Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Cena de It’s a Wonderful Life (A Felicidade Não se Compra, em português), um dos maiores sucessos de Capra.
Cena de It’s a Wonderful Life (A Felicidade Não se Compra, em português), um dos maiores sucessos de Capra.| Foto: Divulgação

Neste Natal, além de colocar presentes embaixo de uma árvore reluzente, por que não presentear sua família com sua presença diante de uma tela? Não, não para assistir a um filme de ação, exagerar nas horas gastas com Netflix ou simplesmente passar o tempo. Assista e discuta com sua família um clássico filme de Hollywood feito para entreter e edificar pais e filhos, mas que não foge da luta, sofrimento e dor.

Já que vivemos em tempos conturbados e confusos, escolha filmes que dialoguem com nosso momento histórico por meio da maturidade, sabedoria e clareza que frequentemente faltam à Hollywood moderna. Felizmente, a idade de ouro do cinema - dos anos 1930 e 1940 - produziu centenas de filmes assim. Entre eles, muitos dos melhores foram dirigidos por um imigrante siciliano que entendia a plenitude do sonho americano - com todas as suas alegrias e tristezas, sucessos e fracassos - melhor do que qualquer político: Frank Capra.

Para o Natal 2021, sugiro uma maratona de filme de Capra para toda a família. Os filmes vão emocionar, orientar e ensinar. Se você quer entender melhor e quer que seus filhos saibam como se pode discernir seu propósito e chamado num mundo egocêntrico, como ser um patriota num mundo corrupto e ser um homem ou mulher num mundo sem gênero, então você não precisa assistir a essas três obras-primas de Capra.

A Felicidade Não Se Compra (1946)

O melhor é começar com o melhor filme de Capra, que também é o melhor filme de Natal já feito e um dos dez ou quinze melhores filmes de todos os tempos. Ele trata de um jovem brilhante, honesto e trabalhador, chamado George Bailey, que sonha em deixar sua pequena cidade de Bedford Falls, viajando pelo mundo, construindo pontes, aeródromos e arranha-céus. Mas ele nunca faz essas coisas porque seu pai morre, ele assume a empresa da família e se casa com a vizinha.

Na década seguinte, Bailey enfrenta uma cruzada de um homem só contra Potter, um banqueiro cruel e ranzinza que força os moradores locais a pagarem aluguéis exorbitantes para viverem vidas de desespero silencioso em seus cortiços. Apenas a empresa de Bailey fornece os meios para os trabalhadores de Bedford pagarem uma casa própria. Então a primeira noite de Natal após o final da Segunda Guerra Mundial chega e os ataques começam.

Oito mil dólares destinados à companhia de Bailey acabam acidentalmente nas garras de Potter, fazendo com que ele caia diante do banqueiro. A partir daí, os acontecimentos rapidamente se tornam uma espiral fora de controle, dirigindo nosso herói inocente para o desespero suicida. Apenas a intervenção de um anjo da guarda chamado Clarence impede George de tirar sua própria vida. Mas não é suficiente! A fim de restaurar a fé e a esperança de George e evitar uma segunda tentativa de suicídio, Clarence é forçado a tomar medidas drásticas.

Para provar a George o valor de sua vida, Clarence permite que ele veja o que o mundo teria sido caso ele nunca tivesse nascido. Sem a atuação da empresa Building and Loan, Bedford Falls se transforma numa criação sombria de Potter, num mundo sem esperança, com almas esmagadas por barras esfumaçadas, salões de dança, lojas de penhores e prostituição. Quanto à família de George, sem ele a mãe se transforma numa velha mulher amarga, a esposa numa solteirona, o tio num presidiário e seu irmão, a quem George havia salvado de se afogar quando era menino, num cadáver.

George aprende que uma vida toca muitas outras vidas. Longe de ser um fracasso, sua vida era o que unia sua família, seu negócio e sua comunidade. No final, George abraça a vida e o povo de Bedford Falls se reúne ao redor dele, doando dinheiro para recuperar a empresa que os ajudou a alcançar seus sonhos simples de liberdade, independência e dignidade.

Espero que você discuta com sua família o que "A Felicidade Não Se Compra" nos ensina sobre o valor da vida, do trabalho e da comunidade. No entanto, neste Natal, pediria que você se concentrasse em algo mais, algo que nossa sociedade, especialmente os jovens, precisam desesperadamente ouvir.

Quando George Bailey consegue ver o que o mundo seria se ele nunca tivesse nascido, ele se torna, por um momento, o que um número crescente de pessoas em nossa sociedade gostaria de ser: uma pessoa radicalmente autônoma, sem obrigações com as quais se vincular ou expectativas sociais para defini-lo. Ele pode varrer a sujeira de sua cidade para debaixo de seus pés e viver sonhos individualistas que sempre teve.

