Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A imagem do guerrilheiro assassino Che Guevara foi usada à exaustão como símbolo do socialismo (Imagem: Pixabay)
A imagem do guerrilheiro assassino Che Guevara foi usada à exaustão como símbolo do socialismo (Imagem: Pixabay)| Foto:

A queda do Muro de Berlim, há 30 anos, e a dissolução da União Soviética, em 1992, não deixam dúvidas: o comunismo foi derrotado e não vai dominar o mundo, como se esperava – ou se temia, dependendo do lado em que se estava. Mas existe um setor em que o marxismo venceu, de forma acachapante, uma batalha iniciada décadas antes: é o campo das ideias. Nas universidades, na literatura, na música, no cinema, na televisão, nas artes plásticas, na filosofia... A esquerda é hegemônica e domina todas as formas de pensar e agir.

Essa é, em linhas gerais, a tese dos pensadores que a defendem: existe um grande movimento internacional de esquerda, chamado marxismo cultural, cujo objetivo é redefinir os conceitos mais sólidos da civilização ocidental, como família, patriotismo, artes clássicas e respeito às leis e à tradição. É a esse marxismo cultural que se refere o novo ministro da educação, Abraham Weintraub, que afirmou, em dezembro: “Um pouco da contribuição que podemos dar é como vencer o marxismo cultural nas universidades”.

Origens europeias

Os fundadores deste pensamento de esquerda, dizem seus críticos, são principalmente o filósofo italiano comunista Antonio Gramsci (1891-1937) e os pensadores da Escola de Frankfurt. É o que diz, por exemplo, o filósofo brasileiro Olavo de Carvalho, em artigo publicado pelo jornal O Globo em 2002:

“Gramsci descobriu a ‘revolução cultural’, que reformaria o ‘senso comum’ da humanidade, levando-a a enxergar no martírio dos santos católicos uma sórdida manobra publicitária capitalista, e faria dos intelectuais, em vez dos proletários, a classe revolucionária eleita.”

“Já os homens de Frankfurt, especialmente [Max] Horkheimer, [Theodor] Adorno e [Herbert] Marcuse, tiveram a ideia de misturar Freud e Marx, concluindo que a cultura ocidental era uma doença, que todo mundo educado nela sofria de ‘personalidade autoritária’, que a população ocidental deveria ser reduzida à condição de paciente de hospício e submetida a uma ‘psicoterapia coletiva’.”

Para o doutor em antropologia social Flavio Gordon, autor do livro A Corrupção da Inteligência, o marxismo cultural foi desenvolvido para cobrir um aspecto que a teoria original de Karl Marx não abordava. “O marxismo cultural — também conhecido como marxismo ocidental — é um movimento intelectual surgido nos anos 1920, na Europa ocidental, como um desafio doutrinário ao marxismo soviético”, ele afirma.

Novelas e Psirico

“Os principais nomes do movimento rejeitavam o materialismo histórico determinista do marxismo ortodoxo”, prossegue. “Se o foco do marxismo clássico era a economia e a luta de classes, os marxistas culturais se ocuparam da cultura, da ideologia e da subjetividade, ou seja, daquilo que Marx descrevera como ‘superestrutura’ (para ele determinadas pelas forças materiais, isto é, econômicas)”. Nesse novo cenário, diz Gordon, não é mais o operariado o protagonista, mas sim a classe intelectual.

No Brasil, diz ele, “o marxismo cultural se manifesta sobretudo na indústria cultural, desde que, em meados dos anos 1960, em pleno regime militar, a esquerda não-armada, adepta da estratégia pacífica e gradual de ocupação de espaços, começou a se tornar hegemônica nas artes e na academia”. Incluindo as telenovelas: “Quase toda a indústria cultural de massa no Brasil, incluindo aí, especialmente, a teledramaturgia, foi criada por ex-membros do Partido Comunista do Brail, gente como Dias Gomes, Janete Clair, Oduvaldo Viana Filho, Gianfrancesco Guarnieri, Paulo Pontes, Lauro César Muniz e tantos outros”.

O ataque a todos os conceitos que sustentam a vida e a economia ocidental, diz ele, alcançar toda a cultura popular. “Certa vez, o cantor da banda baiana Psirico definiu o seu hit carnavalesco Lepo Lepo como um ‘grito contra o capitalismo’. Evidentemente, nem ele nem seus fãs precisam conhecer a crítica de Marx ao capitalismo. Basta sentir – e cantar e repetir – que o capitalismo é algo ruim. E é assim, de maneira preferencialmente de maneira inconsciente, que a cultura política de esquerda foi sendo disseminada no país”.

Teoria da conspiração

Os críticos dizem que não existe nenhum movimento internacional de dominação cultural. Eles fazem valer esse ponto de vista em fontes de informação importantes. Por exemplo: até recentemente, a Wikipedia, a biblioteca online e colaborativa mais acessada do mundo, incluía um verbete em inglês sobre marxismo cultural. Até que ele foi deletado e um capítulo curto sobre o assunto foi inserido dentro do verbete sobre Escola de Frankfurt. Ali, o marxismo cultural é apresentado como uma teoria da conspiração. Por enquanto, em português, o verbete sobre marxismo cultural está mantido.

Do ponto de vista dos pensadores que definem e denunciam o marxismo cultural, até mesmo esse tipo de descaso sobre o conceito é previsível — afinal, a ação intelectual da esquerda estaria tão entranhada na cultura que seria difícil identificá-la.

É o que afirma Olavo de Carvalho, em seu artigo:

“Em poucas décadas, o marxismo cultural tornou-se a influência predominante nas universidades, na mídia, no show business e nos meios editoriais do Ocidente. Seus dogmas macabros, vindo sem o rótulo de ‘marxismo’, são imbecilmente aceitos como valores culturais supra-ideológicos pelas classes empresariais e eclesiásticas cuja destruição é o seu único e incontornável objetivo”, ele afirma.

“Dificilmente se encontrará hoje um romance, um filme, uma peça de teatro, um livro didático onde as crenças do marxismo cultural, no mais das vezes não reconhecidas como tais, não estejam presentes com toda a virulência do seu conteúdo calunioso e perverso.”

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]