i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Selvageria em Joinville

Ex-vereador admite participação em briga de torcidas e pede desculpas

Atual superintendente da EcoParaná, autarquia do governo estadual, Juliano Borghetti disse que estava arrependido e que não chegou a agredir ninguém

  • PorRobson Martins
  • 09/12/2013 15:41
Superintendente da Paraná Projetos, autarquia do governo estadual, Juliano Borghetti estava no meio da briga de torcidas em Joinville | Albari Rosa / Gazeta do Povo
Superintendente da Paraná Projetos, autarquia do governo estadual, Juliano Borghetti estava no meio da briga de torcidas em Joinville| Foto: Albari Rosa / Gazeta do Povo

O ex-vereador de Curitiba Juliano Borghetti, que representou seus eleitores entre 2008 e 2012 eleito pelo Partido Progressista (PP), foi um dos identificados ontem na briga generalizada entre torcedores do Atlético e Vasco na Arena Joinville. Diante da repercussão nas mídias sociais, ele divulgou uma nota oficial admitindo estar na confusão, mas dizendo que estava arrependido. Pediu desculpas.

No texto, Borghetti disse que frequenta jogos do Furacão há 30 anos e que nunca tinha se envolvido em nenhum caso de violência. "Acompanhávamos a partida próximos à divisa entre as torcidas e fomos surpreendidos com a eclosão da confusão generalizada próxima ao local em que estávamos acomodados", afirmou. "Foi uma atitude da qual me arrependo e por isso venho a público pedir desculpas. Reforço, porém, que não agredi ninguém, nem tampouco sofri qualquer agressão física na situação", acrescentou.

Ele ainda fez questão de ressaltar que, quando era vereador, propôs com outros colegas de casa a lei municipal que obriga o cadastro de torcedores em estádios. "Lamento profundamente o ocorrido [em Joinville]", finalizou. Na selvageria ocorrida na última rodada do Brasileiro, quatro pessoas foram hospitalizadas com lesões graves e três torcedores do Vasco foram presos.

Borghetti tem vínculos com famílias importantes na política paranaense: foi casado com a deputada do Parlamento Italiano Renata Bueno – que é ítalo-brasileira e filha do deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR). O ex-vereador também é irmão da deputada federal Cida Borghetti (Pros-PR), presidente do partido no Paraná, que, por sua vez, é casada com o secretário estadual da Indústria e Comércio, Ricardo Barros (PP), um dos principais aliados do governador Beto Richa (PSDB), de quem Borghetti foi comissionado em 2004 quando o tucano era prefeito de Curitiba.

Depois de fracassar na tentativa de reeleição no ano passado, o ex-vereador tornou-se superintendente da EcoParaná, autarquia vinculada à Secretaria de Estado do Turismo-SETU que gerencia unidades de conservação do estado.

A assessoria de imprensa do governo do Paraná afirmou no final da tarde de ontem que não se pronunciaria oficialmente sobre o assunto. No entanto, confirmou que a EcoParaná é uma instituição pública com direitos privados e que Juliano Borghetti recebe o salário do governo estadual.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.