Mas ele não faz isso. Ele volta para a vida que tinha passado a ver como uma jaula, mas que agora vê como um chamado e uma bênção. Ele nunca teve a chance de construir arranha-céus. Em vez disso, ele forneceu os meios para construir inúmeras casas para pessoas reais vivendo vidas reais. Ele não construiu grandes pontes sobre os rios poderosos. Em vez disso, ele uniu uma cidade inteira, capacitando-os a superar a inundação destrutiva da ganância de Potter.

Não posso pensar numa mensagem mais importante para uma época na qual o comportamento que já foi considerado egoísta, narcisista e autodestrutivo é elogiado como uma expressão de individualidade "saudável". George Bailey não faz aquilo que o agrada, nem afirma sua própria visão estreita de si mesmo e seu papel na sociedade. Ele aceita a responsabilidade que é colocada em seus ombros e se permite ser moldado e definido pelas necessidades dos outros ao seu redor. Em vez de mudar o mundo para atender aos seus próprios desejos egocêntricos, ele se transforma para se adaptar ao verdadeiro chamado que está acima dele.

George Bailey faz mais do que retardar a gratificação. Ele abraça sua essência verdadeira e é encorajado a realizar o trabalho para o qual foi criado.

A Mulher Faz o Homem (1939)

Sete anos antes de dar vida à George Bailey, Jimmy Stewart assumiu o papel de outro jovem inocente, trabalhador e altruísta: Jefferson Smith. Ele se torna um novato senador de seu estado e é enviado para a capital. Transbordando de sonhos idealistas para servir seu país, Smith propõe uma lei para construir um acampamento de meninos que treinará jovens americanos nos valores democráticos de Washington, Jefferson e Lincoln. No entanto, ele dá de cara com negociatas de bastidores, conveniência política e corrupção.

Ocorre que o senador veterano (Paine), que tinha sido amigo do pai de Smith e a quem Smith idolatra como homem de integridade, há muito tempo tem sido conivente com Taylor, um empresário corrupto que possui tudo o que há para possuir no estado de Smith. Quando o acampamento de meninos de Smith ameaça um lucrativo acordo político que Taylor fez com Paine, Smith é subornado para abandonar essa pauta. Quando ele se recusa, a máquina de Taylor o esmaga, acusando-o falsamente da corrupção de que Paine e Taylor são culpados.

Com a ajuda de sua secretária, Clarissa Saunders, cuja casca de cinismo é perfurada pela honestidade e sinceridade de Smith, o jovem político monta uma obstrução no Senado para expor as mentiras. Infelizmente, a teia de enganação de Taylor mostra-se muito densa e forte para Smith se livrar dela. Exausto por sua luta aparentemente infrutífera, Smith desmaia no chão frio e pedregoso do Senado.

É aí que o milagre acontece. O zelo corajoso de Smith e a disposição de dar tudo o que ele tem pela verdade e justiça despertam Paine de seu sono moral e ele confessa publicamente perante o Senado que Smith é inocente, assume a culpa e diz que deveria ser punido.

Uma vez que todo o peso deste filme atemporal e oportuno penetre nas mentes e corações de sua família, você pode começar uma discussão muito necessária sobre patriotismo. "A Mulher Faz o Homem" não é uma obra sentimental de otimismo ingênuo e chauvinismo primitivo. É realista e revela as duas verdades sobre o homem nas quais os Pais Fundadores da democracia americana construíram o sistema político dos Estados Unidos: fomos feitos à imagem de Deus e, portanto, possuímos valor e dignidade inerentes; somos caídos e depravados e, portanto, precisamos de leis e limites.

Por crerem na primeira verdade, eles acreditaram que tínhamos a capacidade e o direito de governar a nós mesmos. Porque criam na segunda – a de que os homens não são anjos - eles acreditavam que freios e contrapesos deviam estar profundamente inscritos na constituição.

O elogio de Capra ao nosso grande experimento de autogoverno é um dos filmes mais patrióticos e pró-EUA já feitos. Ele também oferece uma crítica acirrada da corrupção política no próprio coração de nossa nação. O filme não nos ensina a negar a verdade da depravação do homem (política ou não), mas a enfrentar essa depravação com decência, integridade e vontade de lutar com todos os meios à nossa disposição. A inocência, ele nos ensina, não significa necessariamente fraqueza. Ao contrário, fornece clareza, esperança e força para perseverar.

