i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
opinião

O Ocidente realmente enfrenta uma crise migratória?

As verdadeiras crises humanitárias não ocorrem no Ocidente, mas sim em acampamentos temporários esquálidos no Oriente Médio que abrigam milhões de refugiados sírios, empobrecidos e em cantos dominados por gangues da América Central, ou as perigosas redes de contrabando no norte da África

  • PorIshaan Tharoor
  • Washington Post
  • 28/06/2018 12:29
Nesta foto de 17 de junho de 2018 obtida em 18 de junho de 2018, mostra imigrantes ilegais detidos por agentes da Patrulha da Fronteira dos EUA no Centro de Processamento Central em McAllen, Texas. Um juiz dos EUA ordenou que as famílias migrantes separadas na fronteira com o México, sob a política de "tolerância zero" do presidente Donald Trump, sejam reunidas dentro de 30 dias. Para crianças menores de cinco anos, a reunificação deve ocorrer dentro de duas semanas após a ordem, emitida em 26 de junho de 2018 pelo juiz distrital dos EUA Dana Sabraw, em San Diego. | US Customs and Border Protection/ Divulgação/AFP
Nesta foto de 17 de junho de 2018 obtida em 18 de junho de 2018, mostra imigrantes ilegais detidos por agentes da Patrulha da Fronteira dos EUA no Centro de Processamento Central em McAllen, Texas. Um juiz dos EUA ordenou que as famílias migrantes separadas na fronteira com o México, sob a política de "tolerância zero" do presidente Donald Trump, sejam reunidas dentro de 30 dias. Para crianças menores de cinco anos, a reunificação deve ocorrer dentro de duas semanas após a ordem, emitida em 26 de junho de 2018 pelo juiz distrital dos EUA Dana Sabraw, em San Diego.| Foto: US Customs and Border Protection/ Divulgação/AFP

Nesta quinta-feira (28) os líderes europeus se reunirão em Bruxelas para discutir a imigração no bloco. A questão sobre como a União Europeia lidará com os migrantes e solicitantes de asilo obscureceu a política continental desde que um fluxo de refugiados sírios dominou as manchetes mundiais em 2015. Embora o número de chegadas tenha caído nos anos seguintes, a reação de direita na Europa só aumentou. Agora, até mesmo o futuro político da chanceler alemã, Angela Merkel, está na balança, com aliados rebeldes à direita ameaçando acabar com seu governo de 13 anos por causa do que eles vêem como uma postura suave e permissiva adotada por ela. 

"A política de imigração é o campo de batalha central no aprofundamento da divisão política da Europa", escreveu o Wall Street Journal. "Um sistema centrista e pró-europeu busca tranquilizar os eleitores de que medidas cooperativas podem refrear os fluxos migratórios e, ao mesmo tempo, distribuir os refugiados de forma justa. Insurgentes políticos antissistema, particularmente de extrema-direita, estão denunciando os esforços da UE como um fracasso e buscando varrer os antigos governantes, como Merkel”. 

Leia mais: 8 coisas que você precisa saber sobre imigração nos EUA

Há um consenso geral sobre o reforço da segurança na fronteira do bloco e o trabalho para impulsionar a ajuda às nações africanas próximas em uma tentativa de conter os fluxos migratórios no Mediterrâneo. Mas além disso, as diferenças de propostas de abordagem são profundas. "Merkel está buscando uma maneira de redistribuir em todo o continente os imigrantes que já chegaram", explicou Michael Birnbaum, meu colega do Washington Post. "A Itália, um país que está na linha de frente para os solicitantes de asilo e migrantes vindos do norte da África, está mais focada nas chegadas iniciais e em evitar o que diz ser um fardo injusto que foi imposto a eles pelos países ao norte".

Os partidos de direita em governos de coalizão na Itália e na Áustria estão pressionando para que todos os recém-chegados sejam rejeitados na fronteira, enquanto nacionalistas não liberais na Hungria, Polônia e outros países da Europa Central e Oriental rejeitam as propostas de Merkel de que todos os membros da UE aceitem receber uma quota de requerentes de asilo. Como meus colegas relataram, Merkel e outros centristas europeus estão sendo constantemente desafiados por uma liderança mais linha-dura à direita, incluindo o jovem chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, e o novo ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, um populista

Tanto Kurz quanto Salvini criaram paralelos com o presidente Donald Trump, que aplaudiu a quebra do consenso liberal da Europa. Desde que iniciou o seu mandato, Trump tomou emprestado os argumentos dos populistas da Europa, atribuindo qualquer fluxo de migrantes como uma ameaça existencial. Enquanto Salvini deixa navios transportando centenas de migrantes encalhados no Mediterrâneo, Trump tem pressionado por um tratamento severo aos imigrantes que entram ilegalmente no país, priorizando um caro muro fronteiriço e um veto à entrada de imigrantes de cinco nações de maioria muçulmana — medidas que especialistas em segurança nacional acreditam que é necessário. 

