Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

congresso

Projeto de Jean Wyllys limita ensino religioso em escolas públicas

Proposta impede que as aulas apresentem a perspectiva de uma religião específica; modelo que o deputado tenta banir foi aprovado pelo STF

  • Murilo Basso
 | LUIS MACEDOCâmara dos Deputados
LUIS MACEDOCâmara dos Deputados
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) propôs um projeto de lei que, segundo ele, pretende impedir a doutrinação religiosa nas disciplinas de ensino religioso nas escolas públicas do país. 

PL 9208/2017, apresentado na última quarta-feira (29), inclui a expressão “não-confessional” na lei que trata do ensino religioso, e também define que o conteúdo será ministrado “sem qualquer tipo de proselitismo ou imposição de uma determinada religião ou doutrina em particular.”

O ensino confessional é aquele apresentado sob o ponto de vista de uma religião específica. A justificativa do projeto diz que a intenção é  “regulamentar o ensino religioso de modo a assegurar o respeito à diversidade de crenças dos alunos e impedir que eles sejam vítimas de qualquer tipo de imposição autoritária das doutrinas do professor”. 

Jean afirma não questionar o fenômeno religioso como parte da educação, mas sim a maneira como um estado laico deveria abordá-lo. 

“Ensinando aos alunos a história das religiões — das diferentes religiões, não de uma só — e as diferenças entre elas, promovendo a pesquisa sobre os fundamentos e crenças dos diferentes credos e seu papel na formação da nossa cultura. Ou seja, conhecimento e não doutrinação”, diz o deputado em entrevista à Gazeta do Povo.


Discussão sobre o tema, que está na pauta do STF, deve levar em conta a liberdade religiosa e o contexto histórico do país. #EDUCAÇÃO

Publicado por Gazeta do Povo em Quarta-feira, 27 de setembro de 2017

“Escola Sem Religião” 

A iniciativa foi batizada informalmente de “Escola Sem Religião”, em alusão ao movimento Escola Sem Partido, que busca combater a doutrinação ideológica nas escolas brasileiras. 

“Não há relação alguma com o grupo cinicamente chamado ‘Escola Sem Partido’. É uma frase ridícula usada nas redes sociais por pessoas que não leram o projeto e não conhecem seu conteúdo”, defende o deputado, um dos maiores críticos do movimento. “Meu projeto não instaura nenhum controle ideológico patrocinado pelo Estado, impedindo que alunos e professores se expressem, como esse grupo propõe”, critica. 

Ao menos esta pauta, porém, é semelhante. “A Constituição prevê o ensino religioso de matrículas facultativas. Não li o projeto, mas se é contra isso que o deputado está se posicionando, o PL já nasce inconstitucional”, diz Miguel Nagib, coordenador nacional do ESP. “Fora isso, religião na sala de aula é inconstitucional e inclusive sempre nos declaramos expressamente sua posição nesse sentido”. 

Contradição? 

Em setembro, o ensino religioso confessional nas escolas públicas foi considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal. 

O PL de Wyllys faz críticas ao ensino religioso confessional– que é apontado pelo deputado como uma forma de catecismo; para o deputado “escolas não podem se portar como igrejas ou templos”. 

Jean, porém, apoiou o PL 1780/2011, do deputado Miguel Corrêa (PT/MG), que pretendia determinar que “estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares ensinassem cultura árabe e tradição islâmica”. 

Embora não se tratasse de um PL que defendesse especificamente o ensino de religião, na época argumentou-se não seria possível dissociar cultura árabe e tradição islâmica da religião. 

“Dizer que não se pode dissociar a cultura árabe da religião islâmica é não saber o que são ambas as coisas”, critica Jean. “Canalhas homofóbicos querem me construir como inimigo da fé cristã e dos cristãos, então, que melhor mentira poderiam inventar? ‘Jean Wyllys quer ensinar nossas crianças a serem muçulmanas!’”, completa. 

Para Nagib é possível argumentar que há uma zona de sobreposição em que a religião é parte da cultura. “Esse problema já existe com relação à cultura afro”, avalia o advogado, se referindo a lei 10.639/03, que dispõe sobre o ensino da cultura e da história dos povos africanos. 

“É uma questão que realmente pode gerar conflitos dentro da sala de aula: como a religião também é, de certo modo, um fenômeno cultural, há certas situações em que o estudante se sente vítima de doutrinação religiosa”, conclui.


Quatro semanas após o início do julgamento, STF reconhece a constitucionalidade do chamado ensino confessional.

Publicado por Gazeta do Povo em Quarta-feira, 27 de setembro de 2017

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE