i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tensão

Milhares de pessoas mantêm protestos nas ruas da Turquia

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, reuniu seus simpatizantes e fez uma série de discursos desafiadores neste domingo (9)

  • PorReuters
  • 09/06/2013 10:11
Protestos contra o governo turco são amntidos na Praça Taksim, em Istambul, neste domngo (9) mesmo após ameaças do primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan | REUTERS/Osman Orsal
Protestos contra o governo turco são amntidos na Praça Taksim, em Istambul, neste domngo (9) mesmo após ameaças do primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan| Foto: REUTERS/Osman Orsal
  • Milhares de pessoas protestam na Praça Taksim neste domingo (9) contra o governo turco

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, reuniu seus simpatizantes e fez uma série de discursos desafiadores neste domingo (9), enquanto dezenas de milhares de manifestantes contra o governo se concentram na Praça Taksim, no centro de Istambul. Em discurso no sul da cidade de Adana, na costa mediterrânea, Erdogan minimizou os protestos e exaltou a multidão para "ensinar uma lição" aos manifestantes por meio das urnas no próximo ano, quando a Turquia realiza eleições locais e presidenciais.

"Aqueles agora em Taksim, aqueles que queimam e destroem, aqueles em vários locais em todo o país, eu lhes pergunto: em nome de qual a liberdade vocês estão fazendo isso?", disse Erdogan em um discurso nos Jogos do Mediterrâneo, um evento desportivo internacional realizado em Mersin. "Vocês devem ensinar-lhes uma lição nas urnas... Vocês vão passar de porta em porta, de casa em casa e trabalhar duro."

Ainda o político mais popular da Turquia, Erdogan vem mantendo as atividades de sua administração como de costume, apesar de uma das semana mais conturbadas em décadas, com fortes protestos políticos.

Mais cedo, discursando para multidões no aeroporto de Adana, a caminho dos Jogos, ele foi desafiador. Seu Partido AK descartou a possibilidade de eleições antecipadas e funcionários do partido disseram que podem chamar seus próprios encontros públicos em Istambul e Ancara na próxima semana. "Meus amados irmãos, estamos caminhando para uma Turquia melhor. Não permitam aqueles que tentam plantar sementes separatistas de fazê-lo", disse ele de cima de um ônibus estampado com sua imagem e o slogan do seu partido: "Grande País, Grande Poder".

Dezenas de milhares de pessoas se concentraram novamente em Taksim, onde policiais com apoio de helicópteros e veículos blindados entraram em confronto com os manifestantes há uma semana. Manifestantes pedem a renúncia de Erdogan. O que começou como uma campanha contra os planos do governo para a reurbanização do Parque Gezi culminou em uma exposição inédita da revolta contra o autoritarismo de Erdogan e de seu Partido AK, de raízes islâmicas.

A polícia disparou gás lacrimogêneo e canhões de água contra os manifestantes, noite após noite em Istambul e Ancara, na semana passada, em confrontos que deixaram três mortos e cerca de 5.000 feridos. Os organizadores dos protestos iniciais em Taksim repetiram seu apelo para o fim dos planos de remodelação, pela proibição do uso de gás lacrimogêneo pela polícia, demissão dos responsáveis pela violência policial, e o fim da proibição de manifestações.

Dezenas de milhares de pessoas também se reuniram no aeroporto de Ancara para o retorno do primeiro-ministro depois de uma semana em viagem à África do Norte, antes de retornar a Istambul.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.