i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições nos EUA

Estudo mostra 4 consequências econômicas devastadoras da agenda de Biden

  • PorBrad Polumbo*
  • FEE - Foundation for Economic Education
  • 21/10/2020 10:09
joe biden
Candidato presidencial democrata, Joe Biden| Foto: Drew Angerer/Getty Images/AFP

A imprensa complacente com os democratas afirmou repetidamente que a agenda tributária do candidato à presidência Joe Biden só prejudicaria os ricos. Mas um novo estudo mostra que a agenda tributária e regulatória de Biden pode prejudicar seriamente a economia em geral.

Quatro economistas da Instituição Hoover da Universidade de Stanford analisaram as propostas de Biden para aumentar os impostos, restabelecer e expandir uma série de regulamentações e criar novos subsídios para saúde e energia renovável. O estudo conclui que essas intervenções distorceriam os incentivos ao trabalho, diminuiriam a produtividade e eliminariam empregos.

Como resultado, os especialistas projetam que a agenda política levaria, até 2030, a 4,9 milhões de empregos a menos e uma retração da economia em US$ 2,6 trilhões. Da mesma forma, o estudo projeta que o consumo seria US$ 1,5 trilhão menor em 2030 e que as famílias veriam uma queda de US$ 6.500 na renda familiar média em comparação com um cenário neutro.

“O risco das políticas de Joe Biden não é que elas vão causar uma reviravolta na economia imediatamente”, concluiu o conselho editorial do Wall Street Journal em sua análise do estudo. “O problema é que elas terão um impacto corrosivo de longo prazo, aumentando o custo do capital, reduzindo o incentivo para trabalhar e investir e reduzindo a produtividade em toda a economia. Os americanos pagarão o preço com um padrão de vida mais baixo do que pagariam”.

É crucial entender não apenas o que a agenda pesada do governo de Biden faria para a economia, mas por quê.

Os aumentos de impostos prejudicam a economia porque reduzem os incentivos ao trabalho e à produção.

“Tributar lucros equivale a tributar sucesso”, escreveu certa vez o famoso economista Ludwig Von Mises, defensor do livre mercado. “A tributação progressiva da renda e dos lucros significa que exatamente aquelas partes da renda que as pessoas teriam economizado e investido são tributadas”.

Biden prometeu aumentar o imposto corporativo para 28%. Impostos corporativos mais altos significam menos dinheiro disponível para investimento, expansão e novas contratações – “sucesso tributário”, como Mises sabiamente apelidou. Isso significa menos empregos e salários mais baixos para os trabalhadores, bem como menos ofertas (especialmente de novos produtos inovadores) e qualidade inferior para os consumidores.

É por isso que, embora os aumentos de impostos corporativos possam soar como algo que prejudicaria as “grandes empresas”, na realidade, os custos seriam repassados ​​aos consumidores e trabalhadores. De acordo com a Tax Foundation, “os estudos parecem mostrar que a mão-de-obra suporta entre 50% e 100% da carga do imposto de renda corporativo, sendo 70% ou mais o resultado mais provável”.

Considerando isso, não deve ser surpresa ver economistas projetando consequências econômicas negativas como resultado dos pesados ​​aumentos de impostos de Biden.

No que diz respeito às regulamentações pesadas, elas criam um entrave à economia, impondo custos adicionais e sufocando a inovação. Quanto mais burocracia e obstáculos as empresas e empreendedores tiverem que superar e cumprir, menos provável será que eles descubram novas ideias e avancem. Da mesma forma, quanto mais regulamentada for uma indústria, mais difícil será para as startups enfrentarem as grandes empresas estabelecidas que podem enfrentar melhor os custos da regulamentação.

Reduzir a concorrência significa redução da inovação e mais complacência.

No entanto, a verdadeira lição deste estudo de Stanford não é sobre nenhum candidato, política ou partido. É outro lembrete de que os mercados livres e a liberdade econômica impulsionam a prosperidade, mas intervenções governamentais violentas prejudicam mais do que ajudam.

*Brad Polumbo é jornalista libertário-conservador e parceiro na Foundation for Economic Education.

© 2020 Foundation for Economic Education - FEE. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.