Aos números

Embora essas políticas galvanizem o sentimento de direita, elas não refletem as tendências reais de migração, como meus colegas observam.

"Chegadas de migrantes e requerentes de asilo na Europa através do Mediterrâneo caíram mais de metade este ano em comparação com o mesmo período de 2017, segundo a agência de migração da ONU: 40.944 pessoas até quarta-feira (27). O declínio é ainda maior comparando-se com 2016: representa apenas 19% do mesmo período naquele ano", como escreveu Michael Birbaum.

Como sempre foi o caso, as verdadeiras crises humanitárias não ocorrem no Ocidente, mas sim em acampamentos temporários esquálidos no Oriente Médio que abrigam milhões de refugiados sírios, empobrecidos e em cantos dominados por gangues da América Central, ou as perigosas redes de contrabando no norte da África. 

Trump, segundo argumentou Christopher Ingraham, do Wonkblog, está diante de uma crise de imigração que não existe. A grande maioria dos imigrantes que entram nos Estados Unidos faz isso legalmente. De acordo com uma conta, as estadias de visto compreendem dois terços dos que se juntam à população sem documentos americana todos os anos.

"O número que tenta atravessar a fronteira sul é provavelmente o menor desde os anos 70", disse Robert Warren, demógrafo do Centro de Estudos Migratórios, em Ingraham. "Estou surpreso que o governo [Trump] não tenha realmente focado naqueles que ficam além do tempo permitido. É aí que a ação está". A Casa Branca também está buscando maneiras de conter a imigração legal, mas a visão que o governo propaga de uma perigosa horda de bárbaros concentrados nos portões é tanto inflamatória quanto exagerada.

Sentimentos x Fatos

Claro, quando se trata de questões sobre imigração, sentimentos quase sempre superam os fatos. Por ter minado a posição de Trump sobre a limitação de refugiados, a Casa Branca rejeitou um estudo realizado pelo próprio governo no ano passado, que concluiu que os refugiados trouxeram mais US$ 63 bilhões em receitas do governo na última década do que custam aos cofres públicos.

Mais amplamente, os especialistas alertam para o impacto econômico negativo que os Estados Unidos enfrentam agora devido a um aparente declínio na migração de baixa qualificação. Também na Europa, a demanda por mão-de-obra pouco qualificada só aumentará à medida que a população do continente envelhecer e, em alguns casos, diminuir. 

Leia maisImigrante conta por que foi para os EUA: "Para salvar nossas vidas e nossos filhos"

No entanto, pesquisas de opinião em numerosas sociedades ocidentais consistentemente constatam que um número significativo de pessoas inflaciona em excesso o tamanho da população imigrante em seu meio e a escala de seu impacto demográfico. "As superestimativas são maiores entre grupos específicos: os menos instruídos, trabalhadores em ocupações de baixa qualificação com muitos imigrantes e aqueles com direito político", observou o New York Times, citando uma pesquisa recente de opinião pública nos Estados Unidos e outros países europeus.

"Eles superestimam a parcela de imigrantes que são muçulmanos e subestimam a parcela de cristãos. Eles subestimam a educação dos imigrantes e superestimam tanto a taxa de pobreza quanto a dependência do bem-estar. Quase um quarto dos franceses, bem como quase um em cada cinco suecos e cerca de um em cada sete americanos acha que o imigrante médio recebe o dobro da ajuda do governo que os residentes nativos. Em nenhum país isso é verdade ”. 

Esses mal-entendidos têm efeitos políticos reais, como o Times relatou, incluindo "a erosão do apoio ao modelo social-democrata da Europa, bem como à rede de segurança social mais limitada dos Estados Unidos". 

Os centristas e liberais da Europa, incluindo Merkel, o presidente francês Emmanuel Macron e um novo governo de centro-esquerda na Espanha, pedem pragmatismo e calma, incitando a divisão de responsabilidades no continente e a diplomacia no Mediterrâneo para reduzir ainda mais os números que tentam fazer a perigoso travessia marítima.

Mas as paixões do momento não se encaixam bem com essa abordagem comedida. No fim de semana, um frustrado Macron pediu aos seus colegas que "não esquecessem nossos valores" de abertura e tolerância. "Estamos vivendo uma crise política mais do que uma crise migratória hoje", disse ele.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.