China presenteia Curitiba com escultura semelhante a obra desprezada por sua praça mais famosa

Estátua de Confúcio no Centro Cívico é bem similar à outra escultura do mesmo artista chinês que foi retirada da Praça Celestial da Paz em 2011

Semelhança entre a estátua que está em Curitiba e a que sumiu em 2011 na China levantou dúvida se elas não seriam a mesma. Fotos: Daniel Castellano/Prefeitura de Curitiba e Denver Post/Reprodução

por Luan Galani

28/09/2017

compartilhe

A escultura de Confúcio que Curitiba acaba de ganhar do governo chinês para o Largo da China no Centro Cívico mal chegou e já está despertando algumas questões polêmicas.

O jornalista e doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) Rodrigo Wolff Apolloni destacou nas suas redes sociais a semelhança entre a estátua curitibana e uma outra escultura de Confúcio, instalada em 2011 na Praça Celestial da Paz, que sumiu do dia para a noite sem maiores explicações das autoridades chinesas. Estaria ela agora em terras paranaenses?

confucio-curitiba-rodrigo-postagem-redes-sociais

Crédito: Facebook/Reprodução

A escultura que desapareceu também era assinada pelo mesmo artista chinês, Wu Weishan, que, de acordo com o The New York Times, não quis comentar o ocorrido na época. A mesma matéria em 2011 afirmou que talvez a estátua tivesse sido transferida para alguma área interna do Museu Nacional de Arte da China. Porém, Tian Shanting, porta-voz do museu naquele ano, confidenciou à reportagem norte-americana que não tinha ideia do que tinha acontecido.

20110423__20110424_A02_ND24DTCONFUCIUSp1

Escultura de Confúcio em 2011 na Praça Celestial da Paz. Foto: Denver Post/Reprodução

Mas as estátuas são diferentes. A que está em Curitiba foi criada em 2014, bem depois do ocorrido de 2011, e tem 2,96 metros de altura, contra mais de 9 metros da escultura que sumiu da praça chinesa. Em um olhar mais atento, a obra que foi doada à capital paranaense tem linhas mais circulares, e barbas, cabelos e mãos totalmente diferentes da estátua de 2011, que prima por uma forma mais geométrica.

confucio-curitiba-2

“Não quero insinuar que a estátua que sumiu na China está agora em Curitiba”, explica Apolloni. “Como elas são bem parecidas, quero chamar atenção para o fato de que, para o governo chinês, a estátua não foi boa o bastante para ficar na Praça Celestial da Paz, mas serve para ser enviada para outros países.”

“O que só mostra que a própria figura do Confúcio ainda não é totalmente aceita pelo Partido Comunista”, complementa o jornalista.

Imagem da estátua entregue para Curitiba pelo governo chinês. Foto: Livro da Bienal de Curitiba/Reprodução

Imagem da estátua entregue para Curitiba pelo governo chinês. Foto: Livro da Bienal de Curitiba/Reprodução

Em entrevista exclusiva à HAUS, o responsável pela seção cultural da Embaixada da China no Brasil, Li Zexuan, explica que o artista e atual diretor do Museu Nacional de Arte da China,  Wu Weishan, é conhecido por suas diversas esculturas de Confúcio, que estão espalhadas pelo mundo. “Ele tem até uma outra escultura [do filósofo chinês] na sede da Organização das Nações Unidas (ONU)”, conta o diplomata.

Li destaca, porém, que elas são diferentes entre si e que não tem como falar do sumiço da escultura de 2011 porque na época estava em serviço diplomático em Lisboa, Portugal.

LEIA TAMBÉM


Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você