i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Covid-19

Pandemia começa a desacelerar na Europa

    • Gazeta do Povo
    • 06/04/2020 10:57
    Hospital temporário para pacientes COVID-19 localizado no centro de convenções e exposições da Ifema em Madri
    Hospital temporário para pacientes da COVID-19, localizado no centro de convenções e exposições da Ifema em Madri| Foto: PIERRE-PHILIPPE MARCOU / AFP

    Primeiro foi a Itália. Agora Espanha, Alemanha e Áustria começam a notar os primeiros sinais de desaceleração da propagação do novo coronavírus.

    O continente europeu é o mais atingido pelo vírus, com mais de 650 mil infecções registradas e 50 mil mortes. Mas segundo a Organização Mundial da Saúde, alguns países da região estão registrando menos casos diários da Covid-19 do que na semana passada.

    Espanha

    A Espanha, por exemplo, informou nesta segunda-feira (6) que 4.273 pessoas foram diagnosticadas com a doença nas últimas 24 horas. No dia anterior, foram 5,5 mil. O auge, até agora, foi de 9,2 mil casos em 1º de abril, segundo dados da OMS.

    A redução também aparece no número de vítimas da doença. Nesta segunda-feira, as autoridades espanholas anunciaram que 637 pacientes morreram, o menor número desde 24 de março. O pico foi registrado na quinta-feira passada, quando 950 pessoas faleceram por causa da doença.

    Os dados fazem crescer a esperança de que o pior já passou no país, um dos mais atingidos pela pandemia de coronavírus, com mais de 130 mil infecções - o maior número na Europa - e 13 mil mortes.

    "Esses números continuam a confirmar a tendência de queda que estamos vendo", disse María José Sierra, do centro de emergência de saúde da Espanha, citando que há também uma diminuição nas hospitalizações e nos casos que precisam de cuidados intensivos. "Estamos vendo a taxa de crescimento da pandemia diminuindo em praticamente todas as regiões".

    Itália

    O movimento de "achatamento da curva" de novos casos da Covid-19 já havia sido notado na Itália. Há uma semana, as autoridades anunciaram que o auge da epidemia já havia passado. Porém, o país está registrando aumentos diários entre 4 e 5 mil casos, o que mostra uma certa dificuldade em começar uma trajetória de queda.

    As mortes por coronavírus, da mesma maneira, estão desacelerando. Neste domingo (5), 525 italianos faleceram por causa da Covid-19, o menor aumento diário desde 19 de março. Além disso, o número de pacientes internados em unidades de tratamento intensivo caiu pelo segundo dia consecutivo.

    Mesmo com as boas notícias, o governo continua defendendo a quarentena imposta para contenção da propagação do novo coronavírus. "Não abaixe a guarda, fique em casa", disse Angelo Borelli, chefe do departamento de Proteção Civil da Itália.

    Alemanha

    A Alemanha segue a mesma toada, embora os indícios de uma estabilização sejam mais incipientes. Na segunda-feira, o número de pessoas infectadas aumentou em 3.677, segundo o Instituto Robert Koch para doenças infecciosas, o que marcou o quarto dia consecutivo de queda em novos casos. Segundo a instituição, já são mais de 95 mil casos no país.

    As mortes também começaram a diminuir no início desta semana. Foram 92 registradas nesta segunda-feira, segundo o instituto alemão, o menor número de óbitos desde 31 de março. Mais de 1400 alemães já morreram por causa da Covid-19.

    A Alemanha é o país com uma das menores taxas de letalidade da doença, o que se explica pelo fato de estar conduzindo testes em massa para diagnosticar o novo vírus. Segundo reportagem do Financial Times, o país está fazendo 350 mil testes por semana e já testou quase um milhão de pessoas, em uma população de cerca de 80 milhões.

    Áustria

    A vizinha Áustria também vê uma desaceleração de novos casos de Covid-19. Segundo a OMS, o país registrou o maior número de infecções em um único dia em 27 de março (1.141) e desde 31 de março os novos casos vem diminuindo. Desde o início da epidemia até 5 de abril, 11.766 casos forma confirmados no país e 186 austríacos morreram.

