Feito em marcenaria e em tons neutros, o projeto da Kids Arquitetura prevê a substituição do berço
e da poltrona por uma cama e a transformação do trocador em escrivaninha. Foto: Patrícia Amâncio
Feito em marcenaria e em tons neutros, o projeto da Kids Arquitetura prevê a substituição do berço e da poltrona por uma cama e a transformação do trocador em escrivaninha. Foto: Patrícia Amâncio| Foto: Patricia Amancio

Acolher um bebê que chega à família também passa por montar o quarto que ele vai ocupar na casa, criando um ambiente confortável e prático – para ele e, num primeiro momento, também para os pais. Antes de arregaçar as mangas e colocar as mãos à obra, porém, é interessante refletir sobre a expectativa relacionada ao uso do quarto, à flexibilidade do projeto e o investimento a ser feito.

Siga a HAUS no Instagram!

De acordo com a arquiteta e sócia da Kids Arquitetura, Keyla Kinder, considerando esses fatores, são dois os perfis de pais: aqueles que optam por focar em móveis “soltos” e os que preferem desenvolver um projeto de marcenaria. “Às vezes a família já tem um móvel no cômodo que eles querem aproveitar ou sabem que o quarto ou a casa não vão ser definitivos na vida da criança”, diz ela sobre o primeiro caso.

Com móveis soltos e tema safári, o
projeto da arquiteta Larissa Lóh destaca
os objetos de decoração e o papel de
parede, criado pela própria arquiteta. Foto: João Juchem
Com móveis soltos e tema safári, o projeto da arquiteta Larissa Lóh destaca os objetos de decoração e o papel de parede, criado pela própria arquiteta. Foto: João Juchem

Com essa escolha, além da flexibilidade para mudar os móveis ou levá-los para outro cômodo ou casa, as vantagens são o investimento menor – pelo menos no momento em que o quarto é montado, já que mais tarde outro deverá ser feito para substituir os móveis de bebê – e uma facilidade maior para reaproveitar os móveis no quarto de futuros filhos.

No segundo perfil, entram principalmente os pais que querem criar um ambiente onde a criança possa crescer sem que haja necessidade de muitas mudanças. “Um quarto feito com marcenaria sob medida pode durar tranquilamente até a adolescência da criança”, diz Keyla. Trabalhando principalmente com projetos que envolvem marcenaria, a arquiteta Larissa Lóh explica: “Quando vamos pensar no armário ou roupeiro, pensamos para uma criança mais velha. Também já deixo previsto os pontos elétricos, os interruptores, para quando for ter uma cama e uma escrivaninha.”

Mesmo quando a opção é essa, móveis como berço, cômoda e poltrona de amamentação podem ser comprados separadamente, ao invés de feitos sob medida. Nesses casos, costuma-se usar berços que se transformam em minicamas, podendo acompanhar a criança por alguns anos. Ou, então, prever no projeto onde ficará a cama – que virá para substituir o berço – além da poltrona e até da cômoda.

Inspirado no estilo
clássico francês, o
projeto da arquiteta
Larissa Lóh tem como
destaque o mobiliário
feito artesanalmente
em madeira natural. Foto: Daniel Katz
Inspirado no estilo clássico francês, o projeto da arquiteta Larissa Lóh tem como destaque o mobiliário feito artesanalmente em madeira natural. Foto: Daniel Katz| Bruno Larsson

Entre os pontos positivos, além de ter uma “validade” maior, o quarto em marcenaria ajuda a contribuir para a organização do ambiente, já que espaços específicos são criados para a criança brincar ou para armazenar brinquedos e objetos. Assim, é mais fácil mantê-lo organizado no dia a dia.

Para garantir o aconchego

Depois de escolher um tipo de projeto, é preciso definir o estilo do quarto. Ele poderá ser clássico ou moderno, ter temas ou não. E deve ser organizado para garantir o conforto e a praticidade, o que depende da disposição das peças de mobiliário, dos próprios móveis, da iluminação e de detalhes que podem fazer a diferença na rotina dos pais.

Principal móvel do cômodo, o berço deve, além de proporcionar conforto e segurança para a criança, ser posicionado longe de janelas para evitar que o bebê esteja exposto a muita luz ou a correntes de ar. Além disso, é preciso considerar a segurança quando a criança começar a se levantar sozinha.

Poltrona de amamentação é uma das peças centrais dos quartos de bebê. Foto: Patrícia Amâncio
Poltrona de amamentação é uma das peças centrais dos quartos de bebê. Foto: Patrícia Amâncio| Patricia Amancio

Já a poltrona de amamentação pode ser colocada próxima à janela. “Gostamos disso pela iluminação natural”, explica Keyla. A poltrona, aliás, é outro item de extrema importância no quarto e deve ser priorizada. “Uma poltrona confortável é muito importante, porque passa-se muito tempo nela nos primeiros meses”, diz Larissa. Para deixar esse canto do quarto ainda mais aconchegante, recomenda-se que o móvel seja acompanhado de uma mesa lateral para apoio e uma luminária para ser usada à noite.

Para guardar as roupas, os pais podem escolher entre uma cômoda ou um armário - ou os dois. “Entre ter só um armário ou só uma cômoda, indicamos a cômoda, pois além de armazenar as roupas, tem o espaço do trocador”, afirma Keyla. Nesse caso, também é interessante que o item fique longe de janelas e é importante que tenha uma altura adequada para evitar o desgaste de quem troca acriança. Outra dica é posicionar ganchos, nichos ou prateleiras próximo ao móvel, para ter ao alcance das mãos os objetos necessários para trocar o bebê.

No projeto da Kids
Arquitetura, o berço
(que era do irmão) aliado a boiseries, arandelas, dossel e lustre de cristal dão o tom clássico do ambiente. Foto: Patrícia Amancio
No projeto da Kids Arquitetura, o berço (que era do irmão) aliado a boiseries, arandelas, dossel e lustre de cristal dão o tom clássico do ambiente. Foto: Patrícia Amancio| Patricia Amancio

Para além dos cuidados com o mobiliário principal do cômodo, outros itens ainda podem influenciar o conforto e a praticidade do quarto. “A iluminação não pode ofuscar muito, por conta da sensibilidade do bebê, então gostamos de usar luzes dimerizáveis ou indiretas. Um tapete também é sempre gostoso para o quarto ficar mais aconchegante e cortinas contribuem para aquecer o ambiente”, explica Larissa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]