Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Luiz Baltar/Flickr
Foto: Luiz Baltar/Flickr| Foto:

Pensar a estrutura de uma grande metrópole brasileira e propor soluções para um dos maiores desafios do planejamento urbano na atualidade: a integração das chamadas “áreas precárias” à cidade. Esta é a proposta do Concurso Internacional de Ideias que convida estudantes de Arquitetura a enviarem projetos de recuperação de uma área adjacente ao Complexo da Maré, na cidade do Rio de Janeiro.

A competição é capitaneada pela União Internacional dos Arquitetos (UIA) e pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), com a colaboração do Observatório de Favelas. Estudantes de Arquitetura podem se inscrever até 30 de março e enviar, até o dia 30 de abril, propostas de projetos que podem ser assinadas por um ou mais alunos, com orientação de um professor ou tutor.

O objetivo é incentivar jovens talentos a pensar soluções inovadoras de intervenções arquitetônicas e de design urbano para integrar a Maré à cidade, de forma a contribuir para alcançar um dos objetivos da ONU (Organização das Nações Unidas) para o desenvolvimento sustentável – o nº 11, para tornar as cidades mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis.

De acordo com Fabiana Izaga, secretária geral do Comitê Executivo do Congresso, responsável por atividades para estudantes no UIA2020RIO (Congresso Internacional dos Arquitetos, que neste ano terá sede no Rio de Janeiro), o concurso contempla o eixo da Avenida Brasil, via estruturante para acesso à cidade do Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação/UIA
Foto: Divulgação/UIA

“Toda essa área hoje está, de certa forma, disponível para uma requalificação, que envolve várias problemáticas. E de alguma forma ela retrata uma questão das grandes cidades brasileiras, a da desigualdade social, de uma área muito carregada de ônibus que dá acesso ao centro principal e que reúne características que achamos interessantes para discussão dos estudantes”, explica Fabiana.

O Complexo da Maré engloba atualmente 16 favelas e tem entre 100 mil habitantes, de acordo com o mais recente censo do IBGE, mas um censo interno realizada pelas associações ligadas ao Observatório de Favelas aponta que população já tenha passado dos 140 mil. Toda a complexidade da região torna o espaço especialmente interessante e desafiador para projetos de urbanismo.

Vista noturna de uma das favelas do Complexo da Maré. Foto: Luiz Baltar/Flickr
Vista noturna de uma das favelas do Complexo da Maré. Foto: Luiz Baltar/Flickr

“A Maré é uma favela importante e reflete uma característica urbana da cidade do Rio de Janeiro, onde as favelas estão em toda a parte, não estão em anéis periféricos. Essa particularidade é um desafio para os estudantes, é como se a gente tivesse essa questão das áreas informais sob uma lente de aumento”, sugere Fabiana.

A Maré tem uma longa história de luta urbana por direitos, com a organização da sociedade civil. A potência cultural da Maré, sua localização, sua proximidade com o centro, o fato de estar cortada por três das principais vias da cidade, são outros motivos que levariam a pensar a Maré como um lugar interessante para o concurso”, justifica Lino Teixeira, coordenador de políticas urbanas do Observatório de Favelas.

Foto: Andrea Cangialosi/ Flickr
Foto: Andrea Cangialosi/ Flickr

Por se tratar de um concurso voltado para alunos dos cursos de arquitetura e urbanismo, os projetos vencedores não serão colocados em prática, mas podem inspirar e incentivar mudanças na região, de acordo com ele. “O objetivo é promover essa confluência de ideias para a Maré e seu entorno, trazer para o centro do debate da cidade, para dentro da academia, dos estudantes. Só de se ter a favela como recorte para um concurso de arquitetura para estudantes já é um fato muito potente”, acredita o coordenador.

Outro ponto destacado por ele, neste sentido, é a possibilidade de gerar novas formas de olhar para os complexos como o da Maré. “Historicamente, a favela é representada muito pelo estigma do que falta, da carência e da violência. Queremos evidenciar as potências que a favela tem. O concurso consegue trazer um ponto muito interessante que é o de pensar a cidade a partir da favela”, comenta.

Foto: Andrea Cangialosi/ Flickr
Foto: Andrea Cangialosi/ Flickr

Sobre o concurso

O Concurso de Ideias é uma atividade tradicionalmente realizada em consonância com o 27º Congresso Internacional dos Arquitetos, promovido a cada três anos pela UIA. Neste ano, o evento tem como cidade-sede a capital do Rio de Janeiro, e acontece entre 19 e 23 de julho, com o tema “Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21”.

Serão concedidos três prêmios e três menções honrosas aos vencedores:

1º lugar: 3 mil euros (aprox. R$ 13,9 mil) + relógio Mido

2º lugar: 2 mil euros (aprox. R$ 9,2 mil) + relógio Mido

3º lugar: 1 mil euros (aprox. R$ 4,6 mil) + relógio Mido

Menção honrosa Demetre Anastassakis: certificado + relógio Mido

Menção honrosa Roberto Burle Marx: certificado + relógio Mido

Menção honrosa Luiz Paulo Conde: certificado + relógio Mido

O cronograma de inscrições e mais informações sobre o Concurso de Ideias estão disponíveis no site do UIA2020RIO. 

*Especial para HAUS.

LEIA TAMBÉM

Congresso mundial de cidades inteligentes tem Curitiba entre as mais inovadoras do mundo

Instituto global elege BRT de Curitiba um dos projetos mais influentes de todo o mundo

Estudante brasileira ganha prêmio de design com mobiliário urbano para evitar suicídio

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]