Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Márcia é uma das poucas pesquisadoras desse tema no mundo e a primeira premiada na América Latina. | Divulgação/UFPel.
Márcia é uma das poucas pesquisadoras desse tema no mundo e a primeira premiada na América Latina.| Foto: Divulgação/UFPel.

A professora e pesquisadora da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Márcia Mesko, foi a primeira ganhadora na América Latina do prêmio AAS Emerging Investigator Lectureship (Prêmio Pesquisador Emergente). 

Márcia é docente do Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos da UFPel e foi premiada por sua pesquisa em determinação de halógenos, ou seja, o estudo de métodos para identificar a quantidade e localização na natureza de elementos como iodo, bromo e chumbo.

Ela é uma das poucas pesquisadoras desse tema no mundo e a primeira premiada na América Latina. 

LEIA MAIS: Pesquisa nas universidades brasileiras cresce em quantidade e qualidade

“Ficamos contentes pela distinção do Brasil em relação ao resto do mundo, em especial de uma mulher”, diz a docente. 

Além do reconhecimento internacional, a pesquisadora receberá £ 2 mil para participar de um evento sobre Espectometria Atômica na França em 2019; ela participará como palestrante.

“Esse é um retorno do trabalho desenvolvido não só para a Universidade, mas para a sociedade”, destaca. 

Prêmio

O prêmio concedido pela revista Journal of Analytical Atomic Spectometry, da Royal Society of Chemistry, e reconhece o trabalho de jovens pesquisadores do mundo todo. 

VEJA MAIS: Estudante de universidade federal é premiado pela Universidade Harvard

São analisados critérios como número de publicações e o impacto científico da pesquisa em termos mundiais para então laurear pesquisadores com até dez anos de doutorado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]