Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O que falta nos argumentos de autonomia corporal é o reconhecimento de que uma relação moral entre mãe e filho já existe no momento em que uma mulher está considerando um aborto
O que falta nos argumentos de autonomia corporal é o reconhecimento de que uma relação moral entre mãe e filho já existe no momento em que uma mulher está considerando um aborto| Foto: Bigstock

Alguns defensores do aborto percebem a verdade do argumento básico pró-vida – que o nascituro é um ser humano e uma pessoa com valor moral, e que o Estado tem um papel legítimo na proteção da vida de todas as pessoas – então eles agem de forma diferente. Admitindo esses três pontos de argumentação, eles defendem que a proteção estatal da vida inocente não pode ocorrer à custa da autonomia corporal das mulheres. Ou seja, há dois bens – e dois interesses do Estado – em jogo quando se trata de aborto, e o Estado precisa equilibrá-los.

Como resultado, um conjunto significativo de argumentos, frequentemente usados ​​por feministas, é que o aborto é antes de tudo uma questão de autonomia feminina. Esses pensadores dizem que, sem aborto, as mulheres não podem controlar seus corpos e suas escolhas reprodutivas. Mesmo que o nascituro seja um ser humano e uma pessoa moral, isso não lhe dá o direito de invadir o corpo de uma mulher. As mulheres têm autoridade sobre seus próprios corpos e precisam do direito ao aborto para serem livres e iguais. Falamos mais sobre o argumento da igualdade social em nosso novo livro Tearing Us Apart: How Abortion Harms Everything and Solves Nothing . [Abrindo um abismo entre nós: como o aborto estraga tudo e não resolve nada, em tradução livre] Aqui nos concentramos no argumento da autonomia corporal.

O Debate Acadêmico

Este argumento básico da autonomia corporal para o aborto foi totalmente articulado pela primeira vez em 1971 pela filósofa moral Judith Jarvis Thomson. Thomson estipulou, para fins de argumentação, que o nascituro é um ser humano — e mesmo que é uma pessoa humana . Mas ela, no entanto, justificou o aborto como um assassinato não intencional. Sua famosa analogia comparou uma mulher grávida a um indivíduo hipotético que, sem seu consentimento, foi ligado a um famoso violinista que está doente e exige essa conexão para permanecer vivo. Imagine alguém com insuficiência renal ou hepática que precisa ser conectado ao seu corpo para poder contar com seu rim ou fígado por, digamos, nove meses, até que um transplante seja encontrado.

Na analogia de Thomson, assim como seria moralmente aceitável para você escolher se separar do violinista, mesmo que você saiba que ele vai morrer como resultado, também seria aceitável para uma mulher grávida separar-se do feto. Em nenhum dos casos você consentiu em ter o violinista conectado ou a criança existindo no útero. E em nenhum dos casos você está buscando a morte da pessoa. Você não a quer por si mesma, nem por outra coisa que ela trará. A morte não é seu meio nem seu fim, no jargão dos filósofos. Não é pretendida, apenas prevista. Você corta alguém do acesso invasivo ao seu corpo, sabendo que isso resultará em morte. Com esse argumento, Thomson retratou a gravidez como um ato de violência contra a mulher. Assim como o violinista foi secretamente ligado sem o seu conhecimento ou consentimento.

O argumento de Thomson falha espetacularmente, como explicamos mais detalhadamente em nosso livro. Primeiro, o argumento da autonomia corporal para o aborto só poderia decolar se o aborto implicasse em morte não intencional. Mas, diferentemente do caso do violinista, em que a intenção realmente é apenas desprender-se - sendo sua morte um efeito colateral previsto, mas não intencional - no caso do aborto, o resultado pretendido é uma criança morta. A hipótese de Thomson está errada sobre o que as pessoas querem quando procuram o aborto. Um aborto em que a criança sobrevive é um aborto fracassado. Por outro lado, um afastamento do violinista em que o violinista sobrevive seria considerado um sucesso. Ao realizar um aborto, o abortista não procura apenas remover uma criança “invasora” do útero, mas também garantir que a criança não exista mais (É por isso que o movimento pró-aborto se opõe até mesmo à Lei de Proteção aos Sobreviventes do Aborto Nascido Vivo, que protegeria legalmente os recém-nascidos que sobrevivessem a uma tentativa de aborto).

