Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

slide por slide

Como criar um pitch de sucesso e fisgar o interesse dos investidores

Informações devem ser apresentadas de forma clara e concisa para chamar a atenção do investidor e convencê-lo a marcar um segundo e mais longo encontro

  • Carol Nery Especial para a Gazeta do Povo
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Se você encontrasse um investidor no elevador, o que você diria sobre seu negócio? Esse é o espírito do pitch, ferramenta muito usada pelos empreendedores em busca de capital. É uma apresentação rápida, com a duração de segundos, de uma ideia ou oportunidade de negócio. É importante falar com empolgação e fundamental responder a pelo menos cinco perguntas: qual a oportunidade?, qual o mercado de atuação?, qual a solução?, quais os diferenciais? e o que busca?

INFOGRÁFICO: veja como montar um bom pitch, slide por slide

Veja também: um pitch de sucesso para se inspirar

Este formato de pitch verbal é o mais comum e não precisa ser necessariamente dentro de um elevador, mas foi o que aconteceu com um empreendedor que encontrou pelo caminho o investidor Cassio Spina, presidente da Anjos do Brasil. “Estava indo embora de um evento e o início da conversa começou justamente no elevador. Claro, acabou durando um pouco mais do lado de fora. Mas a abordagem funcionou. Foi simples e objetiva, essencial para que gerasse meu interesse em conhecer mais detalhes sobre o negócio e firmar uma parceria.” 

LEIA TAMBÉM:  Como a “vaquinha virtual” virou um mercado de mais de R$ 40 milhões

Este, segundo Spina, é um dos maiores desafios encontrados na hora de apresentar um pitch. Em sua plataforma online, a Anjos do Brasil recebe cerca de mil projetos anualmente, mas apenas 10% são qualificados, com possibilidade de investimento. Para o executivo, falta preparação. Mais do que atropelar todas as informações possíveis em um curto espaço de tempo, o empreendedor precisa conquistar a atenção do investidor, diz ele. “Não adianta ser um negócio extraordinário. Um pitch bem preparado é muito relevante, pois demonstra a boa capacidade de execução. A ideia não precisa ser genial, mas muito bem estruturada.” O contrário também acontece. “Já recebemos pitches fantásticos, mas com negócios sem consistência nenhuma.”

Os pitches costumam chegar por uma outra forma comum, que são os slides de power point e ainda por meio de vídeo. Nestes casos, a explanação pode chegar a até 15 minutos. Não existe uma fórmula, pois cada investidor tem um interesse particular, orienta a empreendedora e investidora-anjo Camila Farani, presidente da butique de investimentos G2 Capital e um dos tubarões do programa Shark Tank Brasil, do canal Sony. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/05/22/Economia/Imagens/Cortadas/Camila 1_sharkthank-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Camila Farani, investidora-anjo conhecida por sua participação no programa Shark Thank Brasil, diz que o pitch precisa ser feito de acordo com o perfil dos investidores.Divulgação

“O pitch não tem que ser único. Deve ser feito de acordo com o perfil de cada investidor e alterado conforme cada viés. É importante estudar o investidor para entender se ele é a pessoa ideal para seu negócio, assim ninguém perde tempo.”

Camila, por exemplo, gosta de apostar no mercado B2B, e-commerce de nicho e Saas (Software as a Service) em setores que têm maior afinidade, como educação e alimentação. “Procuro negócios para aporte de pelo menos um ano e meio. Particularmente, gosto quando posso ter saída. Isso não é uma regra entre investidores, mas é efetivamente quando me monetizo”, comenta Camila. A executiva gosta de citar o pitch da empresária Maytê Carvalho feito para apresentação do aplicativo Beleza de Farmácia, um comparativo de preços de esmaltes de marcas premium com produtos populares de tons similares encontrados em qualquer drogaria, para o reality Shark Tank. 

Confira o pitch de Maytê Carvalho:

A participante fez uma oferta de R$ 150 mil (para investir em mídia e programação) em troca de 15% da empresa. “O pitch foi perfeito, mas senti falta de ver mais tração no negócio. Porém, ela fez uma contra-argumentação na mesma hora que funcionou”, recorda Camila, que fechou parceria em troca de 35% da startup. A empresa pivotou e hoje é a plataforma de assinatura de serviços de beleza B.Pass. Ela recebeu novo investimento ACE, considerada a maior aceleradora da América Latina. 

Veja como fazer um bom pitch, segundo dicas da empreendedora e investidora-anjo Camila Farani:

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE