i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Europa

Bielorrússia ameaça usar armas letais contra manifestantes

    • Estadão Conteúdo
    • 14/10/2020 08:46
    protestos bielorrússia
    Aposentados bielorrussos discutem com um policial durante um protesto para exigir a renúncia de Lukashenko e uma nova eleição no país, em Minsk em 12 de outubro de 2020| Foto: STRINGER / AFP

    O governo da Bielorrússia ameaçou usar armamento letal contra os manifestantes, que tomam as ruas desde 9 de agosto, quando o ditador Alexander Lukashenko anunciou sua vitória em uma eleição suspeita para mais um mandato. Ele está no poder há 26 anos. O vice-ministro do Interior, Gennadi Kazakevich, justificou a ameaça dizendo que os atos em Minsk se "tornaram altamente radicais".

    "Diante disso, a polícia e os serviços do Ministério do Interior podem sair às ruas e empregar equipamento especial e armas de combate se isso for necessário", afirmou Kazakevich. O vice-ministro disse que alguns grupos "anarquistas" atiraram pedras e garrafas nas forças de segurança. "Não enfrentamos apenas ataques, mas grupos de combatentes radicais, anarquistas e torcedores de futebol", afirmou. Para ele, os movimento que pede a saída de Lukashenko está "desaparecendo gradualmente".

    As forças de segurança da Bielorrússia, acusadas por organizações de direitos humanos do uso injustificado de força nos protestos, detiveram 713 pessoas no final de semana.

    De acordo com os manifestantes, a repressão aos ato de domingo foi uma das mais violentas desde que os protestos contra o ditador tomaram as ruas do país. Na segunda-feira, outra manifestação que reuniu centenas de aposentados em Minsk também foi dispersada pela polícia, que usou gás lacrimogêneo e granadas de efeito moral, segundo a polícia.

    Sanções

    A União Europeia (UE) disse na segunda-feira que estava pronta para adotar sanções contra o próprio Lukashenko. No começo do mês, 40 funcionários do governo bielorrusso sofreram restrições de viagens e congelamento de bens em países europeus. "Nada melhorou na Bielorrússia. A violência do regime de Lukashenko e a detenção de manifestantes pacíficos continuam", declarou o chefe diplomacia alemã, Heiko Maas.

    Ontem, Svetlana Tijanovskaya, líder da oposição bielo-russa, disse que o país entrará em greve geral caso Lukashenko não renuncie. "Você (Lukashenko) tenta paralisar a vida do nosso país sem entender que a Bielorrússia é mais forte do que o regime", afirmou Tijanovskaya.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • L

      Luciano R. Ayres

      ± 0 minutos

      Infelizmente, o gosto pelo poder se sobrepõe a vontade popular, e apenas uma faísca pode gerar uma revolta popular onde ninguém é poupado para que o ditador se mantenha no poder, que triste essa sina desse povo, que saiu da mão de um a ditadura russa e ficou com a familiar, sem pode se manifestar e agora quando quer seus direitos lhe são negados.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso