Projeto de home office executado durante a quarentena pela designer de interiores Bruna Justi.
Projeto de home office executado durante a quarentena pela designer de interiores Bruna Justi.| Foto: Leandro Vectori/Divulgação

Difícil encontrar quem não mudou (ou teve o desejo de mudar) pelo menos um item sequer da decoração ou da configuração da casa durante esses meses de isolamento social. Mais do que mera percepção vinda dos stories de amigos que se aventuraram no "Faça Você Mesmo", os números do setor embasam a certeza de que ficar confinado em casa é, sim, um convite à mudança.

Pesquisa recente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Konduto, por exemplo, registrou aumento de 23,61% no número de vendas online de móveis e itens de decoração entre 1º de março e 30 de abril, atrás apenas de calçados (93,08%), bebidas (78,90%), supermercado (34,44%) e artigos esportivos (25,75%), mas à frente do setor de moda (18,38%).

Siga a HAUS no Instagram!

"Nas nossas trocas de informações com os lojistas os resultados variam entre os que mantiveram o mesmo patamar de crescimento em relação ao mesmo período do ano passado e aos que chegaram a registrar 30% de aumento no volume de vendas no mês de abril", ilustra Patrícia Bernardi, diretora-executiva da Associação dos Comerciantes de Materiais de Construção da Grande Curitiba (Acomac), braço regional da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco).

Nos escritórios de arquitetura, por sua vez, a percepção segue na mesma linha e passou do receio inicial de uma baixa na procura por novos projetos ao extremo oposto, com mais que o dobro - em alguns casos, até cinco vezes mais - de novas solicitações vindas de clientes que anseiam por pequenas mudanças, como a reconfiguração espacial de um ambiente, ou pela construção de uma nova casa "do zero".

Projeto assinado pela designer de interiores Bruna Justi.
Projeto assinado pela designer de interiores Bruna Justi.| Leandro Vectori/Divulgação

"Isso é fantástico e vem muito do fato de os [clientes estarem] entendendo e valorizando o quanto temos que cuidar da nossa casa, uma vez que ela nos acolhe todos os dias. As pessoas estão entendendo a importância da casa", avalia a arquiteta Diane Justus, que viu o número de novas solicitações mais que dobrar no escritório desde o início da pandemia.

Pequenas, mas significativas mudanças

Com orçamento mais baixo e execução mais rápida, os pequenos projetos estão entre os campeões de pedidos que chegam aos escritórios.

"As pessoas querem uma reforma simples: a mudança de pintura nas paredes (muitos clientes pedindo por cores) , uma mesa nova, paisagismo na sacada ou dentro de casa, reforma de móveis. Ou seja, ajustar o que é possível com os moradores vivendo na casa, sem muita obra", conta a arquiteta Carla Grüdtner, que viu a média de propostas solicitadas pelos clientes aumentar em mais de cinco vezes durante a pandemia.

Como não poderia deixar de ser, os home offices também não ficam de fora na lista dos desejos de quem procura orientação profissional para adaptar um cantinho da casa à nova necessidade. Foi o caso, por exemplo, do escritório Crippa & Assis Arquitetura, que adaptou um espaço da garagem de um cliente para abrigar a área de trabalho.

Uma das consultorias feita por Ana Johns durante a quarentena foi um projeto para a disposição de quadros na casa de um cliente.
Uma das consultorias feita por Ana Johns durante a quarentena foi um projeto para a disposição de quadros na casa de um cliente.| Divulgação

"Entregamos a casa em dezembro, e o cliente quis colocar o home office lá embaixo pois tem duas crianças e estava trabalhando na mesa de jantar. Então, revestimos a parede com papel imitando cimento queimado, inserimos quadros e uma mesa com cavaletes e tampo em madeira, tudo bem solto, para que ele possa tirar quando quiser", conta Maria Alice Crippa, à frente do escritório juntamento com Gustavo Assis.

E quem já previa o espaço, mas estava adiando o início da obra, também optou por antecipar ou agilizar a realização dela, como lembra a arquiteta Letícia Kunow. Ela ilustra a questão com uma obra que está finalizando, e que teve início em meados de abril, para a instalação de um home office no ático do sobrado de um cliente para o qual já havia assinado outros ambientes. "Era um espaço subutilizado. Ele já trabalhava lá, mas não de forma adequada. Nós refizemos o telhado, alterando sua inclinação, trocamos o forro e projetamos dois ambientes, uma sala com lareira e a área de escritório, que será utilizada por ele e pela esposa, ambos que seguirão trabalhando em casa quando passada a pandemia", conta.

A vez dos novos

Outro fato que tem surpreendido positivamente os profissionais é a procura por projetos grandes, seja de reforma, construção ou decoração de imóveis novos adquiridos pelos clientes em plena pandemia.

"Foi o [tipo de solicitação] que mais chegou para a gente. Creio que, na correira do dia a dia, a maioria das pessoas não tinha tempo para procurar um imóvel, fechar o negócio. Agora, estão aproveitando este tempo, e as oportunidades de negociação, para fazer isso", avalia Maria Alice. A arquiteta Carla compartilha do sentimento e conta que também tem os projetos para apartamentos novos entre os destaques de pedidos que chegaram ao seu escritório nas últimas semanas.

Há também projetos para apartamentos novos entre os destaques de pedidos que chegaram aos escritórios.
Há também projetos para apartamentos novos entre os destaques de pedidos que chegaram aos escritórios.| Bigstock

Para dar conta de todos estes projetos, os profissionais têm nas ferramentas online sua grande aposta. Isto porque, cada vez mais reuniões para apresentação do briefing e do projeto tem deixado o ambiente presencial e acontecido nas plataformas digitais em decorrência das medidas de isolamento social. Os arquitetos lembram, ainda, da relevância que a preparação e disposição dos lojistas, parceiros e fornecedores para a troca de informações online sobre produtos e serviços tem tido sobre o fechamento dos negócios nestes novos tempos.

Vale ressaltar, também, que além de contribuir para o andamento dos projetos, os meios digitais assumiram o protagonismo quando o assunto é captar novos clientes. Quase todos os escritórios ouvidos pela reportagem apontam que as solicitações para os projetos partem de respostas a posts e stories e que as mídias sociais têm se tornado a grande aliada neste período. "Só neste último fim de semana, recebi sete solicitações de clientes pelo Instagram, site e canal do Youtube do escritório, sejam para reformas maiores ou para quem busca consultoria para mudança mais pontual", conta a arquiteta Ana Johns, que viu a procura por orçamentos dobrar no escritório neste período de pandemia.

"A crise não está sendo um empecilho para os clientes executarem [obras] e pequenas reformas. Quem estava se programando para isso não está tendo problema. E quem notou alguma necessidade em casa, talvez não invista tanto quanto gostaria, mas não está deixando de fazer", completa a designer de interiores Bruna Justi.

Conteúdo editado por:Luan Galani
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]