Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Leonardo Oliveira, presidente do Paraná, fala sobre patrimônio do clube. | /Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Leonardo Oliveira, presidente do Paraná, fala sobre patrimônio do clube.| Foto: /Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O presidente do Paraná comemorou nesta quinta-feira (17) o fim definitivo da dívida do clube com o empresário Leo Rabello, do caso Thiago Neves. (entenda o caso)

Oliveira revelou que nos últimos dias o Tricolor pagou a última parcela de R$ 500 mil que devia ao empresário. O débito cobrado era de R$ 40 milhões. Em seguida, o clube negociou com Rabello e reduziu o débito para R$ 4, 5 milhões, sendo que os primeiros R$ 4 milhões já haviam sido pagos em 2016.

Paraná cogita levar jogo da Série B para a Arena da Baixada

Leia a matéria completa

Após ganhar carona de torcedores do Paraná, Lisca promete alugar carro

“Em 2016 tivemos as cotas de tevê penhoradas junto na CBF por causa do famigerado processo do Thiago Neves. Uma dívida de R$ 40 milhões. Foi uma catástrofe naquele momento. Negociamos por quatro meses com o Rabello e reduzimos para R$ 4,5 milhões. Essa coletiva é para dizer que na semana passada pagamos a última parcela”, contou Oliveira.

“Não temos mais um centavo de dívida sobre o Thiago Neves, um dos maiores problemas da história do clube. Estamos comemorando o fato de ter sido resolvido”, reforçou.

Oliveira fez questão de ressaltar, entretanto, que esta resolução não resolve todos os problemas financeiros do Paraná, que ainda tem 85% das cotas de tevê deste ano bloqueadas por outros processos trabalhistas.

“Essa resolução para de assombrar a vida do clube. Neste momento não traz impacto financeiro líquido, não libera nenhum centavo. Mas uma dívida de R$ 40 milhões ia bloquear por muito mais tempo”, prossegue.

A reportagem apurou que o empresário Carlos Werner emprestou R$ 2,6 milhões ao clube, que utilizou R$ 1,4 milhão da verba de televisão de 2016 e R$ 500 mil do valor referente a 2017.

Veja coletiva do presidente do Paraná

Entenda o caso Thiago Neves no Paraná Clube

Início

O imbróglio começou em 2003, na gestão de Ênio Ribeiro, quando o clube perdeu 50% dos direitos econômicos do atleta por causa de um acordo com a empresa LA Sports, que fornecia comida para as categorias de base em troca da metade de cinco atletas.

Primeira venda

Em 2006, o Paraná vendeu 30% para empresa Systema, de Rabello, por cerca de US$ 200 mil. A LA Sports fez o mesmo.

Novo negócio

Na sequência, o clube ainda vendeu os seus 20% dos direitos econômicos restantes por R$ 480 mil, ficando assim 32% para a LA Sports e 68% para a Systema.

Fluminense

O jogador estourou no Fluminense em 2007 e chegou a assinar um pré-contrato com o Palmeiras, mas ainda tinha vínculo com o Paraná. Assim, Rabello depositou os R$ 2 milhões da multa rescisória em juízo e o meia ficou no time carioca. Porém, o Tricolor não tinha direito a mais nada.

Justiça

Em 2008, sob a gestão do ex-presidente Aurival Correia, foi pago para a LA Sports a parcela referente aos 32% deles, o correspondente a R$ 640 mil. O problema é que o R$ 1,36 milhão dos 68% da Systema foi sacado e utilizado para outros fins, o que gerou o processo na Justiça.

Perda

O clube tentou na justiça conseguir de volta os 60% dos direitos econômicos e perdeu.

Acordo

Um acordo foi feito na gestão de Rubens Bohlen, em 2012. A dívida que já estava em R$ 27 milhões foi reduzida para R$ 10 milhões.

Tarumã

Com a venda da sede do Tarumã, cerca de R$ 3 milhões foram pagos, mas as parcelas seguintes não foram honradas e a dívida voltou ao valor total, hoje de R$ 36 milhões.

Acordo final

Seria pago R$ 4,5 milhões a empresa Systema, de Rabello, em troca do fim do processo que está na Justiça de R$ 36 milhões. O empresário Carlos Werner emprestou R$ 2,6 milhões ao clube, que utilizaria R$ 1,4 milhão da verba de televisão de 2016 e R$ 500 mil do valor referente a 2017.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]