Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

militância

Curso do MST na PUC-SP tem módulo contra ‘fake news de direita’

Professora disse que aula abordará o fenômeno das notícias falsas em geral, mas acredita que a hegemonia na criação de fake news é da direita

  • Da Redação
Acampamento do MST, em Curitiba, de apoio a Lula | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Acampamento do MST, em Curitiba, de apoio a Lula Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A “guerrilha” digital como método de construção da “hegemonia conservadora”, de direita, é um dos módulos de seminário promovido pela escola do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) na PUC-SP. A iniciativa reúne mais de cem alunos, a maioria deles militantes do MST e do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), mas também de estudantes da universidade.

Leia também: Onda de cursos sobre “golpe” expõe domínio da esquerda nas universidades

O “Seminário sobre realidade brasileira e mídia” começou em abril e tem, em módulos mensais aos sábados, das 9h às 17h, aulas sobre “categorias básicas da economia política”, “processo de colonização e estrutura patriarcal”, “questão agrária e luta pela terra”, “formação dos monopólios e o papel da mídia no Brasil”, “revolução brasileira e projeto popular”.

No dia 29 de setembro, está prevista a aula sobre “Guerrilha da comunicação digital e fake news como método de construção da hegemonia conservadora”. Os palestrantes serão Pollyana Ferrari, professora do curso de jornalismo da PUC-SP, autora do livro “Como Sair das Bolhas”, e o jornalista Leonardo Sakamoto, autor de “O Que Aprendi Sendo Xingado na Internet”.

Leia também: Escolas do MST: autonomia a serviço da “pedagogia socialista”

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o coordenador do curso, José Arbex, chefe do departamento de jornalismo da PUC-SP e também professor da Escola Nacional Florestan Fernandes, do MST, afirmou que a mídia tradicional, e não apenas as redes sociais, ajudam a propagar mentiras. Segundo ele, “90% das notícias que saem [sobre movimentos sociais] são incompletas, falsas, erradas” ou com “ideias preconcebidas”.

A professora Pollyana Ferrari, também à Folha de S. Paulo, garantiu que o curso é sobre fake news em geral. Mas, na opinião dela, há uma hegemonia de direita nesse campo. “A fake news pega todo mundo, mas a gente não tem visto hegemonia da esquerda na criação de notícias falsas, mas sim da direita. É sempre uma ação conservadora, de ódio do outro”, disse.

Leia também: Entenda como funciona a turma “do MST” de Direito na UFPR

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE