i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Europa

Milhares se reúnem contra proposta de lei sobre aborto da Irlanda

  • PorReuters
  • 09/06/2013 06:53

Milhares de pessoas se reuniram no centro de Dublin neste sábado (8) e se posicionaram contra o projeto do governo de permitir acesso limitado ao aborto nos casos que a vida da mãe corre perigo. Os organizadores disseram que mais de 40 mil pessoas estiveram nos arredores dos escritórios do governo para a "Vigilância Nacional pela Vida", no que é a maior demonstração antiaborto da história da Irlanda.

Ministros chegaram ao rascunho de uma legislação que permite acesso limitado ao aborto nos casos em que a vida da mulher está em risco, inclusive ameaças de suicídio, mas a proposta dividiu a coalizão governista. "A manifestação mostra que a opinião média da Irlanda está cada vez mais preocupada com as leis do governo em relação ao aborto", disse a porta-voz da Campanha Pró-Vida, Caroline Simons, a uma multidão que balançava balões coloridos.

"Há pessoas aqui que nunca participaram de um evento pró-vida antes. A mensagem está sendo passada adiante. Essa legislação não é restritiva e não é sobre salvar a vida de mulheres e crianças".

Um debate de duas décadas sobre como a Irlanda deve lidar com uma decisão da Suprema Corte que permite o aborto quando a mãe está em perigo foi reaberto ano passado após a morte de uma mulher que não pôde realizar o aborto de um feto que estava morrendo.

Sucessivos governos vêm evitando tomar uma posição sobre a decisão, resultado da contestação de uma vítima de estupro de 14 anos, no chamado "caso-x" de 1992, de uma emenda constitucional de nove anos antes que pretendia banir o aborto em todos os casos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.