facebook passou a aplicar novas regras para os relacionamentos amorosos de seus funcionários.

A primeira delas é que um funcionário pode convidar outro para sair, mas apenas uma vez: qualquer coisa que ultrapasse a rejeição inicial está fora dos limites.

“Respostas ambíguas como ‘estou ocupada’ ou ‘não posso nesse dia’ contam como ‘não’”, disse ao Wall Street Journal a diretora de legislação trabalhista do Facebook, Heidi Swartz. Essas regras são consideradas especialmente importantes em companhias com muitos funcionários jovens e solteiros e parecem ter sido inspiradas, em alguma medida, no movimento #MeToo contra o assédio sexual nos Estados Unidos.

Considerando pessoas com posições diferentes na hierarquia, o departamento de recursos humanos até aceita relacionamentos amorosos – mas confia que funcionários entrem em contato em qualquer situação que possa sinalizar conflito de interesse. O Google, que implementou políticas relacionadas ao tema ainda em 2004, teria aplicado regras similares, também segundo a reportagem do WSJ.

Uma plataforma especializada em carreira nos EUA, Career Builder , publicou em 2017 um levantamento que mostra que 41% das pessoas já saiu com um colega do trabalho no país e que um terço desses relacionamentos terminou em casamento.

Em 2016, o portal Vagas.com fez um levantamento parecido no Brasil, com pouco mais de 3 mil entrevistados. O estudo mostrou que 12,5% deles tiveram relacionamento amoroso com alguém do trabalho. Destes, 29% casaram com o colega de trabalho.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE