Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

comparação

Por que a concorrência da Unicamp é maior do que a de Harvard

Numericamente, a disputa por uma vaga na universidade brasileira é mais acirrada do que a da instituição americana; diferenças na seleção explicam

  • Gabriel de Arruda Castro
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A Unicamp nem mesmo aparece no ranking das 1.000 melhores universidades do mundo da Times Higher Education.  Mas, pelo menos na concorrência, ela é comparável às primeiras colocadas.

Para o próximo vestibular, serão 73.498 candidatos disputando 3.340 vagas na universidade paulista. Ou seja: apenas 4% dos inscritos serão aceitos. O nível é menor do que o de universidades americanas de ponta, como Stanford (4,7%)Harvard (5,1%)Princeton (6,4%), e o MIT (7,2%).

Na USP, a disputa também é acirrada: serão 137.581 candidatos disputando 8.402 vagas, o equivalente uma taxa de aceitação de 6,1%. 

Outras federais têm taxas um pouco mais elevadas, mas ainda comparáveis à de boa universidades americanas: a UFPR (9,8%) tem concorrência bem menor do que a da prestigiada Cornell (14%).

É bom lembrar que esses números levam em conta todos os cursos. Quando analisados apenas os mais concorridos, o funil das universidades brasileiras é muito mais estreito: apenas 0,3% dos candidatos ao curso de Medicina na Unicamp são aprovados, por exemplo.

Mas, se essas instituições estrangeiras são tão mais prestigiadas, e se recebem candidatos do mundo inteiro, por que não são são mais concorridas do que a Unicamp?

Existem três motivos para isso.

1) O sistema americano filtra os candidatos sem chance de aprovação  

Como não existe vestibular nos EUA, o aluno precisa fazer uma prova-padrão (SAT ou ACT). Com base na nota que obtém, ele já consegue ter uma boa ideia de quais universidades podem aceitá-lo. Além disso, o rendimento no ensino médio (medido pelo chamado GPA) também é essencial no acesso às melhores instituições de ensino. Qualquer coisa longe da perfeição costuma impedir o acesso a Harvard. Resultado: os alunos com notas ruins ou medianas nem mesmo tentam entrar nas universidades mais prestigiadas, o que funciona como um filtro prévio e reduz a concorrência. 


2) O custo 

Apesar de oferecer bolsas, Harvard é uma instituição cara (um ano de estudos custa, em média, R$ 230 mil) – ao contrário das federais brasileiras, que não cobram mensalidade e têm uma taxa de inscrição relativamente modesta. Ou seja: não custa (quase) nada tentar. 

 

3) A insistência dos brasileiros

É comum, no Brasil, que estudantes fiquei dois ou três anos dedicando-se apenas ao cursinho pré-vestibular depois de terminarem o ensino médio. Isso aumenta o número de concorrentes em cada vestibular. Nos EUA, mesmo que não seja aceito na sua primeira opção, o estudante busca um plano B para iniciar a faculdade de imediato, o que reduz a quantidade de candidatos por vestibular.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE