i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Bauhaus: conheça a escola que revolucionou a história do design

  • PorLuan Galani
  • 28/10/2015 19:00
Bauhaus: conheça a escola que revolucionou a história do design
| Foto:

Diz-se por aí que as crises são momentos férteis para criar e fazer diferente. Com a Bauhaus foi assim. Mais do que um movimento ou uma linha de pensamento, a alemã Staatliches Bauhaus (Casa Estatal da Construção, em tradução livre) nasceu em 1919 como um instituto de design, artes plásticas e arquitetura. Logo depois da Europa, e especialmente a Alemanha, ter “tropeçado na cristaleira”.

Após a Primeira Guerra Mundial, o país se encontrava em um cenário caótico: diversas cidades destruídas pelo conflito, inflação estratosférica, restrições de guerra à indústria e uma república recém-instalada de maneira não muito tranquila. “Diante dessa situação, tudo precisava ser reconstruído. O “quintal” precisava ser arrumado. E a pergunta que os fundadores da Bauhaus lançaram foi: o que queremos a partir de agora?”, esclarece o designer e artista alemão Henning Kunow, com o olhar de quem se formou pela Universidade Anhalt de Ciências Aplicadas em parceria com a Fundação Bauhaus Dessau.

O objetivo da escola era dos mais radicais: romper completamente com o passado e reimaginar o mundo a partir de uma nova expressão. “Formaremos uma escola sem separação de gêneros que criam barreiras entre o artesão e o artista. Conceberemos uma arquitetura nova, a arquitetura do futuro, em que a pintura, a escultura e a arquitetura formarão um só conjunto”, como consta no primeiro manifesto do movimento, escrito por Walter Gropius.

E aí reside a jogada de mestre. Gropius, berlinense de uma família de arquitetos, juntou a Escola de Artes e Ofícios com a Academia de Belas Artes e reuniu na cidade Weimar, centro-leste da Alemanha, os maiores nomes de diversas áreas para, juntos, fazerem esse experimento da unificação. Vieram marceneiros, vidraceiros, tapeceiros, fotógrafos, coreógrafos, pintores, ceramistas e arquitetos. Destaque para os pintores suíços Johannes Itten e Paul Klee, o pintor russo Wassily Kandinsky e o arquiteto alemão Ludwig Mies van der Rohe.

“O aluno entrava para o curso básico e passava por todas as oficinas. Aprendia a trabalhar com todo tipo de material, como ferro, vidro e madeira, por exemplo, e depois partia para uma especialidade. Daí surgiu a irreverência e a busca por soluções inovadoras”, explica o arquiteto, designer e artista plástico Ivens Fontoura, que leciona na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Campo de experiências
O fato de tudo ter acotencido em Weimar, cidade natal de Goethe e Schiller, quase uma meca do classicismo e do romantismo alemão, tornam a ousadia ainda maior. As pessoas torciam o nariz para tudo que Bauhaus produzia. “No lugar das clássicas poltronas robustas de couro ou veludo, com a qual todos estavam acostumados, o movimento trouxe peças superleves de estrutura tubular metálica, sem qualquer ornamento”, exemplifica Kunow. “Era a estética adaptada para a era da industrialização: pensada com o intuito de produzir em larga escala o bom design, para sua democratização.”

Nas artes não foi diferente. O coreógrafo e escultor alemão Oskar Schlemmer fez uma revolução em cima dos palcos, considerada complexa e desafiadora até para os associados ao movimento. Sua obra mais famosa é o Balé Triádico, o primeiro balé abstrato da história da dança, em que os atores assumiam formas geométricas, como esculturas vivas, e percorriam linhas imaginárias do palco em determinados ritmos.

Até ser fechada pelos nazistas em 1933, a escola se mudou duas vezes, passando também por Dessau e Berlim. Sempre chamando atenção por suas criações em exposições e capas de revistas. Foram apenas 14 anos de vida. Mas a efervescência criativa ainda não encontrou paralelo e influenciou o mundo porque seus criadores levavam o espírito Bauhaus para onde quer que fossem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.