i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
insurtech

Startup de seguro de vida promete emitir apólice em cinco minutos

A plataforma Onli simplificou o processo de contratação, que é 100% online, e oferece planos individuais para casos de acidentes pessoais a partir de R$ 10 por mês

  • PorCarol Nery
  • 14/05/2018 12:11
Bernardo Pizzatto Teixeira e Fabiano Rocha Loures são os fundadores da Onli. | Luiza Bogu/
Bernardo Pizzatto Teixeira e Fabiano Rocha Loures são os fundadores da Onli.| Foto: Luiza Bogu/

A startup Onli , dos administradores e corretores de seguros Fabiano Rocha Loures, de 30 anos, e Bernardo Pizzatto Teixeira, 28, lançada em outubro de 2017, quer popularizar a aquisição de seguro de vida em casos de acidentes pessoais no Brasil. A plataforma é uma insurtech (junção de insurance=seguro com technology=tecnologia), que promete a contratação de planos personalizados, 100% online, sem a necessidade de conversar com ninguém, em apenas cinco minutos. A ideia surgiu meses antes, durante um dos principais eventos do mercado de seguros, que acontece nos Estados Unidos, voltado especificamente para corretores. Entre as principais discussões na ocasião, o que inspirou a dupla foi a necessidade de mudanças na comercialização dos seguros.

LEIA MAIS >> Como a “vaquinha virtual” virou um mercado de mais de R$ 40 milhões

O Brasil tem o menor número de pessoas com seguro de vida, 19% da população, de acordo com estudo realizado pela Universidade Oxford em 11 países. A média global é de 32%. A baixa procura, segundo Loures, está atrelada principalmente à falta de informação e na concentração desse serviço entre o público de alta renda. “A tecnologia trouxe muitas mudanças e é inconcebível que, em pleno século 21, ainda exista contratação em formatos usados lá na década de 1980”, afirma Loures.

Na Onli, explica o CEO da startup, o usuário tem fácil entendimento e máxima quantidade de informação sobre o que está contratando, além de produtos com foco na realidade brasileira. “Queremos conscientizar sobre a importância do seguro de vida e mostrar que a cobertura não é somente para casos de morte. 90% dos benefícios são usados em vida, para situações de invalidez, despesas médicas, odontológicas e hospitalares por consequência de acidentes. É uma forma prática, inovadora e acessível de contratar um produto tão importante para a vida de todos, em qualquer nível social.”

A startup agrega uma média de 300 clientes ao mês e pretende fechar o primeiro ano de atuação com pelo menos 3 mil usuários ativos. Com R$ 10 mensais é possível um jovem de 30 anos ficar segurado, com cobertura de R$ 50 mil em caso de morte acidental, R$ 5 mil em assistência funeral familiar, título de capitalização de R$ 50 mil sorteado todo mês e descontos em estabelecimentos parceiros, como farmácias, restaurantes e e-commerces. “Se o cliente souber aproveitar as vantagens, acaba pagando seu seguro por meio dos descontos obtidos com o clube de benefícios”, destaca Loures.

Segundo ele, o tíquete médio é de R$ 25. Um produto mais completo para a mesma faixa de idade, com cobertura chegando aos R$ 150 mil, sai por R$ 89. Todos os pagamentos acontecem com cartão de crédito. “Em junho deste ano, entraremos com o plano que inclui morte natural e invalidez por doença.” Há cerca de um mês foi lançado cadastro para que os corretores possam usufruir da ferramenta. Atualmente são 25.

O catálogo de seguradoras e categorias de seguros ofertados deve ser ampliado em breve. “Estamos em fase de desenvolvimento nos segmentos de odontologia, previdência, viagem e residencial.”

Insurtech está em processo de aceleração com executivos da Visa

Neste momento, Loures e Teixeira estão imersos em um programa de aceleração da operadora Visa, com parceria da aceleradora norte-americana GSVLabs, sediada no Vale do Silício. Única insurtech e startup paranaense selecionada, a Onli está incubada no coworking do Banco Bradesco, em São Paulo. Durante ininterruptas 13 semanas, a startup passará por consultorias e mentorias com executivos brasileiros e estrangeiros da Visa e de outras empresas, junto a outras oito empresas.

Os sócios terão acesso a diversos conteúdos, como experiência do usuário, modelos de negócios, pesquisas de mercado e construção de MVP (Produto Mínimo Viável). “A ideia é já sair com parcerias, inclusive do própria Visa”, estima Loures. Uma das possibilidades é da operadora criar um sistema que permita a geração de um número de cartão de crédito para a contratação do seguro, para aqueles que querem aderir a um plano, mas não ao dinheiro de plástico. Por questões contratuais do processo de aceleração, a empresa não pode informar neste momento dados de investimento ou estimativa de faturamento.

Onli é uma das primeiras insurtechs brasileiras

A Onli é um braço de tecnologia da Vitacare, empresa especializada no desenvolvimento de projetos focados na distribuição de seguros massificados, que Loures e Teixeira comandam há três anos e meio. Todo o desenvolvimento da plataforma aconteceu com recursos próprios e apoio da seguradora parceira Centauro-On, que disponibilizou toda a integração ao sistema. A Onli é uma das 46 insurtechs afiliadas à ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs), cerca de 10% do total de startups.

O número mostra que o mercado de insurtechs é extremamente novo no Brasil. A redução de custos e a desburocratização oferecidas por estas empresas de seguros tendem a gerar ganhos potenciais. “Há dois ou três anos havia somente três ou quatro empresas, agora temos uma onda de insurtechs em vários segmentos, que começam a ganhar o mercado. O sistema convencional de contratação de seguros de vida é muito manual. Com as insurtechs os contratos são totalmente digitais, os cálculos têm pressurização mais exata e há mais velocidade. A burocracia está no papel e a tecnologia está quebrando isso”, avalia o líder da vertical de insurtech na ABFintechs, Cristiano Maschio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.