i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
DESAPARECIDO

Brasil envia três embarcações para buscas de submarino argentino

Há relatos na imprensa local de que houve um incêndio nas baterias do submarino, mas a Marinha argentina não confirma a informação

    • Folhapress
    • 18/11/2017 18:54
    Foto de 2014 do submarino desaparecido. A imagem foi cedida pela Marinha da Argentina | HANDOUT/AFP
    Foto de 2014 do submarino desaparecido. A imagem foi cedida pela Marinha da Argentina| Foto: HANDOUT/AFP

    O Brasil está participando dos esforços da Marinha da Argentina para encontrar e resgatar o submarino argentino que está desaparecido desde a última quarta-feira com 44 tripulantes.

    Segundo o ministro Raul Jungmann (Defesa), o Brasil enviou três embarcações para a região das buscas: o navio de socorro submarino Filinto Perry, a fragata Rademaker e o navio polar Maximiano.

    Jungmann disse também que o Comando da Aeronáutica colocou à disposição dos argentinos um avião C-105 de busca e salvamento e um quadrimotor de patrulha marítima de longa distância P-3.

    O ARA San Juan estava em um exercício de vigilância na zona econômica exclusiva marítima argentina a cerca de 400 km a leste de Puerto Madryn, na Patagônia (sul do país). Ele se dirigia de volta à sua base em Mar del Plata, ao norte, quando as comunicações foram interrompidas.

    Leia também: Chile condena primeiro civil por crimes durante a ditadura de Pinochet

    A Argentina aceitou ajuda ainda dos Estados Unidos, que enviarão o avião explorador da NASA P-3, que estava estacionado na cidade do sul de Ushuaia e se preparava para partir para a Antártida.

    O Reino Unido também ofereceu apoio nas buscas pelo ARA San Juan e disponibilizou um avião Hércules que opera nas ilhas Malvinas (Falklands, para os britânicos).

    Outros países que manifestaram ajuda ao governo argentino foram Uruguai, Chile, Peru, e África do Sul, segundo informações do jornal argentino “Clarín”.

    “A detecção tem sido difícil apesar da quantidade de barcos e aeronaves” envolvidos na busca, disse o porta-voz da Marinha argentina, Enrique Balbi, observando que ventos fortes e altas ondas estão complicando as buscas.

    Há relatos na imprensa local de que houve um incêndio nas baterias do barco, mas a Marinha argentina não confirma a informação. Nesta sexta, houve um boato de que o barco havia sido encontrado, mas ele foi negado pelo porta-voz da Marinha.

    “Esperamos que esteja na superfície”, disse Balbi.

    O San Juan terminou de ser construído em 1985 e passou por uma longa revisão para lhe dar mais 30 anos de vida útil que acabou em 2013.

    O presidente argentino, Mauricio Macri, disse que o governo estava em contato com as famílias da equipe.

    “Nós compartilhamos sua preocupação e a de todos os argentinos”, escreveu no Twitter.

    “Estamos comprometidos em usar todos os recursos nacionais e internacionais necessários para encontrar o submarino ARA San Juan o mais rápido possível”.

    As autoridades argentinas evitam usar o termo “perdido” ou “desaparecido”.

    “A última informação oficial e confiável é de que o submarino ainda não foi encontrado. Não é que esteja perdido: para estar perdido, você tem de procurá-lo e não encontrá-lo”, afirmou Balbi.

    Leia também: Procuradora venezuelana pede investigação internacional sobre Maduro

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.