Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Imobiliária lança projeto de retrofit para revitalizar Centro de Curitiba
| Foto: Divulgação

A ocupação das regiões centrais para além das atividades comerciais está entre os principais desafios das grandes cidades. Afinal, o fluxo de moradores é que faz estas áreas terem "vida" ao longo de todo o dia e aos finais de semana, e não apenas durante o horário comercial.

E para contribuir com o crescimento do número de moradores no Centro de Curitiba, Paraná, a imobiliário Apolar está lançando um projeto de retrofit que busca revitalizar os imóveis e, consequentemente, torná-los mais atrativos aos futuros inquilinos.

Siga a HAUS no Instagram

"Este projeto nasceu do conhecimento adquirido nas minhas atuações na ACP [Associação Comercial do Paraná] e no Secovi [Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná] juntamente com o grande objetivo da Apolar de fazer as locações. Há muitos proprietários sem saber o que fazer com prédios que já foram hotel, repartições públicas, que estão sem utilidade. Então, propusemos a ideia e o proprietário aceitou", conta Jean Michel Galiano, diretor da Apolar Centro, ao detalhar o projeto do primeiro empreendimento da iniciativa apresentado ao público no último mês de dezembro: um edifício localizado na Rua Tibagi onde antes funcionava uma repartição pública.

"Era um prédio comercial que transformamos em um edifício residencial de 60 apartamentos, todos studios de 18 m² a 20 m². Para essa fase de pré-lançamento, separamos dez unidades, das quais 9 já estão locadas", acrescenta.

| Divulgação

Retrofit

Galiano destaca que a intenção do projeto apresentado pela imobiliário não é o de reformar, simplesmente, mas sim o de realizar um retrofit nas edificações, mantendo características originais delas como forma de se preservar a história da cidade ao mesmo tempo em que se dá condições para que as pessoas habitem os imóveis.

Neste primeiro edifício, o projeto assinado pelos arquitetos Isabela Padua e Leonardo Ribeiro manteve os pisos originais de taco dos apartamentos e das áreas comuns e o de mármore, da portaria (todos revitalizados), assim como os azulejos dos banheiros. As áreas privativas dos studios correspondem às da planta original do edifício, datado de 1992 e assinado por Glaucio Baraquet Groff, o que dispensou a necessidade de fechamentos e outras intervenções em alvenaria ou drywall, por exemplo. Portas e esquadrias também foram revitalizadas e instalações elétricas e hidráulicas atualizadas.

| Divulgação

"O conceito estava baseado em tornar [o prédio] referência no espaço em que ele está inserido, torná-lo um símbolo na escala do bairro, reinseri-lo na paisagem urbana. Para isso, além das áreas comerciais do térreo, partimos de uma fachada colorida, que dá identidade ao edifício começando pelas cores mais frias no nível da rua e que sobem 'alcançando o céu' com cores mais quentes", conta Isabela.

Estas mesmas cores são espelhadas nas portas dos elevadores dos pavimentos, fazendo com que estando dentro ou fora do edifício seja possível, por meio delas, localizar em qual andar se está ou qual deles se está vendo. "Isso promove uma ligação entre o usuário e o prédio", diz a arquiteta.

O investimento na obra é realizado pela imobiliária, cujo valor é descontado dos aluguéis futuros das unidades. No edifício da Tibagi, há três opções de locação dos studios: desocupado, semimobiliado ou mobiliado (incluindo eletrodomésticos).

| Divulgação

"Da forma como elaboramos o projeto, o inquilino pode escolher a quantidade de móveis que deseja [nas opções de locação que envolvem mobílias]. Nós temos uma parceria com a Italínea, e em sete dias entregamos a unidade personalizada para ele mudar", explica o diretor da Apolar. Galiano lembra ainda que, além de revitalizar o Centro, o projeto também torna os imóveis mais atrativos e rentáveis para locação. "A valorização no aluguel mensal chega a 20%, 25%", ilustra.

Ainda segundo ele, o objetivo da empresa é expandir o projeto para novos edifícios, alguns já em fase de estudo. Os proprietários interessados na proposta também podem procurar a imobiliária para saber mais sobre o projeto.

Conteúdo editado por:Luan Galani
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]