i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

“Cemitérios” de azulejos guardam preciosidades

  • PorEloá Cruz
  • 22/09/2015 19:00
Composição de azulejos de várias épocas. 
Foto: Antonio More / Gazeta do Povo.
Composição de azulejos de várias épocas. Foto: Antonio More / Gazeta do Povo. | Foto: Gazeta do Povo

Oscar Niemeyer foi muito inteligente ao revestir suas obras com azulejos: Igreja da Pampulha, Casa do Baile, Palácio do Planalto em Brasília. Ele provavelmente sabia que a peça tinha a capacidade de se eternizar. Quem ousaria trocar a cor ou o desenho do azulejo só para acompanhar a tendência do design? Enquanto que a tinta e o papel de parede são simples de mudar, o azulejo demanda tempo, mais investimento e mão de obra especializada. E até que você esteja realmente disposto a encarar uma reforma de troca de revestimento, pode ser que o desenho e o estilo do azulejo voltem a conquistar seu olhar.

Quase como no mundo da moda, algumas características do design vem e voltam. Os arabescos e rococós da azulejaria portuguesa, que durante os anos 80 foi esquecida pela alta de peças florais e beges, voltaram a estampar as paredes. E não só de traços azuis são feitos os antigos azulejos. Os diferentes desenhos do revestimento podem contar todo o trajeto arquitetônico das construções.
A reportagem da Haus fez um garimpo em três “cemitérios” de azulejos onde as peças fora de linha podem ser encontradas. Para a tarefa, o professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Orlando Pinto Ribeiro, auxiliou destacando os exemplares mais emblemáticos.

Composição de azulejos antigos e recentes.
Composição de azulejos antigos e recentes.
Azulejos estampam os diferentes estilos da arquitetura, dos anos 60  à década de 90 e atualidade.
Azulejos estampam os diferentes estilos da arquitetura, dos anos 60 à década de 90 e atualidade.

Desenhos e traçados
A quantidade de formas e estampas podem ilustrar um estilo por trás do azulejo. Na arquitetura eclética, escola anterior ao modernismo, o uso de azulejaria portuguesa era comum. “Peças mais lisas, sem desenho rebuscado, aparecem em projetos modernos”, esclarece o docente. Os traçados e figuras geométricas, amplamente utilizados nas décadas de 60 e 70, resgatam o estilo da escola vanguardista de Bauhaus.

Nas duas décadas seguintes, os florais tiveram destaque, principalmente nos revestimentos de banheiro. “Com a fabricação das peças em escala industrial, foi possível manter o padrão de desenhos mais complexos. Anteriormente, as estampas eram feitas à mão por artistas e nem sempre era possível manter a uniformidade”, explica.

Quando um painel com azulejo português era feito, o conjunto todo criava uma ilusão de ótica que dificultava a visualização entre os traços de uma peça para outra. Com a mecanização de desenhos mais detalhados, como arranjos florais e natureza morta, o padrão era mais fácil de ser alcançado. “Os azulejos florais na década de 80 e 90 eram colocados na parede numa composição com peças lisas”, esclarece o acadêmico. Como eram pontuais, os revestimentos com desenho destacavam-se.

O raro nem sempre é antigo
Engana-se quem acredita que as peças mais antigas, que entre os locais visitados datam da década de 60 e 70, são as mais raras. “Anos atrás, as empresas de revestimentos lançavam uma linha de azulejos a cada oito anos. Hoje, em menos de oito meses cada fábrica coloca no mercado uma linha diferente”, conta Humberto José Menolli, proprietário da Casa dos Azulejos. Há mais de 30 anos no setor, ele sabe que as peças mais raras estão entre as linhas recentes. E quem procura peças fora de fabricação está preocupado em manter a originalidade do revestimento. Uma pequena reforma ou um reparo no sistema hidráulico são os motivos mais frequentes que levam pessoas a se embrenhar pelas prateleiras dos cemitérios dos azulejos.

Serviço
Cemitério dos Azulejos, Rua Chile, 1.866, fone (41) 3332-1248.

Casa dos Azulejos, Avenida Presidente Arthur Bernardes, 1.623, fone (41) 3079-8771.

Quebra Galho, Avenida Visconde de Guarapuava, 1.946, fone (41) 3363-3728.

Museu do Azulejo, Rua São Pedro, 489, fone (41) 3352-2177.
Detalhe do desenho de azulejo com motivo religioso.
Detalhe do desenho de azulejo com motivo religioso.
Desenho de capim limão, planta aromática muito desenhada na azulejaria de banheiro.
Desenho de capim limão, planta aromática muito desenhada na azulejaria de banheiro.
Formas geométricas em  azulejo fabricado pela Família Matarazzo em 1945.
Formas geométricas em azulejo fabricado pela Família Matarazzo em 1945.
Peça fabricada pela Kablin nos anos 60.
Peça fabricada pela Kablin nos anos 60.
Peça de azulejo de 1975 com estampa que remete ao estilo português.
Peça de azulejo de 1975 com estampa que remete ao estilo português.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.