Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

internet móvel

Nova frequência que melhora sinal 4G já funciona em Curitiba

Desde o desligamento do sinal analógico de TV, a faixa de 700 MHz ficou disponível para as operadoras de telefonia utilizarem em suas redes de dados móveis

  • Flávia Silveira, especial para Gazeta do Povo
Para poderem operar na frequência de 700 MHz, as operadoras participaram de um leilão em 2014, promovido pela Anatel. Além da Tim, Claro e Vivo também arremataram cada uma um lote. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Para poderem operar na frequência de 700 MHz, as operadoras participaram de um leilão em 2014, promovido pela Anatel. Além da Tim, Claro e Vivo também arremataram cada uma um lote. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O desligamento do sinal analógico de televisão liberou a faixa de 700 MHz em muitos municípios brasileiros.Curitiba, onde o sinal foi desligado em 31 de janeiro deste ano, é um deles. Com isso, as operadoras de telefonia passam a utilizar também esta frequência para o serviço de 4G.

A TIM ativou recentemente a rede 4G nesta faixa em Curitiba. “Com essa nova faixa, a operadora amplia de forma significativa sua capacidade e sua cobertura indoor e outdoor na capital paranaense, garantindo uma evolução da experiência de uso dos clientes”, diz a empresa em comunicado. A TIM já operava nas faixas 1800 MHz e 2600 MHz.

LEIA TAMBÉM: O que é 4,5G ou 4G+ e como ele melhora a velocidade da internet

Para poderem operar nesta frequência, as operadoras participaram de um leilão em 2014, promovido pela Anatel. Além da TIM, Claro e Vivo também arremataram cada uma um lote. O leilão rendeu R$ 5,85 bilhões ao governo federal. A Oi não participou do certame, então, não está apta a operar na faixa de 700 MHz. A TIM, sozinha, investiu R$ 2,85 bilhões nessa aquisição.

Atualmente, a operadora já trabalha com este espectro em mais de mil cidades no país, e deve investir R$ 12 bilhões no triênio 2018-2020 com objetivo de ampliar sua rede 4G para alcançar 4 mil cidades até o fim deste período.

A expansão da rede da TIM também permitiu que a operadora implementasse soluções como a voz em HD (VoLTE) em mais de 1.445 cidades até o momento, incluindo Curitiba. De acordo com a operadora, a tecnologia ajuda a economizar bateria dos smartphones e diminui o tempo de estabelecimento de ligação de oito para dois segundos. É preciso que o smartphone seja compatível e que o sistema operacional esteja atualizado.

LEIA TAMBÉM: Como ligar via VoLTE, a tecnologia que traz áudio de alta qualidade via 4G à telefonia móvel

Vivo também já opera na faixa de 700 MHz

Em Curitiba, a Vivo também já está operando na faixa dos 700 MHz. Além da capital, a operadora também utiliza o espectro em Colombo e em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana. As cidades de Dois Vizinhos, Porto Rico, Santa Isabel do Ivaí, Santa Cruz de Monte Castelo e Pato Branco, no interior do estado, que não dependiam do desligamento do sinal analógica de TV, também já tiveram a faixa ativada neste ano.

A reportagem tentou contato com a Claro, que não deu retorno. Em janeiro, a empresa utilizava a frequência apenas em Brasília, e informou que iria utilizar outras duas (1800 MHz e 2500 MHz) para oferecer um serviço móvel mais veloz. A operadora chama a rede de 4,5G e utiliza as três faixas simultaneamente.

A faixa de 700 MHz prioriza o tráfego de dados em seu espectro e, por isso, é capaz de oferecer um sinal de internet móvel mais veloz — com potencial para atingir até 300 megabit por segundo (Mbps). Ela também permite mais acessos simultâneos e é menos suscetível a obstáculos, possuindo, ainda, alcance maior, e assim uma melhor cobertura e desempenho em ambientes “indoor” (internos).

No Brasil, segundo a Anatel, são 3.748 municípios aptos a utilizar a faixa de 700 MHz, cerca de 70% do total.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE