Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

unb

Universidade de Brasília oferece curso sobre “golpe” contra Dilma

Matéria do Instituto de Ciência Política será ofertada aos alunos neste semestre; universidade diz que respeita liberdade de expressão

  • Gabriel de Arruda Castro
 | YURI CORTEZAFP
YURI CORTEZAFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Os estudantes da Universidade de Brasília (UnB) terão uma nova opção de disciplina para cursar nesse semestre: “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”. 

O curso, oferecido pelo Instituto de Ciência Política da universidade, vale quatro créditos acadêmicos. O conteúdo da disciplina se baseia no pressuposto de que o impeachment de Dilma Rousseff promoveu uma “ruptura democrática”. 

São três os objetivos da matéria, ministrada pelo professor Luis Felipe Miguel. O primeiro é “Entender os elementos de fragilidade do sistema político brasileiro que permitiram a ruptura democrática de maio e agosto de 2016, com a deposição da presidente Dilma Rousseff”. 

O segundo: “Analisar o governo presidido por Michel Temer e investigar o que sua agenda de retrocesso nos direitos e restrição às liberdades diz sobre a relação entre as desigualdades sociais e o sistema político no Brasil”. 

O terceiro: “Perscrutar os desdobramentos da crise em curso e as possibilidades de reforço da resistência popular e de restabelecimento do Estado de direito e da democracia política no Brasil”. 


Publicado por Educação - Gazeta do Povo em Sexta, 16 de fevereiro de 2018

Na bibliografia, estão livros e artigos sobre o golpe de 1964, o “lulismo e a promoção da paz social” e a “ascensão do parafascismo”. Entre as fontes que devem ser estudadas, estão textos de publicações de esquerda como Carta Capital, o Blog do Sakamoto, Opera Mundi e Sul21. 

Para ser aprovado no curso, é preciso apresentar quatro trabalhos, de até 40 linhas, sobre o conteúdo estudado ao longo do semestre. Uma exigência: os trabalhos devem “incorporar as leituras indicadas”.

Resposta

Procurada pela Gazeta do Povo, a Universidade de Brasília afirmou que “a proposta de criação de disciplinas, bem como suas respectivas ementas, é de responsabilidade das unidades acadêmicas, que têm autonomia para propor e aprovar conteúdos, em seus órgãos colegiados”.

O texto acrescenta ainda que a disciplina é facultativa e assegura ter compromisso com a liberdade de expressão e opinião. 

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE