i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crowdshipping

Vai viajar? Startup paga para você levar encomendas internacionais

  • PorSharon Abdalla
  • 01/09/2019 18:00
Foto: Bigstock
Foto: Bigstock| Foto:

Viajar a passeio ou a trabalho garantindo uma renda extra ou enviar documentos e produtos para outros países de forma mais rápida e barata do que as entregas tradicionais. As duas opções são ofertadas pela startup brasileira Wooboogie, que faz dos viajantes internacionais os entregadores e carteiros da economia compartilhada.

Lançada no último mês de maio, a plataforma conecta quem precisa enviar encomendas para outros países a viajantes que têm tais localidades como destino. O modelo, conhecido como crowdshipping, é semelhante ao da norte-americana Grabr e da chilena Comparto Mi Maleta, nas quais o viajante transporta produtos comprados no exterior a pedido do solicitante. No caso brasileiro, porém, ele faz somente a entrega de documentos e encomendas.

Os viajantes, então, as transportam e ficam responsáveis por entregá-las, tornando menos burocrático e mais sustentável o processo de envio. "Os itens que podem ser enviados dependem das restrições de cada país. Alimentos perecíveis e cigarros, por exemplo, são proibidos. Além disso, é uma entrega mais sustentável, porque o viajante já está indo para aquele destino [de ônibus, avião ou outro meio de transporte], não sendo necessária a criação de uma nova rota para aquela entrega, como ocorre com os Correios ou empresas privadas", elenca Cleverson Fontana Júnior, CEO da Wooboogie.

"Match" é ponto de partida para os envios

O processo de envio é baseado no alinhamento das agendas dos viajantes aos interesses de entrega dos "clientes". Para que ele ocorra, os interessados em transportar as encomendas se cadastram na plataforma e informam a data e o destino da viagem. A partir destes dados, quem deseja despachar documentos e produtos pode localizar um viajante (também chamado de boogier) que atenda suas necessidades de prazos e rota e iniciar uma conversa para acertar as condições em que a entrega se dará. Entram aí questões sobre se a encomenda será retirada pelo viajante ou entregue a ele por outros meios pelo solicitante na origem e se o boogier irá entregá-la diretamente no endereço ou usará serviços de terceiros (como Rappi) quando chegar ao local de destino.

"Para o match entre viajantes e solicitantes, adotamos uma margem de três dias antes ou depois da data para a qual está programada a viagem em relação à desejada pelo solicitante. Mas, se ele não tiver pressa na entrega, pode localizar viajantes com datas um pouco mais distantes", explica Cleverson. A partir do início da viagem, o solicitante ainda consegue acompanhar o rastreamento da entrega a partir de relatórios gerados pelo sistema.

Ainda segundo o CEO, o custo dos envios chega a ser até 60% mais barato do que o praticado pelos Correios e quase 75% mais em conta do que o cobrado pelos entregadores privados, girando entre um mínimo de R$ 35 e máximo de R$ 150, em média. O viajante, por sua vez, recebe cerca de R$ 50 por encomenda transportada.

Por enquanto, a empresa faz a ponte entre viajantes e solicitantes que têm a Argentina como destino. Até o final deste ano, o Uruguai irá entrar na rota e, para março de 2020, está prevista a inclusão do Chile na plataforma. "Nosso objetivo é contemplar toda a América Latina. Depois destes, outros destinos previstos são Peru, Colômbia e México", conta Cleverson.

Espaço na mala e confiança recíproca são premissas do serviço

O custo mais em conta quando comparado a outras formas de entrega deve-se à logística envolvida no modelo de crowdshipping. Isso porque, além de 'aproveitar' uma viagem que já seria feita de qualquer forma, as encomendas são despachadas ou carregadas na bagagem do viajante, sem a necessidade de pagamento das taxas referentes ao volume. "No momento em que o solicitante cadastra o pedido, ele diz se a encomenda cabe no bolso, na mochila ou na mala do viajante. O valor que será cobrado dele depende do espaço que a encomenda irá ocupar na bagagem e da rota", explica o CEO da Wooboogie.

Para garantir que o que está sendo transportado responda à legislação e não envolva materiais ilícitos, é pedido ao solicitante que envie fotos da encomenda - de três ângulos diferentes - antes de que ela seja empacotada e retirada ou entregue ao viajante. O CEO da Wooboogie reconhece, no entanto, as fragilidades do sistema. "Toda esta desmistificação de [serviços compartilhados], como Uber, Airbnb e o nosso, ocorre com o tempo. E é complicado blindar transgressões [às regras]. Porém, até hoje, não tivemos nenhum caso neste sentido", garante Cleverson.


7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • W

    Wermes Rodrigues

    ± 5 minutos

    Quando se trata de alguma ideia disruptiva as pessoas olham com um olhar do maldoso, quando surgiu Uber, Airbnb o que as pessoas pensavam? Quem iria andar em um carro de estranho? Quem iria hospedar uma pessoa do mal na propria casa? E hoje se venceu esse pré-conceito, por isso adoro ideias inovadoras e disruptiva.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    George Orwell

    ± 3 horas

    Hahaha! Quem é louco de embarcar com a encomenda de um desconhecido, sem saber o conteúdo? Tô fora!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • V

    Vinicius França Faria

    ± 6 horas

    Daqui a pouco os traficantes usarão essas pessoas como mulas do tráfico. Isso é uma grande furada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Célia Regina Tozi Coelho

    ± 9 horas

    e como é que a pessoa sabe o conteúdo da encomenda que está levando e se é algo legal ? como saber se não há algo ilícito camuflado etc...?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • N

      Neto

      ± 3 horas

      Juliana Vermelho Martins: vc gostaria de ter um desses "problemas pontuais"? Quem sabe na Indonésia?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • J

      Juliana Vermelho Martins

      ± 8 horas

      A própria reportagem explica que é necessário mandar fotos da encomenda. Mas alerta que não dá garantir que não haverá fraudes. Em resumo, é mais um serviço em que a confiança no ser humano é o principal ingrediente para dar certo. E diante de tantos outros casos de sucesso como Uber e AirBnb, não tem porque esse também não dar certo! Problemas pontuais vão acontecer, mas serão apenas uso; pontuais! EXCELENTE IDEIA!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Araucária

      ± 8 horas

      Fecha os olhos, reza e confia.....

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.