Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Moedas digitais

Sites do governo de SP e outro ligado ao MBL 'sequestram' computador para minerar bitcoins

Ambos estavam usando um código que ativa o computador do visitante para mineração, consumindo energia e reduzindo a duração da bateria

  • Infomoney, com informações da redação
Código da Coinhive detectado no Portal do Cidadão do governo de São Paulo. | @mobtec/Twitter
Código da Coinhive detectado no Portal do Cidadão do governo de São Paulo. @mobtec/Twitter
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O site Portal Cidadão.SP, do governo de São Paulo, foi flagrado na quinta-feira (9) minerando moedas digitais no computador de visitantes, de acordo com denúncia de Felipe Hoffa, desenvolvedor do Google, no Twitter.

Ao visitar o site, usuários podem sentir lentidão na máquina e não recebem qualquer tipo de aviso da prática, o que pode gerar aumento na conta de energia enquanto o domínio ganha algumas frações de moedas digitais. 

Contatada, a assessoria de imprensa do governo informou que “o Portal Cidadão.SP segue operando normalmente. Em razão de uma falha pontual já superada, o código-fonte da referida página foi atualizado. A medida não resultou em prejuízos à prestação de serviço população”.

Desenvolvedores independentes constataram que, pela maneira como o código foi inserido na página, é bastante provável que tenha sido fruto de um ataque intencional. Um deles, identificado apenas como Guilherme no Twitter, afirmou ter alertado a Coinhive, empresa que fornece a solução de mineração para sites, do local inusitado em que o código foi encontrado.

A Coinhive respondeu que encerrou a conta por violação dos termos de serviço, o que reforça a hipótese de que foi um ataque, não uma ação intencional de alguém de dentro do governo.

Acessado pela reportagem na manhã desta sexta-feira (10), o site de fato já não apresentada o código responsável pela mineração, nem lentidão excessiva.

Epidemia

A mineração de moedas digitais a partir de sites na web começou há poucos meses. Uma empresa chamada Coinhive desenvolveu um pequeno trecho de código que, adicionado à programação do site, dispara o sistema e “sequestra” processamento do computador do visitante para a resolução de códigos complexos, o método usado para validar transações feitas em moeda digital, como o bitcoin, e gerar novas moedas.

Leia também: Sites “cobram” processamento de visitantes para gerar moedas digitais

Um grupo de desenvolvedores criou um sistema de detecção de sites usando a técnica e constatou que mais de 1000 sites estão usando o sistema da Coinhive. No Brasil, o site de notícias Jornalivres, ligado ao Movimento Brasil Livre (MBL), foi flagrado fazendo uso da técnica. A exemplo do Portal do Cidadão do governo de São Paulo, nele também já não se nota a presença do código.

Proteja-se

Existem algumas maneiras de bloquear o código da Coinhive. A extensão No Coin, para Chrome, faz exatamente (e apenas) isso. Após instalada, ela bloqueia o código da Coinhive e promete ser atualizada caso algum outro serviço do tipo apareça. Por ter o código aberto e ser auditada por outros desenvolvedores, há alguma garantia de que a extensão se manterá fiel ao seu propósito. 

Outra alternativa, mais direcionada, é colocar o código da Coinhive e outros relacionados em uma lista negra em extensões que bloqueiam conteúdo, como os bloqueadores de anúncios. Esta é uma das mais completas e atualizada com frequência; basta inseri-la na lista de elementos bloqueados de uma extensão de bloqueio de conteúdo para que o problema não se manifeste. Extensões como Adblock Plus e 1Blocker oferecem suporte a inserções de bloqueios por parte do usuário e outras, caso da Ublock Origin, já incorporaram o bloqueio à lista oficial.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE