Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Série foi criticada pela esquerda brasileira e causou uma onda de cancelamentos do serviço de streaming | Pedro SaadNetflix/Divulgação
Série foi criticada pela esquerda brasileira e causou uma onda de cancelamentos do serviço de streaming| Foto: Pedro SaadNetflix/Divulgação

A série brasileira “O Mecanismo”, produzida pela Netflix, está a caminho de se tornar uma das mais assistidas entre as tramas originais da companhia de streaming no Brasil, segundo a Netflix divulgou em seu relatório de resultados do primeiro trimestre do ano. 

“Vagamente inspirado em eventos reais e do criador de Narcos, José Padilha, este drama está seguindo para ser um dos nossos originais mais vistos no Brasil”, informa o documento que salienta a série como uma das mais bem sucedidas produções internacionais do período, junto com “La Casa de Papel”, que se tornou a mais assistida entre as séries que não foram gravadas em inglês.

Classificada como “fake news” pela ex-presidente Dilma Rousseff, a obra estrelada por Selton Mello foi amplamente criticada pelos movimentos de esquerda, que até mesmo tentaram boicotar a série e a própria Netflix. Uma das maiores controvérsias apontadas na época de seu lançamento foi a cena em que personagem Higino (inspirado no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva) fala em “estancar a sangria” em conversa com seu advogado, algo que, na realidade foi dito pelo deputado Romero Jucá (PMDB).

Padilha respondeu às acusações de que estava fazendo campanha política: “É uma obra de ficção livremente inspirada em fatos reais”.

A controvérsia, no entanto, levou alguns usuários a cancelarem a assinatura da Netflix. Mas parece que o boicote não teve efeito algum. Além de “O Mecanismo” figurar entre as mais assistidos no Brasil, a empresa continua registrando crescimento no número de assinantes que pagam pelo serviço, “no ritmo mais rápido da história do nosso serviço de Streaming”. Fora dos EUA, a empresa registrou crescimento de 5,46 milhões de membros no primeiro trimestre deste ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]