    O primeiro-ministro, Sebastian Kurz, já está planejando relaxar as medidas de distanciamento social a partir de 14 de abril. Ele disse que negócios com mais de 400 metros quadrados de área e lojas de ferragens e jardins poderão abrir novamente. Shoppings e salões de beleza poderão abrir a partir de 1º de maio, e escolas ficarão fechadas até metade de maio. Eventos continuarão suspensos até fim de junho, segundo o planejamento do governo.

    Preocupação

    Na semana passada, a OMS alertou que países que se apressarem em suspender as restrições de quarentena podem ter que lida com uma crise econômica "ainda mais grave e prolongada" e um ressurgimento dos casos de Covid-19.

    "Estamos todos cientes das profundas consequências sociais e econômicas da pandemia", disse o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus na sexta-feira. "Em última análise, a melhor maneira de os países encerrarem as restrições e facilitarem seus efeitos econômicos é atacar o vírus".

    O jornalista Jamil Chade, colunista do UOL baseado em Genebra, informou nesta segunda-feira que a OMS prepara uma estratégia que possa guiar os países na transição entre as quarentenas e a reabertura das economias. Segundo Chade, a OMS também vai "concentrar esforços para que países possam melhorar seus serviços de saúde".

    7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 7 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • R

      Ricardo

      ± 2 dias

      Fora o que o João Cesar falou abaixo, junte-se o fato de 5 mil crianças (de até 5 anos) morrerem de diarreia por ano no país, fora as vítimas de dengue, zika e chicungunia, sarampo, malária, bala perdida, acidentes em estradas esburacadas, violência doméstica ou de rua, etc... Mas isso não dá tanto ibope como PANDEMIA.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        joao cesar reinert

        ± 2 dias

        No Brasil quase sessenta mil pessoas são assassinadas por ano , ano após ano essa tragédia se repete , e todos , incluindo essa maldita imprensa ficam calados !

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          MAURICIO VITOR LEONE DE SOUZA

          ± 2 dias

          Ótima notícia. O ponto negativo é usar referência da OMS. Essa já se desmoralizou, e não tem condições de ter sua opinião levada em conta. O ideal é cada País estudar e decidir conforme estudos técnicos o.mais precisos para as decisões. No entanto, uma coisa é clara: a "estória" de achatamento da curva inexiste, e a propagação da doença é vertical e seu declínio só ocorre após a imunização por contaminação.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            Joao F

            ± 2 dias

            A WHO/OMS erro na parte médica para prevenir a pandemia; agora vamos engolir lições dela em economia? Alguém ainda leva a OMS a sério?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • M

              Marcos A.

              ± 2 dias

              Sério? Que bom, no Brasil está só no início. Segundo reportagem da Gazeta (copiada do UOL, grupo FOLHA), o Brasil terá no mínimo 44 MIL MORTES. Como até agora morreram 495 aqui, ainda tem, pelo menos, mais 43.505 pessoas para morrerem. Deixando a ironia de lado, é triste ver a Gazeta com esse tipo de sensacionalismo. Não leio FOLHA pra não passar raiva, mas se a Gazeta continuar replicando esses absurdos, terei que deixar de lê-la também.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • R

                Ricardo

                ± 2 dias

                Claro que vai começar a retroceder. E aqui também, em breve. Daí fica a pergunta: o que a imprensa alarmista vai fazer? noticiar invasão de ETs? Torcer por um novo vírus? É útil informar a sociedade do que acontece, mas sem deturpar ou dar notícias pela metade, falando o que só interessa por motivos polítiqueiros ou econômicos. Também é bom falar dos casos que foram curados, dos que tem o vírus mas passam bem, dos que só tem gripe comum, dos que se vacinaram e mesmo assim ficaram gripados, das outras doenças, de outros assuntos. Chega de usar o pânico para arrecadar. Com certeza o minuto do comercial da Globo nas manhãs está mais caro do que com a Fátima ou a Ana Maria Braga.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • C

                  Correa

                  ± 2 dias

                  Enfim algum alento.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.