As casas remanescentes da Curitiba dos barões da erva-mate

Palacetes suntuosos do início do século foram inspirados em referências trazidas pelos ervateiros de suas viagens à Europa

Foto: Giuliano Gomes/Gazeta do Povo

por Annalice Del Vecchio

03/11/2015

compartilhe

Palacete dos Leões, Solar do Barão, Palacete Ascânio Miró, Vila Odete. Essas residências, que ainda hoje enchem os olhos dos curitibanos por sua suntuosidade arquitetônica, são remanescentes das propriedades construídas em fins do século 19 e começo do século 20 pelos “barões da erva-mate” – como são chamados os patriarcas das famílias que enriqueceram com comercialização da matéria-prima.

São construções que, conceitualmente, pertencem ao ecletismo, uma tendência vigente nos períodos de grande expansão econômica paranaense proporcionada pela exploração, primeiro, do mate e da madeira e, em seguida, do café. “É um estilo que copia a arquitetura de vários lugares, não tem uma originalidade. Em Curitiba, a influência mais forte do ecletismo foi a francesa, mas também houve a italiana e a alemã”, explica o arquiteto Key Imaguire Jr.

Os exemplares mais impressionantes ainda podem ser vistos em agrupamentos na avenida João Gualberto, no Alto da Glória, e na região do Batel. “Eram famílias que gostavam de se agrupar, que se casavam entre si”, lembra Imaguire. O antigo Bulevar 2 de Julho, hoje Avenida João Gualberto, trajeto usado para levar a erva-mate em lombos de burro e, mais tarde, em carroções até Paranaguá antes da construção da estrada de ferro, ainda abriga, na Vila Odete, o clã de Agostinho Ermelino de Leão Junior. A residência de estilo eclético com influência alemã se diferencia da demais, de características afrancesadas, e está localizada ao lado Palacete dos Leões, antigo engenho de erva-mate da família – hoje local de exposições, construído por volta de 1900 e tombado em 2003.

A maior parte dos ervateiros construiu suas residências e engenhos na região do Batel, primeiro ponto de parada na capital das mulas que chegavam carregadas do interior do estado. A principal rua escolhida foi a Comendador Araújo, trecho do antigo Caminho do Mato Grosso. Manuel e Ascânio Miró viveram ali, em palacete assinado pelo engenheiro e político curitibano Cândido de Abreu – hoje, a casa pintada de azul e branco abriga um banco. Também se alojaram na via Manuel de Macedo, Guilherme Xavier Miranda, David Carneiro e Joaquim José de Lacerda.
O único que construiu sua casa longe do engenho, foi Ildefonso Pereira Correia, o Barão do Serro Azul, preferindo residir à rua Carlos Cavalcanti, no imponente casarão de 1885 que hoje abriga o Centro Cultural Solar do Barão. “Pode-se considerá-lo o mais importante dentre estes palacetes pela própria história do barão e da baronesa (que, após a execução do marido, foi viver em uma casa anexa ao local)”, conta Imaguire.

O arquiteto também cita como exemplos de suntuosidade o Palacete do Batel, construído entre 1912-1914 pelo empresário Maurício Thá para encomenda de Ildefonso Rocha e, ao lado, o Castelo do Batel, inspirado nos castelos franceses do Vale do Loire, construído pelo cafeicultor Luís Guimarães, em 1923. Em 1947, tornou-se residência do ex-governador do Paraná, Moysés Lupion, e hoje é um centro de convenções.

Influência europeia
As ideias para construir os palacetes eram trazidas das viagens que os barões, ou os arquitetos que contratavam, faziam à Europa – incluindo todos móveis e acessórios de decoração. “Os interiores eram muito elaborados, com detalhes como gesso, pinturas italianas”, conta Imaguire. Essa ornamentação rebuscada acabou por se disseminar pela cidade. “A população de classe média copiava elementos desse estilo em suas casas como, por exemplo, as pequenas torres”, lembra o arquiteto.

Os ervateiros, no entanto, não se interessaram em seguir à risca a tradição do paisagismo europeu. “Não havia nada de notável nos jardins dessas casas, com exceção do palacete de Francisco Fasce Fontana, fundador da Mate Real, este sim muito elaborado”, conta Imaguire. Infelizmente, dessa residência nomeada como Mansão das Rosas, construída ao estilo toscano, só restou o portal localizado em frente ao Colégio Estadual do Paraná – ela foi demolida em 1979, destino semelhante ao da maior parte dos palacetes existentes na cidade.

 

Em 1950, o Castelo do Batel abrigou em seu sótão o artista paranaense Miguel Bakun. Em agradecimento ao seu anfitrião, o ex-governador Moysés Lupion, que vivia ali, ele cobriu com pinturas uma área superior a 640 m².

Em 1950, o Castelo do Batel abrigou em seu sótão o artista paranaense Miguel Bakun. Em agradecimento ao seu anfitrião, o ex-governador Moysés Lupion, que vivia ali, ele cobriu com pinturas uma área superior a 640 m². Foto: Giuliano Gomes/Gazeta do Povo.

Em 1906, o Palacete dos Leões abrigou o presidente Affonso Pena, na falta de hotéis de qualidade na cidade à época.

Em 1906, o Palacete dos Leões abrigou o presidente Affonso Pena, na falta de hotéis de qualidade na cidade à época. Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo.

O Solar do Barão, construído em 1885, pertenceu a Ildefonso Corrêa, o Barão do Serro Azul, assassinado durante a Revolução Federalista.

O Solar do Barão, construído em 1885, pertenceu a Ildefonso Corrêa, o Barão do Serro Azul, assassinado durante a Revolução Federalista. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

Torres e outros e lementos comuns aos palacetes dos ervateiros, como o torreão da residência de Ascânio Miró costumavam ser copiados pela população.

Torres e outros e
lementos comuns aos palacetes dos ervateiros, como o torreão da residência de Ascânio Miró costumavam ser copiados pela população. Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo.

8 recomendações para você