Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Os destaques da Smart City Expo Curitiba 2022
Os destaques da Smart City Expo Curitiba 2022| Foto: Marcelo Andrade

O segundo dia de Smart City Expo Curitiba promete muitos debates e palestras intensas sobre tecnologias em cidades inteligentes. Nesta sexta-feira, a agenda conta com palestrantes como Salim Ismail, Fundador da Singularity University; Jorge Saraiva, Chefe de Inovação do Grupo Três60; e Adriana Molano, fundadora do centro latino-americano de tecnologias para o desenvolvimento e mais. Confira aqui a programação completa.

O GazzConecta é patrocinador do Smart City Expo Curitiba e te atualiza em tempo real sobre os destaques do congresso.

Tempo Real Smart City Expo Curitiba 2022

16h15 - O que queremos que a tecnologia nós ofereça para lidar com uma próxima crise?

Participaram da última mesa de debates da conferência Adriana Molano, fundadora do Centro Latino-americano de tecnologias para o desenvolvimento; Marcelo Rangel, superintendente de inovação do Paraná, Júlio Omori, da Copel e Alexandre Goldfeld, CEO do centro de operações do Rio de Janeiro.

Alexandre descreveu algumas iniciativas implementadas na cidade do Rio de Janeiro voltadas para a automatização da cidade. Segundo o representante, a cidade já utiliza tecnologias como previsão do tempo com inteligência artificial, monitoramento em tempo real de vias e sirenes móveis no celular dos moradores.

Durante o debate, Adriana Molano fez reflexões sobre a relação de humanos e tecnologias, "quem vai moldar quem?", questionou a especialista.

A especialista fez uma relação com o desenvolvimento humano e o tecnológico, que se moldam e transformam juntos, em hábitos e novas funcionalidades. Molano explicou ainda quais são os dez principais riscos globais hoje, entre eles estão questões ambientais além de fatores sociais e políticos. "Quanto tempo e quais tecnologias nós temos, e colocamos em ação, para resolver estes problemas?", questionou Adriana.

15h30 - Keynote Salim Ismail

O keynote do segundo dia de evento foi Salim Ismail, fundador da Singularity University, na palestra "Os dois futuros possíveis para nossa sociedade: Mad Max ou Star Trek". Suas falas foram sobre o crescimento exponencial da tecnologia e da necessidade de adaptação dos negócios. "Temos disrupções exponenciais a todo momento, acontecendo ao mesmo tempo. Com esta agilidade, nosso grande desafio é atualizar nosso legado e agilizar a transformação de organizações", explicou Ismail.

14h15 - Inovação na cidadania para uma cidade participativa

A plenária se dedicou a apresentar um panorama de atores nas políticas públicas, que utilizam canais digitais ou analógicos para promover a acessibilidade.

Carolina Carrasco, CEO e fundadora do Espaço Lúdico, compartilhou seu projeto que já revitalizou espaços marginalizados em 78 cidades do Chile. Na prática, locais que são pouco utilizados são transformados em espaços de relacionamento com brinquedos para crianças e adultos.

Para Carrasco "os jogos permitem conectar gerações e ressignificar espaços urbanos. A brincadeira é uma constante experimentação que sai do tradicional e envolve pessoas de diferentes gerações", explicou.

13h15 - Vivendo em uma cidade inteligente: um salto no futuro

As Cidades Inteligentes têm um impacto real na vida cotidiana. Do acesso à informação à educação, da empregabilidade à saúde, a vida nas cidades está mudando diariamente por conta dos novos serviços digitais, interfaces, dispositivos conectados, e sensores de todos os tipos.

A palestra contou com a presença de Jorge Saraiva, líder da Rede Europeia de Políticas Urbanas, Antonio Carvalho e Silva Neto, da prefeitura de Maceió, Marcelo Crivano, CEO da AMA e Felippe Galeb, vice-presidente da Cyber Segurança da Mastercard.

Durante o debate os especialistas discutiram soluções práticas que são realizadas por suas cidades ou empresas, para promover a sustentabilidade. Marcelo, CEO da AMA, startup de sustentabilidade e impacto ambiental, apresentou suas soluções voltadas para a coleta seletiva.