Para ilustrar melhor a diferença, considere as situações em que a morte de um nascituro é prevista, mas não pretendida, como quando uma mulher grávida tem câncer no útero. Ao tratar uma mulher em tal caso, a morte da criança não é um meio para o resultado desejado nem o fim pretendido em si. De fato, a morte da criança em tais situações é quase sempre lamentada. A mãe com o útero com câncer não pretende matar seu filho, mas, sim, remover um órgão canceroso. Assim, também, uma mulher com uma gravidez ectópica – na qual o embrião se implanta e se desenvolve na Trompa de Falópio – não pretende matar seu filho, mas removê-lo de seu desenvolvimento em um lugar inóspito para a continuação da vida tanto para o bebê quanto para a mãe. Ela prevê, mas não pretende que a criança inevitavelmente morra como resultado. As mulheres que procuram o aborto, no entanto, não procuram apenas ser “não grávidas”. Eles procuram não ter um filho vivo.

Em segundo lugar, a analogia entre o aborto e o violinista é inútil em qualquer caso, exceto quando a gravidez em si foi o resultado de uma violação da integridade corporal – como seria se o violinista estivesse ligado a você. A analogia não se aplica a quase todas as gestações, a grande maioria das quais resulta de sexo consensual. Na verdade, a pesquisa do Instituto Guttmacher, pró-aborto, mostrou que apenas 1% dos abortos são obtidos em casos de estupro – uma porcentagem que se mantém estável ao longo de décadas de dados.

O que falta nos argumentos de autonomia corporal para o aborto é qualquer reconhecimento de que uma relação moral entre mãe e filho já existe no momento em que uma mulher está considerando um aborto.

No sexo consensual, mesmo no caso de contracepção fracassada, o homem e a mulher se envolvem voluntariamente no ato que traz uma nova vida à existência. O nascituro não é um intruso que usa a força e a violência para se prender à mãe, como um parasita se apega a um hospedeiro. Em vez disso, o nascituro está exatamente onde deveria estar, fazendo o que deveria estar fazendo. A concepção é o fruto natural do sexo, e uma criança se desenvolvendo no útero é um sinal de saúde reprodutiva. A concepção e a gestação são resultados naturais do sexo. As pessoas — especialmente os pais — têm responsabilidades pelas consequências naturais de seus atos. Um homem e uma mulher que voluntariamente se engajam no ato que pode criar uma nova vida, uma vida que passa a existir na condição de dependência radical, têm deveres de justiça para cuidar dessa nova vida.

A gravidez para muitas mulheres pode ser um fardo, e para algumas pode acarretar custos físicos graves, mas isso não justifica a morte intencional de outra pessoa inocente – e não apenas qualquer pessoa inocente, mas o filho da mulher. O que falta nos argumentos de autonomia corporal para o aborto é qualquer reconhecimento de que uma relação moral entre mãe e filho já existe no momento em que uma mulher está considerando um aborto. Tanto a mãe quanto o pai têm deveres naturais de proteger e cuidar de seus filhos, independentemente de serem “desejados” ou “indesejados”, “planejados” ou uma “surpresa”, “perfeitos” ou “defeituosos”.

A analogia de Thomson, então, falha quando aplicada a quase todas as gestações. A analogia parece adequada apenas quando a gravidez em questão foi resultado de estupro. Mesmo no caso de estupro – uma violação horrível da dignidade, integridade corporal, autonomia pessoal e liberdade legítima de uma mulher – a Justiça ainda exige que se respeite a vida do nascituro. A criança, afinal, não era o estuprador, não fez nada de errado e ainda é filha daquela mãe. O fardo de persistir, mesmo em uma gravidez difícil, não é proporcional ao de perder a vida. Ou seja, existe uma profunda assimetria entre existência ou inexistência, por um lado, e os ônus e custos da gravidez, mesmo aquela que vem acompanhada de profundos desafios psicológicos, como nos casos de estupro. E, claro, como uma questão moral, nada justifica a morte intencional de inocentes, muito menos do próprio filho.

