Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ex-costureira, a dona da Minds Idiomas, Leiza Oliveira, faturou R$ 70 milhões em 2016 com sua escola de inglês. | Divulgação
Ex-costureira, a dona da Minds Idiomas, Leiza Oliveira, faturou R$ 70 milhões em 2016 com sua escola de inglês.| Foto: Divulgação

Leiza chegou da aula, um dia, e lá estava sua mãe costurando. A cena era comum; a matriarca trabalhava volta e meia levava serviço para casa, e lá ficavam todos os retalhos, elásticos. A jovem, então com 16 anos, decidiu usar este refugo para montar uma fabriquinha de lingeries. Foi o primeiro negócio de Leiza Oliveira, fundadora da Minds English School, escola de idiomas que faturou R$ 70 milhões, no ano passado (2016). 

LEIA MAIS sobre empreendedorismo e startups
Esqueça o achismo na hora de empreender e conheça métodos que ajudam a tirar o negócio do papel

Com 72 unidades, a Minds completa no mês de julho 10 anos de sua fundação. É fruto de um sonho antigo de Leiza, que cursou magistério para trabalhar como professora. Acabou fazendo carreira em escolas de idiomas, onde descobriu uma paixão pela área comercial. 

Sua trajetória é da típica "self-made woman". Seu primeiro trabalho com carteira assinada foi como recepcionista de uma escola de inglês, aos 18 anos. Ela cursava Matemática na Universidade Estadual de Maringá (UEM), e percebeu que podia fazer um "bico" na área de expansão da escola, no seu pouco tempo livre. Meses depois, foi convidada para liderar a expansão da marca para o Rio de Janeiro. 

Foi para lá como sócia. Deu um carro usado (seu único bem) em troca de 2% de participação na filial. Não deu muito tempo, e a empresa faliu. 

De volta a Maringá, Leiza começou sua peregrinação por escolas de idiomas. Trabalhou no coemrcial, expansão, administrativo, fez um pouco de tudo, até surgir a chance de comprar uma franquia. 

"Mas aquilo foi me quebrando um pouco. Eu tinha uma equipe pedagógica fantástica na minha escola e não podia melhorar as coisas por ser uma franquia". A empresária conta que foi numa conversa de bar, com o pessoal "das antigas" que surgiu o papo sobre como seria a escola de inglês perfeita. Decidiu que era sua hora. 

A primeira unidade da Minds foi aberta em 2007, na cidade de Porto Alegre. O diferencial, segundo Leiza, é a oferta de um produto de qualidade, com salas enxutas (até seis alunos), e quatro horas semanais, a um valor abaixo da média de mercado. 

A empresária também garante acompanhamento de perto dos franqueados, com "uma gestão compartilhada" e suporte para dar atendimento administrativo, pedagógico e comercial sem custos. Outra preocupação é de não vender unidades "em cada esquina", para evitar que os franqueados disputem mercado uns com os outros. 

Quer abrir uma empresa em Curitiba? Burocracia pode ficar menor

Seis pequenas empresas que sabem o que fazem nas redes sociais

Empresa prepara uma nova fase

Para os 10 anos da escola, a equipe de Leiza prepara uma super reformulação no sistema de ensino, que deve entrar em vigor já em julho deste ano. O aluno vai ter a chance de fazer o curso totalmente presencial, nos moldes de hoje, ou cursar até 50% da grade à distância. Sem diferença de custos. 

É uma mudança de mercado, com foco na geração millenial, que tem forte relação com o digital. "O que era meu grande diferencial há dois três anos atrás virou um obstéculo. Porque eu falo 'quatro horas de aula semanais' e as pessoas 'ah, eu não tenho tempo para isso'". 

Como sua empresa pode ser a primeira do Google, segundo o próprio Google

Aprendizado começou lá atrás, antes da escola

Por mais de uma década, Leiza Oliveira estudou todos os detalhes do mundo das escolas de idiomas, antes de abrir a Minds English School. Mas antes disso, em seu primeiro negócio, ela aprendeu alguns dos valores que levaria para a vida. 

Ela e a mãe costuravam lingeries com refugo de produção, que a empresária vendia nas lojas do bairro, para as amigas, na escola onde trabalhava. 

Ela conta: "Foi ali que eu aprendi a fazer contato com pessoas, entrar nos lugares e receber um não, lidar com dinheiro, com um 'posso te pegar depois'. Aprendi a forma de negociar e de vender".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]