i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Do it yourself

Projetos sociais se beneficiam do “faça você mesmo” na construção

  • PorFábio Galão, especial para HAUS
  • 11/03/2020 09:14
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação| Foto:

Com acesso à internet e dedicando um tempo a assistir e compreender os tutoriais, é possível fazer (quase) qualquer coisa quando o assunto é reforma. O conceito DIY (do it yourself, em inglês, faça você mesmo) não é novidade para quem gosta de colocar a mão na massa para transformar espaços em casa.

O nicho, amplamente contemplado por programas na TV paga, tem suas próprias celebridades no mundo digital, como a americana Ana White, que disponibiliza gratuitamente seus projetos para móveis e outras estruturas. No Brasil, uma das referências é a brasileira Paloma Cipriano, que, junto com a mãe, ampliou a casa da família em Sete Lagoas (MG) e hoje mantém um canal no YouTube com dicas para DIY de construção que tem 849 mil inscritos.

A novidade, no entanto, é que muitos projetos sociais vêm se beneficiando do DIY e ajudando a reduzir os custos ou viabilizar obras em residências de baixa renda. O projeto Arquitetura na Periferia, de Belo Horizonte, é um dos que adotou a estratégia para transformar espaços e promover o empoderamento da população feminina de comunidades carentes.

“O projeto surgiu em 2013, numa pesquisa de mestrado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A princípio, o objetivo era que mulheres participassem do planejamento de obras nas suas casas, no qual muitas vezes não atuavam. Depois, surgiu delas o interesse de fazer”, explica a arquiteta Carina Guedes, fundadora e coordenadora do Arquitetura na Periferia.

Em oficinas, mulheres de baixa renda da capital mineira recebem capacitação para reformar (na maioria dos casos) ou construir as próprias casas. Para saber quanto gastar, também recebem orientação sobre finanças. Os recursos vêm de empréstimos, mutirões e doações. Uma moradora ajuda a outra, em espírito de cooperação. Sessenta mulheres já passaram pelo processo, que beneficiou ao todo cerca de 400 pessoas. O projeto começa a chegar a outros estados.

“No nosso caso, (o DIY) surgiu da necessidade da mulher ter sua autonomia. Quando ela consegue fazer, junta as amigas, tem muito mais liberdade. Antes, havia muitas situações em que eram enganadas, por não saber fazer, quanto gastar; agora, essas mulheres têm esse domínio”, ressalta Carina.

Passo a passo

Flávio Bernardo, de 48 anos, transformou o DIY da construção em um projeto dentro da sua carreira de produtor audiovisual. “Sou formado em marketing e produzia filmagens em estúdio em Campinas. O maior sonho do brasileiro é a conquista da casa própria, o que me motivou a criar o projeto Construindo Minha Casa: fazer uma casa para uma família carente, sem saber fazer, e filmar tudo. Uma família de Paulínia (SP) tinha um terreno, mas estava pagando por ele e não tinha dinheiro para construir. Fizemos um curso em Itu e começamos a fazer a obra, sempre com bom senso. Se a pessoa estuda, lê sobre o assunto, vê vídeos no YouTube, consegue fazer”, relata.

Flávio Bernardo coloca a mão na massa para transformar ambientes. Foto: Divulgação
Flávio Bernardo coloca a mão na massa para transformar ambientes. Foto: Divulgação| Nayane Bernardo

Para viabilizar a obra, Bernardo buscou patrocínios de empresas de materiais de construção. A casa em Paulínia, cuja obra demorou um ano e meio, ficou pronta em 2017. Desde o ano passado, o produtor está fazendo sua própria casa, em Águas de Santa Bárbara (também no interior paulista). Bernardo mostra as etapas do processo no seu canal no YouTube, que tem 97 mil inscritos. Os vídeos da primeira obra também foram exibidos em uma TV local; já a segunda temporada será veiculada num canal pago.

A meta de Bernardo é terminar a sua casa em um ano e meio. A primeira parte, uma edícula, ele está fazendo completamente sozinho. Na segunda, um sobrado, terá ajuda de um pedreiro e um auxiliar. “Muitas pessoas se interessam por construção. Desde pequeno, sempre que via uma obra, eu ficava observando. Muita gente quer construir e não tem dinheiro, a mão de obra é cara no Brasil. Acho que por isso muitos estão fazendo por conta”, aponta o produtor, que destaca que as obras das duas temporadas têm o mesmo engenheiro responsável.

Uma mãozinha aos autodidatas

O artesão e ator Poka Marques, 59 anos, antecipou essa tendência ao construir no início dos anos 2000 em Londrina uma casa de 400 metros quadrados. A maior parte da estrutura é em peroba rosa, de uma tulha de café de 1934 que estava no distrito de Irerê – os únicos espaços em alvenaria são os de maior umidade, como os banheiros.