Mas não devemos cair cativos neste engano retórico pró-aborto. Os defensores do aborto geralmente apontam para gravidezes resultantes de estupro não porque acreditam que o aborto deva ser limitado a esses casos realmente difíceis, mas para usar esses exemplos difíceis para justificar o aborto sob demanda durante todos os nove meses de gravidez. Se o argumento de Thomson tivesse sucesso, justificaria o aborto apenas em casos raros em que a mãe não consentiu em fazer sexo e, portanto, não é responsável pelo fato de uma nova vida ter surgido dentro dela. Mesmo assim, ainda não justificaria a morte intencional. O que é importante lembrar é que a esmagadora maioria das crianças é concebida como resultado natural do sexo consensual. Ao contrário do indivíduo hipotético de Thomson, que de repente acordou e se viu ligado ao violinista, os pais são responsáveis por terem concebido uma criança.

Os três primeiros passos do argumento do nosso livro— um novo ser humano passa a existir na concepção, os seres humanos possuem dignidade e valor intrínsecos, e o governo existe para proteger seres humanos inocentes da violência letal — explica a longa tradição moral e legal contra o assassinato. Examinar o argumento da autonomia corporal para o aborto destaca outro ponto pró-vida: o aborto é errado não apenas porque estranhos não devem matar uns aos outros, mas também e especialmente porque os pais têm obrigações especiais para com seus filhos, e não é exagero governamental exigir que os pais cumpram essas obrigações. O feto no útero não é um intruso ou parasita. Ele está exatamente onde deveria estar, fazendo exatamente o que deveria estar fazendo, e seus pais deveriam nutri-lo, protegê-lo e amá-lo. Embora alguns pais não possam cuidar de seus filhos após o nascimento, eles têm a responsabilidade de, pelo menos, trazer seu filho ao mundo e encontrar alguém que possa cuidar dele. Levar um bebê a termo e entregá-lo para adoção é uma maneira pela qual os pais podem cumprir suas obrigações com uma criança de quem não podem cuidar após o nascimento.

Convicções da Gazeta do Povo: Defesa da vida desde a concepção

O Debate Público

No debate público de hoje, os defensores do aborto muitas vezes fazem eco ao argumento de Thomson, descrevendo o direito ao aborto com eufemismos focados no direito das mulheres à autodeterminação: autonomia corporal, “direito de escolha”, direitos reprodutivos ou liberdade reprodutiva. Outras vezes, eles afirmam que os pró-vida são a favor da “gravidez forçada” ou do “parto forçado”. Com isso, os defensores do aborto querem dizer que, se você se opõe ao aborto legal, você é a favor de forçar as mulheres a engravidar e a dar à luz contra sua vontade, uma negação da autonomia corporal.

Essa linha de argumentação é tão popular entre os defensores do aborto que até apareceu durante os argumentos orais na Suprema Corte dos EUA no caso de 2021 Dobbs vs. Jackson Women's Health Organization. Em sua declaração de abertura contra a proibição do aborto no Mississippi após 15 semanas de gestação, a advogada Julie Rikelman disse: “Um Estado assumir o controle do corpo de uma mulher e exigir que ela passe pela gravidez e pelo parto, com todos os riscos físicos e consequências que traz, é uma privação fundamental de sua liberdade”.

Após a concepção, a questão não é mais ‘liberdade reprodutiva’, mas, sim, acabar com uma vida que já foi produzida.

Como a maioria dos defensores do aborto, Rikelman está falando como se não soubesse de onde vêm os bebês. Mas todos nós sabemos que o sexo naturalmente leva a filhos. Como nossa colega do Centro de Ética e Políticas Públicas Erika Bachiochi observou, o movimento feminista original era firmemente contra o aborto e a favor da maternidade voluntária. Essas feministas sabiam que a autonomia corporal significava que as mulheres deveriam consentir com o sexo para que fosse justo, inclusive no contexto do casamento, mas que ninguém poderia “consentir” corretamente em matar um feto. Ou seja, a “liberdade reprodutiva” se aplica antes da concepção, quando ocorre a reprodução. Após a concepção, a questão não é mais “liberdade reprodutiva”, mas, sim, acabar com uma vida que já foi produzida. Ninguém é a favor da “gravidez forçada” ou do “parto forçado” – as mulheres devem ser livres para decidir se querem ou não ter filhos. Mas a forma como exercem a sua liberdade de não ter filhos não pode implicar na morte dos filhos que já conceberam.

