Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
B2Mamy
Dani Junco, fundadora e CEO da B2Mamy.| Foto: B2Mamy/Divulgação

“Coloquei no Facebook um chamado: ‘não estou me encontrando como mãe e profissional. Vamos tomar um café?’ Esperava umas quatro mulheres, mas vieram 80”. Foi assim que brotou a semente do que hoje é a startup B2Mamy, da fundadora e CEO Dani Junco. Agora, a empresa já apoia mulheres no pós-maternidade que desejam se recolocar no mercado, oferecendo capacitações para torná-las verdadeiras mães empreendedoras.

Criada em 2016, a B2Mamy é a primeira organização que capacita e conecta mães ao ecossistema de inovação e tecnologia com foco em liderança e liberdade econômica, voltada ao empreendedorismo materno.

Na prática, a startup desenvolve o trabalho por meio de uma comunidade multiplataforma especializada na jornada da maternidade e tem a finalidade de oferecer oportunidades para o protagonismo e a liderança feminina, garantindo diversas ferramentas para o empreendedorismo pós-maternidade.

Com esse objetivo, a B2Mamy já capacitou mais de 30 mil mulheres em seus programas de educação, movimentando mais de R$ 6 milhões dentro de sua rede.

Lidar com a própria dificuldade

A B2Mamy foi criada pela especialista em marketing com foco em branding, Dani Junco. Quando se tornou mamãe, ela teve dificuldades para retornar ao mercado de trabalho e percebeu que muitas mulheres enfrentavam o mesmo problema. A solução seria se dedicar ao empreendedorismo feminino.

"Eu queria lidar com a maternidade sem deixar a minha carreira, porque era disso que eu era feita. Sempre fui agressiva com metas e tive uma postura de liderança que queria performar no mundo dos negócios” conta Junco.

Ao se reunir com aquelas 80 mães, a startup nasceu e, em parceria com a Distrito e a Endeavor, promoveu o estudo chamado "Female Founders Report 2021". Nele, foi apontado que somente 4,7% das empresas brasileiras são lideradas por mulheres e que, dos US$ 3,5 bilhões em investimentos feitos em startups brasileiras em 2020, apenas 0,04% do total foi para startups de mulheres.

"Acredito na potência das mães e buscamos mudar essa realidade"

CEO resolveu criar uma startup a partir de uma dor própria (imagem: divulgação)
CEO resolveu criar uma startup a partir de uma dor própria (imagem: divulgação)

Dani Junco ainda destacou algumas marcas importantes alcançadas pela B2Mamy nos últimos cinco anos:

  • Capacitou e conectou mais de 30 mil mães por meio de programas como EAD e meetups;
  • Recebeu apoio institucional de Facebook e Google;
  • Movimentou R$ 6 milhões, considerando todo o faturamento das empresas aceleradas e da aceleradora em si.

Investimentos expressivos

A última rodada de investimentos da B2Mamy foi feita em 2020 e arrecadou fundos para tracionar um modelo de negócio para o empreendedorismo feminino que seja escalável e completamente digital.

Na ocasião, um grupo de investidores anjo aportou capital na startup, mesmo durante a crise econômica causada pela pandemia de coronavírus. Para aproveitar a oportunidade criada pelo investimento, a B2Mamy se reformulou e redirecionou suas ações, eventos e programas para o ambiente digital.

Como consequência, foi criada a B2Mamy e-Place, com um investimento de R$ 600 mil. Trata-se da primeira plataforma de realidade virtual e streaming especializada na jornada da maternidade.

Como foi a trajetória da B2Mamy até aqui

Comunidade

7 mil mulheres na comunidade digital “B2Manas”.

Capacitação

30 mil mulheres capacitadas pelos programas da startup.

Womby

28.699 mulheres inscritas nas 110 vagas da primeira turma do Womby (2020), programa de impacto social da B2Mamy que tem como objetivo ensinar gratuitamente novas profissões digitais para mães das periferias.

Conteúdo

Mais de 6 mil horas de conteúdo online e presencial (antes da pandemia).

Ambiente virtual

3 mil inscrições na plataforma B2Mamy e-Place.

Planos de expansão

Com o objetivo de aumentar ainda mais o suporte para o empreendedorismo feminino e por causa da pandemia, a startup adotou o modelo online, pelo qual oferece os cursos e eventos atualmente. Todas as novidades podem ser conferidas na plataforma B2Mamy e-Place.

As mães empreendedoras também estão convidadas para conhecer a Casa B2Mamy Wishe, um espaço físico localizado na Vila Madalena, em São Paulo. O local é um co-learning voltado para inovação, networking e educação.

Casa B2Mamy Wishe (Imagem divulgação)
Casa B2Mamy Wishe (Imagem divulgação)

Antes de fazer a visita, contudo, é importante verificar o calendário de funcionamento por causa das medidas restritivas adotadas pelas autoridades para conter o avanço da covid-19.

Para os próximos anos, a B2Mamy deseja ampliar suas ações para mais estados do Brasil e para outros países, seguindo com a missão de auxiliar o empreendedorismo materno.

B2Mamy lança plataforma de mentoria em 2021

Uma das novidades anunciadas pela B2Mamy em 2021 foi a MentorEla, uma plataforma feita em parceria com a Movimento Aladas para conectar mentores com empreendedoras e líderes que se destacam no mercado.

Nessa plataforma, os assuntos são separados por tópicos como inovação, liderança, autoconhecimento e comunicação.

Vários nomes de peso estão participando do projeto, como Júlio Pina e Patrícia Leisnock (Hospital Israelita Albert Einstein), Marcelo Pimentel (CEO da Marisa) e Sandra Montes (OLX).

É importante destacar que parte da renda coletada com as mentorias será direcionada para um programa de capacitação em bairros da periferia de diversas cidades do Brasil, um projeto chamado Womby, que busca aumentar as chances de empregabilidade de mães mais vulneráveis socialmente. Saiba mais sobre a startup em seu site oficial.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]