O sistema desenvolvido pela AMA utiliza tecnologia e influenciadores locais, conectando e remunerando vizinhos que colaboraram com a gestão de resíduos em suas regiões.

10h15 - Como as cidades podem liderar a mudança para novos modelos de transporte?

A segunda palestra do dia apresentou cases e exemplos de soluções para repensar a mobilidade urbana. O prefeito de Nigrán (Espanha), Juan Antonio González Perez, contou as iniciativas implementadas na cidade com foco na mobilidade incisiva e na acessibilidade cognitiva para todos os cidadãos. Entre as ações estão incentivos para a população na adoção de veículos elétricos, como isenção de impostos e recarga elétrica gratuita. Segundo Juan, Nigrán é uma das cidades com maior frota elétrica na Espanha (em comparação ao volume populacional) e conta com soluções tecnológicas como semáforos inteligentes conectados via bluetooth que facilitam a travessia de ruas com a aproximação de pessoas. Para Juan, a ocupação do espaço público deve ser um direito de todo cidadão.

Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme, do IPPUC - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, apresentou os planos em mobilidade urbana para a capital paranaense. A palestrante apontou o desafio da cidade de alcançar a neutralidade em carbono até 2050, sendo que o setor de transporte corresponde atualmente a 67% das emissões de gases poluentes. Ana Cristina contou que parcerias com instituições e universidades permitiram levantar estudos e análises sobre quais caminhos priorizar na implementação de soluções inteligentes na capital. Para a especialista, Curitiba deverá adotar ações como a descarbonização da frota, com redução de veículos particulares e incentivo ao transporte público, o uso de maios mais sustentáveis de deslocamento pelos cidadãos, e a aplicação de uma gestão de dados (em plataforma aberta) sobre a mobilidade urbana. Entre os exemplos de soluções inteligentes para a cidade de Curitiba, Ana Cristina destacou a transformação dos pontos de ônibus em estações intermodais inteligentes, com melhor experiência do usuário; a ampliação da rede cicloviária; e a aplicação de modicidade tarifária para melhor atender a população.

Os palestrantes Mario González Cerro, da Geotab, e Tiago Peixoto de Oliveira, gestor de tráfego, fecharam a sessão falando sobre a utilização de dados para aprimorar o setor de transporte em todas as suas dimensões - da frota à infraestrutura e energia -, determinando as tomadas de decisões. A gestão e aplicação dos dados em mobilidade urbana são aliados para validar propostas, inclusive para identificar quais veículos devem ser eletrificados primeiro dentro do contexto de cada cidade. A  proposta de mobilidade como um serviço traz ainda possibilidades de monitorar a emissão de carbono, melhorar a prática de condutores e encontrar modais mais eficientes. Em comum, todos os palestrantes destacaram a necessidade de que estes dados sejam compartilhados em plataforma aberta, com acesso para todos e com a possibilidade de que a tecnologia seja integrada em qualquer sistema.

9h - Quais serão os vetores de mudança para cidades mais sustentáveis?

A primeira sessão do dia no Smart City Expo Curitiba trouxe um debate sobre como realizar a transformação das cidades em direção à sustentabilidade e melhores condições de vida. Os palestrantes Hugo Isaak Zepeda, Cláudio Nascimento e Thomas Law destacaram os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, plano de ação com metas em áreas importantes para a humanidade – como o combate à pobreza e à fome – e que tem prazo até 2030. Cláudio Nascimento destacou que 49% das pessoas desconhecem as ODS e que só conseguiremos resolver os problemas do mundo em conjunto, com escuta ativa das dores da sociedade.

Thomas Law mostrou como a China conseguiu transformar as cidades através de clusters de inovação e com um planejamento a longo prazo. Para Law, o Brasil poderia se inspirar nas chamadas zonas econômicas especiais da China, ainda mais no contexto de desestatização dos portos brasileiros, para criar novos centros de inovação. O palestrante enfatizou que a transformação só acontece com políticas públicas permanentes e de longo prazo e defende a aplicação da tríplice hélice - conectando a gestão públicas, as empresas e universidades - para solucionar as questões das cidades. Hugo Isaak Zepeda destacou que é preciso analisar e entender o comportamento de cada cidade e deixou uma provocação: “Temos que simplificar a vida”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]