i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Startup de entregas Loggi recebe R$ 400 milhões para expandir serviço no Brasil

Investidor é dono do maior fundo de investimento em startups do mundo e um dos principais acionistas de companhias como Uber, Alibaba e WeWork

    • Folhapress
    • 16/10/2018 18:58
    App Loggi liga usuários a entregadores autônomos, principalmente motoboys. | Loggi/Facebook/
    App Loggi liga usuários a entregadores autônomos, principalmente motoboys.| Foto: Loggi/Facebook/

    A startup de entregas Loggi recebeu R$ 400 milhões do fundo de investimentos em companhias iniciantes do grupo japonês SoftBank. Ela está no mercado desde 2014 e desenvolveu sistema para chamar entregadores autônomos, principalmente motoboys, a partir de aplicativo para celular.

    A Loggi iniciou suas atividades tendo como público principal escritórios que precisavam enviar documentos. Com o tempo, expandiu para mercados mais complexos, como o comércio virtual e o delivery de comida, hoje suas principais fontes de receita.

    Segundo o fundador da startup, Fabien Mendez, o número de entregas feitas pela companhia vem crescendo 20% ao mês – a média está em cerca de 3 milhões. Ele diz que isso é possível, mesmo em momento de crise no Brasil, devido ao fato de os setores em que a Loggi atua terem seu avanço mais baseado em mudanças de hábitos e tecnologias do que na expansão da economia como um todo.

    LEIA TAMBÉM: App de entregas Glovo busca crescimento rápido sem entrar em guerra de preços

    O serviço está disponível em 13 capitais brasileiras e em um total de 30 cidades. A meta do fundador da companhia é atingir 95% do território do país até 2020.

    O SoftBank é dono do maior fundo de investimento em startups do mundo, com US$ 93 bilhões (cerca de R$ 345 bilhões) captados em 2017. É um dos principais acionistas de companhias como Uber, Alibaba e WeWork.

    Essa é a segunda aposta do grupo no Brasil. Ele já investiu na 99, vendida no início do ano para a chinesa Didi Chuxing.

    Mendez afirma que, tão importante quanto os recursos, os novos sócios trarão conhecimento sobre as principais tendências e tecnologias do mercado, inclusive o de logística.

    “Para nós, é um investidor muito estratégico, com entendimento dos movimentos tectônicos que acontecem no mundo de forma global e que pode nos dar muitos insights”, diz. 

    Segundo ele, os recursos servirão para ampliar a equipe de engenharia da empresa. Em um ano, o grupo deve ir de 100 para 400 pessoas. No total, a companhia tem 420 funcionários.

    A maior quantidade de especialistas permitirá o desenvolvimento da empresa em áreas como inteligência artificial para definir melhores roteiros, tecnologias para celular e automação.

    O empresário conta que a companhia vem investindo no uso de robôs para centros de distribuição que passou a espalhar pelo Brasil conforme ganhou espaço no mercado do comércio eletrônico. Atualmente são 8 em São Paulo e 13 em outras cidades.

    Companhias clientes da Loggi, como Amazon, Via Varejo, Mercado Livre e Magazine Luiza, podem direcionar suas entregas para esses centros e, dali, a startup faz a triagem dos produtos e define as melhores rotas para que eles cheguem aos clientes.

    Isso é feito com tecnologias que analisam o tipo de encomenda e qual seria a melhor forma de acomodá-la em diferentes veículos, ao mesmo tempo que buscam a rota mais eficiente para a entrega, explica Mendez.

    “Dessa forma, conseguimos ser rápidos, otimizamos o tempo do motoboy, que passa a ganhar mais dinheiro, e fazemos um preço competitivo para o cliente”, afirma.

    LEIA TAMBÉM: De hortifrúti a dinheiro, app que promete entregar “qualquer coisa” busca expansão no Brasil

    Por dia, 10 mil motoboys usam o serviço. Também são feitas entregas por carros, vans e caminhões a partir do aplicativo e estão sendo firmados acordos com companhias aéreas para uso de espaço ocioso no bagageiro, explica o empresário.

    “Nosso plano é conectar o Brasil, para que alguém no interior de São Paulo consiga fazer um produto chegar em um dia no interior do Amazonas.”

    Na época de seu lançamento, a Loggi viu surgir uma série de companhias com modelos de negócios semelhantes ao seu. Hoje, sua principal competidora no mercado de startups é a Rapiddo Entregas, do mesmo grupo empresarial do iFood (de delivery de comida)  e que foi incorporada por ele neste ano.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.