Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Centro de distribuição da Netshoes
Um dos centros de distribuição da Netshoes (Foto: Reprodução/LinkedIn)| Foto:

Se dependesse da similaridade entre os negócios, a gigante do varejo de material esportivo Centauro era a favorita para levar a Netshoes. Mas, em uma das mais acirradas batalhas no setor, a Magazine Luiza levou a melhor, fechando a compra da empresa online por US$ 115 milhões.

Era uma proposta inferior à da Centauro, que na véspera da assembleia de acionistas da Netshoes, fez uma oferta de US$ 4,10 por ação, 10,8% superior à última feita pela Magalu e mais de duas vezes maior do que a proposta inicial, feita no início de abril.

A última proposta feita pela Centauro também previa uma alternativa para um problema crítico para a Netshoes: a necessidade urgente de capital de giro. Segundo o Valor, a Centauro se comprometeu a emprestar R$ 120 milhões à Netshoes e a disponibilizar seu estoque para venda no site.

Apesar das investidas da Centauro, a preferência da Netshoes sempre foi de fechar o negócio com o Magazine Luiza. Um documento encaminhado nesta semana pela varejista online à SEC (o equivalente americano da CVM) aponta cinco fatores que favoreciam a operação que acabou se concretizando:

  • O aumento no valor da oferta;
  • A grande certeza de que a fusão com o Magazine Luiza estará concretizada até o dia 19;
  • A prévia aprovação da operação por parte do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o órgão que regula a concorrência no Brasil;
  • Que qualquer potencial transação com a Centauro exigiria uma nova assembleia de acionistas e uma análise do Cade; e
  • A delicada situação financeira da Netshoes.

Segundo Mariana Vergueiro, analista de varejo da XP Investimentos, a operação também ajuda a aumentar a área de atuação do Magazine Luiza.

“Ela não tem exposição ao segmento de vestuário e material esportivo. E, com a aquisição do Netshoes adquire uma expertise muito grande, como, por exemplo, o relacionamento com fornecedores.

Outro aspecto favorável, de acordo com ela, é que é uma forma mais ágil de entrar em um novo segmento. “Iria ser mais custoso começar uma operação do zero", diz.

O varejo de material esportivo é um segmento extremamente pulverizado. O Magazine Luiza chega com participação relevante e vai disputar espaço com outros dois players de grande porte (a francesa Decathlon e a Centauro), com redes regionais e empresas de pequeno porte.

A Magazine Luiza também vai ter acesso a uma base de dados de 6 milhões de clientes ativos, destaca Vinícius Andrade, analista da Toro Investimentos. E, também, ganha um reforço nas operações do varejo online, com o expertise adquirido da Netshoes.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]