Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Refinaria em Los Taques, na Venezuela, em dezembro de 2017 | MERIDITH KOHUTNew York Times
Refinaria em Los Taques, na Venezuela, em dezembro de 2017| Foto: MERIDITH KOHUTNew York Times

Os venezuelanos estão passando por uma das piores crises de sua história: hiperinflação, desemprego, fome, sucateamento de equipamentos e serviços públicos, repressão estatal e migração em massa. Mesmo assim o governo do ditador Nicolas Maduro encontra caixa para comprar petróleo para fornecer à Cuba. A informação é da agência de notícias Reuters, que afirma que, entre janeiro de 2017 e maio de 2018, a petrolífera estatal venezuelana (PDVSA) comprou quase US$ 400 milhões em petróleo para enviá-lo à ilha comunista com preço subsidiado.

As remessas, de acordo com relatório obtido pela Reuters, são os primeiros registros documentados na OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de que a Venezuela está tendo que comprar petróleo para abastecer um aliado regional em vez de fornecer o produto de suas próprias reservas. Os registros apontam que o produto veio da Rússia e é uma variedade encontrada nos Urais, adequada às refinarias cubanas construídas com equipamentos da era soviética. 

A PDVSA comprou o petróleo a US$ 12 por barril, valor maior do que cobrou ao enviar o produto à Cuba, de empresas da Rússia, China e Suíça. Além disso, é possível que Cuba nunca pague as cargas em dinheiro porque Maduro tem aceitado bem e serviços de Cuba em retorno, devido a um pacto firmado em 2000 pelos presidentes Hugo Chávez e Fidel Castro.

As compras de petróleo apontam para a desintegração do setor energético venezuelano. A produção de petróleo no país atingiu a menor taxa do primeiro trimestre em 33 anos - uma queda de 28% em 12 meses - e suas refinarias estão sucateadas e operando com um terço da capacidade.

Leia também: Crise venezuelana é exportada para a Nicarágua

Enquanto os gastos com petróleo estão aumentando, a Venezuela está importando menos produtos que seus cidadãos precisam desesperadamente. De acordo com dados do banco central e da Ecoanalítica, uma organização de pesquisa econômica de Caracas, as despesas da Venezuela com importação de bens não relacionados a petróleo caiu de US$ 46 bilhões em 2015 para US$ 6 bilhões em 2017.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]