E ensina mais uma coisa que todo americano que se preocupa com o futuro de nosso país deve ouvir: embora existam muitas ideologias por aí que são totalmente corruptas, há poucos indivíduos que o são. Sim, há um punhado de Taylors por aí, mas a maioria das pessoas que servem em nossa democracia são como Paine e Saunders. Eles podem ter se comprometido, eles podem ter concordado com negociações imorais, mas são resgatáveis. Eles podem ser reconquistados por cidadãos que defenderão a verdade e a justiça e apelarão para o que Lincoln chamou de os melhores anjos de nossa natureza.

Cinismo, polarização e demonização não são as respostas para a corrupção política de nossos dias. Precisamos de Smiths com coragem para obstruir - mas apenas se sua motivação final for construir em vez de destruir, redimir em vez de caluniar, restaurar em vez de destruir.

Aconteceu Naquela Noite (1934)

Capra se tornaria mais famoso por seus filmes com mensagem, mas aquele que o tornou renomado - o primeiro filme a ganhar o Oscar de melhor filme, diretor, ator, atriz e roteiro - foi um filme muito mais leve, uma comédia romântica fora do comum para sua época que estabeleceria as convenções para centenas de filmes por vir.

O filme fala de Ellie, uma herdeira fugitiva que deixa para trás sua vida artificial e constritiva, e Peter, um repórter cínico e infeliz, farto da artificialidade de sua própria carreira. Eles se encontram por acidente em um ônibus e fecham um acordo: Peter ajudará Ellie a encontrar o playboy mal-intencionado com quem ela quer se casar, enquanto Ellie permitirá a Peter a história exclusiva de sua fuga. Embora sejam tão opostos quanto duas pessoas podem ser, eles conseguem se apaixonar.

Não vou contar todas as aventuras maravilhosas que eles enfrentam, mas conforme eles fazem seu caminho pelo coração da América, cada um deles aprende a deixar cair suas máscaras e ser vulneráveis ​​um diante do outro. Ellie descobre que é uma pirralha mimada e protegida, isolada dos sofrimentos reais da depressão na América, enquanto Peter aprende que não está tão no controle quanto gostaria de estar, e que, na verdade, é um sabe-tudo que sabe muito pouco sobre si mesmo e que está desconectado de seus sentimentos, necessidades e desejos.

"Aconteceu Naquela Noite", com todo o seu valor de entretenimento, é um filme que todas as famílias na América deveriam assistir e discutir juntas nesta temporada de férias. Esta geração de jovens foi forçada a crescer em um mundo de confusão desenfreada sobre gênero, onde ninguém parece capaz ou disposto a reconhecer as diferenças entre homens e mulheres, maridos e esposas, pais e mães. A masculinidade e a feminilidade estão sob ataque, como se não fossem nada mais do que construções sócio-político-econômicas.

A comédia romântica de Capra é sobre a antiga batalha dos sexos, mas não da maneira que a frase mal-entendida é usada hoje. A verdadeira batalha dos sexos - como se manifesta, por exemplo, nas comédias de Shakespeare - não é sobre empregos ou salários, poder político ou oportunidades educacionais. Trata-se, antes, das maneiras radicalmente diferentes pelas quais o homem e a mulher se comunicam, priorizam, percebem e interagem consigo mesmos, com o outro sexo e com o mundo.

Com muita energia, ímpeto e humor, "Aconteceu Naquela Noite" estabelece as regras e a dinâmica da sedução e do namoro, mas de forma a promover um real entendimento entre os sexos. Enquanto filmes e programas de televisão modernos oferecem nenhuma ou falsas visões sobre a natureza complementar da masculinidade e feminilidade, Capra evoca para nossa diversão e instrução uma jornada dupla de iluminação que simultaneamente ensina seu herói e heroína a singularidade de suas naturezas masculina e feminina e a maior força e integridade que eles podem alcançar quando se unem juntos como uma só carne.

Essas ideias luminosas trazem reconciliação para os amantes e seus respectivos sexos. Traz reconciliação também para a sociedade em geral, criando uma ponte sobre o abismo entre ricos e pobres, a classe ociosa e a classe trabalhadora. Nossa época, alimentada por políticos e pessoas da mídia que usam o ódio para exacerbar as diferenças e trazer mais divisões, precisa desesperadamente de tais visões de esclarecimento e reconciliação.

Então diminua as luzes, prepare os lanches e deixe os filmes de Capra iluminarem o caminho para um futuro impulsionado pela gratidão em vez da inveja, integridade em vez de resultados financeiros, a celebração da diferença em vez da aplicação de uma mesmice monótona e antinatural.

*Louis Markos é professor universitário e articulista sênior em The Imaginative Conservative.

© 2021 The Imaginative Conservative. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]