“A gente (família) estava querendo mudar e fazer uma casa alternativa. Quando vi a tulha, comecei a tremer (risos). Fizemos uma casa-conceito, com captação de água da chuva, compostagem, aquecimento solar”, relata Marques.

“Adquiri o conhecimento ‘fuçando’, conversando com marceneiros, pessoas que já tinham experiência. É um conhecimento, inclusive, que está se perdendo, porque a molecada hoje não sabe nem parafusar um armário de MDF”, diz Marques. “Em Irerê, desmanchamos a tulha com o pessoal local. Um cara da família que era dona da tulha ajudou a desmontar, e eu inclusive falei para ele: ‘Desmonta com carinho, porque depois você vai me ajudar a montar a casa’.”

Além de aprender com a ajuda de tutoriais e da consulta a profissionais, ele contou com a ajuda de conhecidos. Nas obras, que duraram um ano e meio, quatro pessoas se envolveram. “Eu não tinha dinheiro, e a obra ficou um quarto do valor que seria necessário se mandasse alguém fazer”, diz o artesão e ator. “Um amigo, o professor de arquitetura Antonio Carlos Zani, fez o cálculo da fundação, o escritório dele fez o projeto, tirou dúvidas.”

Marques, que trabalha construindo móveis de madeira, fez outros projetos na linha DIY de construção depois da casa: a transferência da casa de madeira do bar Valentino, que foi levada da área central de Londrina para um terreno perto do aterro do lago Igapó, e todo o mobiliário na reforma de uma casa projetada pelo renomado arquiteto Vilanova Artigas, na rua Hugo Cabral (centro), que hoje abriga uma loja de brinquedos educativos.

“Eu noto que hoje tem um segmento da sociedade muito preocupado com a coisa autossustentável, e a construção faça você mesmo tem muito a ver com isso”, diz Marques, que morou na casa que construiu até um ano atrás: após um divórcio, o imóvel foi colocado à venda.

O diretor de fotografia em publicidade e fotógrafo Renato Ávila, 57 anos, de Curitiba, se orgulha de ser um “faz tudo”. Boa parte da sua casa, no Lindoia, foi montada por ele. “Coloquei azulejos na parede da cozinha. O encanamento e a parte elétrica da casa, eu que fiz. O telhado também fui eu que coloquei”, relata.

Muito desse interesse é herança familiar. “Meu pai foi mestre de obras. Antes de ir para o quartel, eu não conseguia emprego, e muitas vezes o acompanhava (no trabalho). Eu não tenho preguiça de fazer nada”, garante Ávila, que descreve como a curiosidade o ajuda na busca de soluções: “Eu vejo a obra pronta e descubro como fazer. Coloco no papel o que precisa ser feito. Pego material e reciclo. Gosto de transformar as coisas, inventar. Quando tenho dificuldade, pesquiso na internet, mas é difícil”.

Cuidados

Wanderson Leite, fundador da Prospecta Obras, plataforma de relacionamento do segmento de construção civil, aponta alguns dos motivos para o fenômeno recente do DIY na construção. “Com a nova era da tecnologia e mais oportunidades profissionais, muitos jovens que antes talvez se tornariam serventes de pedreiro acabam indo para outras profissões, de trabalho menos braçal. A mão de obra para pequenos serviços está escassa. Como são orçamentos baixos, o pedreiro, que sabe que a mão de obra está valorizada, prefere pegar grandes serviços, que paguem mais”, explica.

Complementam essa mudança a proliferação de tutoriais na internet e a adaptação de grandes lojas de materiais de construção. “Elas passaram a oferecer espaços, kits e até cursos de bricolagem, e serviços como cortar a madeira no tamanho que o cliente necessita, por exemplo”, diz Leite. “É algo que movimenta o mercado e as pessoas consomem mais.”

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Leite, entretanto, prega “bom senso” no momento de decidir que obras fazer por conta e quais com contratação de serviço profissional. “Aí mora o perigo, eletricidade e outras coisas demandam mais conhecimento técnico. Pequenas coisas, como montar um móvel menor, tudo bem, mas serviços mais complexos exigem cuidado e apoio de gente que conheça”, aconselha.

Larissa Furtado Chionpato, engenheira de segurança do trabalho do grupo paranaense A.Yoshii, destaca que a metragem de uma obra a partir da qual é obrigatório o acompanhamento de profissional especializado é determinada pelos conselhos de classe. Mas, em todo caso, o monitoramento por quem possua conhecimento técnico é recomendado desde obras menores.

“Instalações elétricas inadequadas podem causar acidentes e até mortes. Para quem não é da área, como ficam escondidas, as pessoas não imaginam quão perigoso pode ser”, diz Larissa, que cita a necessidade do mesmo cuidado para a parte hidráulica e demais itens do projeto. “Toda obra tem que ter profissional responsável, com projeto contemplando todos os itens para a segurança da edificação.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.