Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto: Guilherme Pupo/Divulgação Espaço Cultural BRDE
Foto: Guilherme Pupo/Divulgação Espaço Cultural BRDE| Foto:

Um imóvel cuja história é tão majestosa quanto os leões que há mais de um século vigiam e ornamentam sua estrutura. Paredes, pisos e revestimentos que testemunharam o crescimento de uma família, de um negócio e de uma cidade.

Por entre as centenárias cortinas do Palacete Leão Jr., é possível entrever a versatilidade e a multiplicidade das obras dos artistas que agora apresentam seu trabalho no local, refletindo em sua variedade o ecletismo que ostenta a arquitetura do prédio.

No dia 21 de junho de 2020, esta edificação inaugurada no início do século passado celebra 15 anos desde que assumiu definitivamente a sua vocação para a arte e a cultura e passou a ser chamada de Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.

Tombado como Patrimônio Histórico e Cultural em 2003, o imóvel que contém o Palacete Leão Jr. foi adquirido pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, o BRDE, em 2004. No ano seguinte, a instituição inaugurou o Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões, mantido e coordenado pelo próprio BRDE, passando a ofertar uma programação gratuita de exposições e atividades relacionadas a arte contemporânea, arquitetura, história e patrimônio cultural.

Foto: Guilherme Pupo/Divulgação BRDE
Foto: Guilherme Pupo/Divulgação BRDE| Guilherme Pupo

Entre as dezenas de artistas que já levaram suas obras para dialogar com o espaço histórico do Palacete dos Leões estiveram nomes como Eliane Prolik, Jair e André Mendes, Paolo Ridolfi, Carmen Fortes, Andre Nacli, Emerson Persona, Francis Rodrigues, Dulce Osinski, Andréia Las, entre tantos outros.

Sua programação já contemplou mostras em parceria com instituições culturais como o Goethe-Institut (Stefan Moses, 2007) e a Bienal Internacional de Curitiba (Anthony McCall, 2015 e Pangrafias, 2019).

Exposição ARR, de Eliane Prolik e Anna Mariah Comodos: obras expostas em 2015 no espaço dialogam com a edificação. Foto: Marcelo Almeida/ Divulgação Espaço Cultural BRDE
Exposição ARR, de Eliane Prolik e Anna Mariah Comodos: obras expostas em 2015 no espaço dialogam com a edificação. Foto: Marcelo Almeida/ Divulgação Espaço Cultural BRDE

O espaço também dialoga cada vez mais com o Museu Paranaense, já que um dos idealizadores do museu é o desembargador Agostinho Ermelino de Leão, pai do ervateiro que construiu o palacete, Leão Jr.

Neste projeto especial sobre história, contexto regional, arquitetura e patrimônio envolvendo o Palacete dos Leões e seu entorno, o BRDE convida os leitores a conhecerem o Paraná e a Curitiba do ciclo econômico da erva-mate, contexto no qual nasce o edifício.

Retrato histórico do Palacete dos Leões. Foto: Divulgação/Fundação Cultural de Curitiba
Retrato histórico do Palacete dos Leões. Foto: Divulgação/Fundação Cultural de Curitiba

Publicadas em Haus, as matérias resgatam as grandes conquistas e impactos da erva-mate sobre o desenvolvimento do estado em diferentes esferas, da econômica à cultural, e de como, das folhas da planta, brotou todo um bairro – o Alto da Glória. O leitor vai conhecer em detalhes a história da edificação e das diferentes fases de residência do Palacete dos Leões, os elementos da elogiada arquitetura eclética do seu exterior e interior, bem como as curiosidades e relatos históricos acerca do seu processo de tombamento e restauro.

Afinal de contas, o que é um patrimônio histórico e porque ele é importante? Como dialoga com a cultura e a educação? Professores, historiadores e arquitetos ajudam a elaborar a resposta a essa pergunta que move as atividades de tantos elementos e bens tombados.

Com esta série de reportagens sobre a erva-mate e o Palacete Leão Jr., o BRDE e a Gazeta do Povo homenageiam esta imponente edificação que, até hoje, adorna a Avenida João Gualberto, lembrando a todos que, ao valorizar a cultura, tecemos um futuro melhor.

Boa leitura!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]