Mas aqueles que usam a filosofia de Thomson para justificar o aborto hoje a levaram a uma direção ainda mais insidiosa. Durante os argumentos orais de Dobbs, por exemplo, ambos os advogados que argumentavam contra a proibição do aborto após 15 semanas de gestação no Mississippi foram questionados sobre as leis de “refúgio seguro”, que protegem as mulheres de processos judiciais caso abram mão de seus direitos parentais e entreguem uma criança indesejada a um refúgio seguro. A juíza Amy Coney Barrett perguntou a ambos os advogados por que as leis de refúgio são uma solução insuficiente para o suposto fardo da paternidade, de modo que o direito ao aborto ainda seja necessário.

Em resposta, Julie Rikelman enfatizou os ônus da gravidez, ecoando Thomson, ao argumentar que continuar uma gravidez indesejada segue sendo muito oneroso para os direitos da mulher, mesmo que ela possa renunciar legalmente ao filho após o nascimento. Mas o segundo advogado fez uma confissão ainda mais reveladora. A procuradora-geral dos EUA, Elizabeth Prelogar, disse a Barrett que a confiança nas leis de refúgio seguro ignora “as consequências de forçar [a uma mulher] a escolha de ter que decidir se entrega uma criança para adoção. Essa é, por si só, uma decisão monumental para ela.”

A implicação do argumento de Prelogar é que o direito ao aborto vai além do direito de “interromper a gravidez” ou rejeitar a paternidade. Como ela mesma disse na argumentação, parte do objetivo é permitir que a mulher não “tenha um filho no mundo”. A intenção no aborto, então, não é retirar uma criança do útero, mas fazer com que a criança não exista mais. Na opinião de muitos defensores do aborto, o direito ao aborto é o direito a um bebê morto. Um editorial da National Review colocou um ponto importante sobre isso: “O aborto é valioso – tem status constitucional – porque permite que mães e pais cheguem tão perto quanto o bisturi e o veneno podem levá-los a fingir que nunca foram pais.”

Para muitos defensores do aborto, esse é o objetivo: permitir que mães e pais escolham o aborto, não para evitar o fardo da gravidez ou os sacrifícios da paternidade, mas como um meio de eliminar do mundo seu filho indesejado. Os argumentos de autonomia corporal para o aborto não reconhecem que todas as nossas liberdades têm limites. Um limite padrão para nossa liberdade é que não podemos matar intencionalmente pessoas inocentes. Quer essas outras pessoas estejam in utero ou ex utero, o mesmo princípio básico se aplica.

Assim como os argumentos da “autonomia corporal” e do “nascimento forçado” falham, também falham as tentativas de desumanizar o feto. Como mostramos no livro, simplesmente não há nenhum caso científico plausível de que o nascituro seja outra coisa que não um ser humano em um determinado estágio inicial de desenvolvimento - uma idade precoce de vida. Da mesma forma, as tentativas de reconhecer a humanidade do nascituro, mas negar seu valor moral – os vários debates sobre “personalidade” – carecem de um fundamento filosófico firme. Elas se baseiam em teorias filosóficas implausíveis e levam a conclusões moralmente abomináveis ​​que nunca aceitaríamos em outras circunstâncias.

A posição pró-vida por si só é coerente: todos os seres humanos são pessoas morais, porque a natureza humana é uma natureza racional que fundamenta nosso valor pessoal. É por isso que a lei deve proteger todas as pessoas, nascidas e não nascidas. Assim como as sociedades do passado classificaram alguns seres humanos como não-pessoas com base em raça ou religião, hoje classificamos um segmento da humanidade como não-pessoas com base em idade, tamanho, localização ou estágio de desenvolvimento. A lei deve se recusar a endossar esses padrões arbitrários de personalidade e, ao fazê-lo, proteger a todos nós.

Este ensaio é uma adaptação do próximo livro dos autores: Tearing Us Apart: How Abortion Harms Everything and Solves Nothing.

Ryan T. Anderson é editor fundador do Public Discourse. É também Presidente do Núcleo de Ética e Políticas Públicas. Autor de livros, sua pesquisa foi citada por dois juízes da Suprema Corte dos EUA, Juiz Samuel Alito e Juiz Clarence Thomas, em dois casos.

Alexandra DeSanctis é redatora da equipe da National Review e pesquisadora visitante do Ethics and Public Policy Center. Ela é colunista regular do blog Chapter House, do Catholic Herald, e fala com frequência para o público universitário sobre a política de aborto e o movimento pró-vida.

©2022 Public Discourse. Publicado com permissão. Original em inglês

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]